conecte-se conosco


Política Nacional

Feminismo quer “tirar direito da mulher de ser assediada”, diz deputado do PSL

Publicado

source

IstoÉ

Deputado Jessé Lopes arrow-options
Rodolfo Espínola / Agência AL

Deputado fez posts durante o final de semana

O deputado do PSL de Santa Catarina Jessé Lopes escreveu, em uma publicação nas redes sociais, que o movimento feminista está tirando “o direito da mulher poder ser ‘assediada’”. Na postagem, o parlamentar crítica a campanha “Não é Não” do Coletivo Feminista de Santa Catarina para o Carnaval deste ano, afirmando que homens e mulheres gostam de ser assediados. “Massageia o ego, mesmo que não se tenha interesse na pessoa que tomou a atitude”, disse.

Em outro trecho da publicação, Jessé Lopes compara o movimento feminista ao MST. “Sempre que conquistam algo, irão procurar outra causa para defender, pois o movimento não pode parar, já que ele é um braço da revolução cultural socialista. É igual ao MST, sempre ganham terras, mas estão sempre sem terras”, escreveu.

Leia também: Juíza diz que feminismo colaborou para degradação da sociedade

O deputado afirma ainda que “toda mulher sabe lidar com assédio”. “Obviamente estou falando do assédio no sentido que o próprio movimento generaliza (dar em cima), e não de atos agressivos e perturbantes. Crime não se previne e nem se combate com tatuagens!”, opinou o deputado.


Mais tarde, em outra publicação, o parlamentar voltou a fazer criticas ao movimento feminista. “O feminismo, ao contrário do que muitos pensam, só tirou direitos das mulheres: deixou-as menos cuidadosas com a aparência e imbecilizou o comportamento. Ou seja, legalmente estão menos favorecidas, pois hoje, se uma mulher é deixada pelo marido, esse não tem mais a obrigação de honrar o compromisso assumido inicialmente com ela”, afirmou.

Leia mais:  Bolsonaro ignora transparência e mantém sigilo de suas informações financeiras

Lopes também justificou o uso da palavra “assédio” na publicação anterior. “. A palavra “assédio” em aspas, não tem essa intenção nem proporção. Mas, o intuito de falar sobre ser cantada ou paquerada, nada mais que isso. Para essa turma, validade só tem a narrativa fria de que eu sou apologeta do assédio.”

Fonte: IG Política
Comentários Facebook

Política Nacional

Caso Flordelis: celular ‘desaparecido’ esteve na casa de delegado da PF; entenda

Publicado

por

source
Yvelise arrow-options
Reprodução

Em postagem, mulher de senador aparece ao lado do pastor morto e de Flordelis

A Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo (DHNSG) descobriu que o celular do pastor Anderson do Carmo, marido da deputada federal Flordelis dos Santos, foi ligado pela última vez na casa de um delegado da Polícia Federal em Brasília.

Leia também:Caso Flordelis: senador já sabia que esposa seria intimada por conta de celular

Na ocasião, o aparelho estava com um chip habilitado no nome de um pastor. As informações foram divulgadas nesta quarta pelo “RJ TV 2ª edição”, da TV Globo. O telefone de Anderson, assassinado a tiros na madrugada do dia 16 de junho do ano passado, nunca foi encontrado pela polícia.

Os investigadores descobriram que horas após o crime, o celular foi conectado à rede de Wi-Fi da casa do senador Arolde de Oliveira (PSD) na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio. Na ocasião, foi inserido um chip em nome de Yvelise de Oliveira, esposa de Arolde. Anderson foi morto dentro de sua casa, no bairro de Pendotiba, em Niterói.

Arolde esteve na residência da família cerca de nove horas após o assassinato de Anderson. Ele chegou ao local por volta de meio-dia. O senador é um dos padrinhos políticos de Flordelis. Ambos fizeram campanha juntos em 2018, ano em que acabaram eleitos. Arolde também compareceu ao velório de Anderson, realizado na noite do dia 16, na sede do Ministério Flordelis no Mutondo, em São Gonçalo.

Leia mais:  Gleisi critica placa do Aliança pelo Brasil: “É a política deles para os pobres”

De acordo com as investigações, após ter passado pela casa do senador, o aparelho foi levado para Brasília. Na capital federal, o telefone foi conectado ao Wi-Fi de um delegado federal com um chip em nome de um pastor.

Yvelise foi intimada a prestar depoimento na semana passada. Ainda não há data para ela ser ouvida pela polícia. A mulher de Arolde é tratada pela polícia como testemunha do caso.

A ligação entre a família de Flordelis e de Arolde não fica restrita a questões políticas. Há mais de 10 anos, a deputada federal é contratada da MK Music, gravadora do senador e sua esposa Yvelise, que é presidente da empresa. Em nota divulgada nessa quarta-feira, Arolde afirmou que ele e sua esposa estão á disposição da polícia.

Leia também: Caso Flordelis: celular do pastor ‘apareceu’ na casa de senador horas após crime


“A situação, de onde saiu essa trama, é tão absurda que nem tenho o que dizer. Não sei a origem disso. Deve se tratar de um assunto de natureza política. Estamos à disposição e vamos aguardar o desenrolar da Justiça”, diz o comunicado.

Dois filhos de Flordelis – Lucas Cézar dos Santos e Flávio dos Santos Rodrigues – estão presos desde junho do ano passado por suspeitas de participação na morte do pastor Anderson.

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
Continue lendo

Política Nacional

Com 25 vetos, pacote anticrime entra em vigor nesta quinta-feira

Publicado

por

source

Agência Brasil

O Ministro da Justiça e Segurança Publica%2C Sergio Moro%2C arrow-options
Agência O Globo / Zimel

O Ministro da Justiça e Segurança Publica, Sergio Moro,

Começa a vigorar nesta quinta-feira (23) a Lei 13.964/2019, conhecida como pacote anticrime, aprovada pelo Congresso e sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro no dia 24 de dezembro do ano passado.

Houve 25 vetos à matéria aprovada pelo Congresso. O pacote anticrime reúne parte da proposta apresentada no início deste ano pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, e trechos do texto elaborado pela comissão de juristas coordenada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes.

Leia também: Bolsonaro diz que estuda recriação da pasta da Segurança; Moro deve ser contra

Entre os pontos que foram vetados estão o aumento de pena para condenados por crimes contra a honra cometidos pela internet e o aumento de pena para homicídios cometidos com arma de fogo de uso restrito, que poderia envolver agentes da segurança pública.

Juiz de garantias

Nessa quarta-feira (22), o vice-presidente do STF, ministro Luiz Fux, decidiu suspender a aplicação do mecanismo do juiz de garantias pela Justiça, até o plenário da Corte julgar o mérito da ação, o que não tem data para ocorrer.

A decisão anula liminar concedida pelo presidente do Supremo, ministro Dias Toffoli, que, na semana passada, suspendeu a aplicação das regras por seis meses. Toffoli chegou a criar um grupo de trabalho no Conselho Nacional de Justiça (CNJ), órgão que também é presidido por ele, para discutir a implementação do juiz de garantias.

Leia mais:  João Doria lamenta mortes após deslizamento em Campos do Jordão

Leia também: Brasil cai uma posição em ranking mundial sobre corrupção


A decisão de Fux foi motivada por nova ação protocolada pela Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (Conamp). Para a entidade, a medida deveria ser suspensa até o julgamento definitivo por violar princípios constitucionais.

Fux ocupa interinamente a presidência da Corte no período de férias de Toffoli, até 29 de janeiro.

O juiz de garantias deve atuar na fase de investigação criminal, decidindo sobre todos os pedidos do Ministério Público ou da autoridade policial que digam respeito à apuração de um crime, como, por exemplo, quebras de sigilo ou prisões preventivas. Ele, contudo, não poderá proferir sentenças.

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana