conecte-se conosco


Mulher

Família causa polêmica ao levar criança a sex shop e comprar pirulito de pênis

Publicado

Com mais de 15 milhões de inscritos, o canal no YouTube “The Ace Family” foi criado por Austin McBroom e sua esposa Catherine para compartilhar a rotina da família. “Nossos vídeos incluem vlogs, experiências malucas, desafios, pegadinhas e momentos divertidos”, diz a descrição do perfil. Recentemente, Austin e Catherine envolveram-se em uma polêmica por conta de um vídeo publicado nas redes sociais.

Leia também: Bonecos com pênis e vagina realistas abre debate entre pais


Família de youtubers causou polêmica nas redes sociais por levar criança a sex shop e comprar pirulito em forma de pênis
Reprodução/Twitter
Família de youtubers causou polêmica nas redes sociais por levar criança a sex shop e comprar pirulito em forma de pênis

No vídeo que gerou a polêmica
, a família aparece em um passeio por um sex shop com uma garotinha que, segundo os internautas, não é a filha do casal, mas provavelmente é parente de Catherine. Na loja, a criança mostra-se interessada por um produto exposto e Austin compra um pirulito colorido em formato de pênis
para ela.

Publicado no Snapchat de Austin, o vídeo rapidamente foi compartilhado em outras mídias, como YouTube e Twitter, viralizando e causando revolta entre os internautas.

Leia também: Casal perde guarda de filhos por postar vídeos com “brincadeiras” abusivas

Mais sobre a polêmica do pirulito de pênis para criança


Nas redes sociais, a família alvo da polêmica foi criticada e acusada de sexualizar a criança
Reprodução/Instagram
Nas redes sociais, a família alvo da polêmica foi criticada e acusada de sexualizar a criança

O fato de o casal ter levado a criança para o sex shop
e ainda ter comprado um produto erótico para ela incomodou muitos seguidores do “The Ace Family”. Nas redes sociais, não faltaram críticas e acusações de que Austin sexualizou a criança.

Leia mais:  Liberdade em duas rodas: curso de pilotagem ajuda mulheres a encararem as ruas

“Austin McBroom, apenas tenha respeito por Catherine e as meninas. A forma como ele age e trata as pessoas é absolutamente nojento. Estou muito desapontado com o vídeo do pirulito”, escreveu um seguidor.

“YouTube, um de seus criadores de conteúdo acha que sexualizar uma criança é engraçado. Isso é nojento. Time YouTube, espero que vocês não se importem mais com dinheiro do que com as crianças”, disse outra pessoa.

Leia também: Vídeo mostra pais ensinando masturbação a filhos de 10 anos

Até o momento, nem Austin, nem Catherine falaram algo sobre a polêmica
. Eles continuam publicando outros vídeos no canal e sendo bastante ativos nas redes sociais. “Então, vocês vão simplesmente ignorar o vídeo que está circulando de vocês comprando um pirulito para a menina? Vocês provavelmente estão rezando para as pessoas pararem de falar sobre isso”, escreveu outro usuário para a família.

Comentários Facebook
publicidade

Mulher

Mãe se recusa a dar fórmula, consegue leite materno no Facebook e ignora riscos

Publicado

por

A dona de casa Joanne Campbell, de 32 anos, ficou arrasada quando percebeu que não poderia amamentar seu filho, Hayden, que agora tem seis meses. O menino nasceu com a língua presa e, nesse caso, é difícil para o bebê conseguir sugar o leite materno, pois existe uma pele que conecta a língua ao fundo da boca.

Leia também: Em crítica por trabalhar e tirar leite ao mesmo tempo, mãe cria roupa especial


Joanne Campbell não queria dar fórmula para o filho e resolveu buscar leite materno em grupos no Facebook
shutterstock
Joanne Campbell não queria dar fórmula para o filho e resolveu buscar leite materno em grupos no Facebook


A mãe, que vive em Sydney, na Austrália, não queria dar fórmula para o seu bebê, pois percebeu que ele estava tendo muitas cólicas. Foi então que ela resolveu procurar no Facebook mães que estivessem dispostas a doar leite materno
, já que o dela havia secado.

Depois de encontrar diversos grupos de apoio online, Joanne passou a pegar doações de leite para dar ao filho, ignorando todos os riscos que isso pode trazer para ele, já que ela não sabe o leite está propício para o bebê e se foi armazenado de forma correta.

Leia também: Produzindo leite em excesso, mãe doa quase 450 litros para outros bebês

A australiana passou a receber cerca de um litro de leite por dia que é doado gratuitamente por mães que ela encontrou em grupos do Facebook
. Ela pega os sacos de leite congelados e afirma que não poderia estar mais feliz com a experiência.

Leia mais:  Convidados usam venda nos olhos em casamento de noiva que perdeu a visão

“Eu descobri esses grupos do Facebook em que mães doam leite antes de dar à luz. Eu estava esperando para doar meu próprio leite para ajudar os outros, mas eu não tinha ideia de que eu mesma precisaria”, relata.

Doação de leite materno


A mãe encontrou várias mulheres que se prontificaram a doar leite materno e usa um litro por dia para dar ao filho
shutterstock
A mãe encontrou várias mulheres que se prontificaram a doar leite materno e usa um litro por dia para dar ao filho


Depois de escrever meu primeiro post sobre a necessidade de leite para o filho, a mãe passou a receber inúmeras mensagens de muitas mulheres que estavam dispostas a ajudar. “Fui à casa de uma mulher para pegar meu primeiro lote de leite congelado e, desde então, usei o leite de outras sete doadoras, tudo para não dar lei em pó para Hayden”, afirma.

Joanne guarda o leite que recebe no freezer e descongela diariamente, pois o filho
precisa de cerca de um litro por dia. “Algumas pessoas acham que é nojento e não entendem por que compartilhamos fluido corporal humano com outra pessoa, mas acho isso normal agora”, garante.

A mãe sabe que existem riscos, mas tem confiança nas mulheres que conhece pela rede social. “Há algumas doenças bacterianas que o bebê pode pegar com o leite materno, mas não acredito que nenhuma das mães dos grupos do Facebook doaria seu leite se tivessem algo que pudesse prejudicar outro bebê. Hayden se beneficiou muito com o leite de outras mulheres”.

Leia mais:  Modelos plus size organizam desfile para protestar por representatividade

Leia também: Mãe que não conseguiu amamentar o próprio filho no peito doa 29 litros de leite

A atitude de doar leite materno
é muito nobre, mas buscar por isso nas redes sociais pode ser algo arriscado e perigoso para o bebê. Aqui no Brasil, o Ministério da Saúde realiza uma campanha que incentiva a doação e, segundo informações do portal oficial do governo, todo leite é analisado, pasteurizado e submetido a um rigoroso controle de qualidade. Esse leite é destinado apenas a hospitais e maternidades, a distribuição pessoal vai conta à legislação.

Fonte: IG Delas
Comentários Facebook
Continue lendo

Mulher

Mãe de cinco faz transplante de útero para ajudar desconhecida a engravidar

Publicado

por

Uma mãe de cinco filhos, que sofreu durante anos por não conseguir engravidar, decidiu oferecer à outra mulher a chance de ser mãe por meio de um transplante de útero. Aprill Lane passou por um difícil processo para conseguir ficar grávida. Tudo porque, anos atrás, ela e seu marido Brian foram diagnosticados com uma “infertilidade inexplicável”.

Leia também: Mulher com endometriose batalha para engravidar por fertilização in vitro


Aprill Lane teve dificuldade para engravidar, por isso, decidiu fazer um transplante de útero para ajudar outra mulher
shutterstock
Aprill Lane teve dificuldade para engravidar, por isso, decidiu fazer um transplante de útero para ajudar outra mulher


Receber esse diagnóstico foi extremamente frustrante e, infelizmente, ainda é comum casais sem nenhum problema de saúde aparente não conseguirem ter filhos. O casal tentou engravidar por meio da fertilização in vitro e como o procedimento não foi bem sucedido, ele adotaram uma criança. Nessa época, eles não conheciam o transplante de útero
.

Pouco tempo depois, Aprill ficou grávida de duas meninas por meio de outra fertilização in vitro
. Depois, ela conseguiu ficar grávida mais duas vezes. “A infertilidade, além dos efeitos físicos, afeta seu emocional e sua vida social de uma forte maneira”, diz a mãe em entrevista a “ABC News”.

Após passar por tudo isso, a mãe só pensava que se eu pudesse fazer algo para ajudar outra pessoa a aliviar um pouco dessa agonia, ela faria. Foi então que ela resolveu colaborar na administração de um grupo de apoio à infertilidade e iniciou estudos para ajudar as mulheres a pagar por tratamentos caros para engravidar.

Leia mais:  Mulher que teve 96% do corpo queimado estrela campanha publicitária

Leia também: Mulher fica grávida naturalmente e por fertilização in vitro ao mesmo tempo

Com os estudos, a mãe descobriu que a Baylor University Medical Center, no Texas, Estados Unidos, estava realizando ensaios clínicos para fazer transplantes de útero. Aprill e o marido sabiam que construção familiar deles tinha sido resolvida, mas eles ainda sentiam a necessidade de ajudar efetivamente outra pessoa a construir uma família.

A mãe resolveu entrar em contato com a universidade e logo foi selecionada para fazer a cirurgia. Nos Estados Unidos, só pode fazer esse tipo de transplante as mulheres que nasceram sem o útero ou que tiveram câncer ou outras malformações causadas por alguma infecção ou danos causados ​​por abortos.

Curiosamente, após o transplante, o útero não fica com a mulher receptora durante toda a vida. Depois que ela dá a luz a um ou dois filhos, o útero é removido para que ela não precise passar a vida inteira tomando medicamentos fortes contra a rejeição.

Como foi o transplante de útero?


O transplante de útero deu tudo certo e Aprill se sente feliz por saber que pode ajudar outra pessoa a formar uma família
shutterstock
O transplante de útero deu tudo certo e Aprill se sente feliz por saber que pode ajudar outra pessoa a formar uma família


Aprill pagou por sua própria viagem, pegou folga no trabalho e fez todo o processo pré-operatório para realizar a cirurgia. Ela foi a 15º pessoa a realizar o transplante na universidade. A cirurgia, que durou nove horas, foi bem sucedida. Uma vez que seu útero foi removido, ele foi inspecionado para garantir que fosse uma combinação perfeita para a receptora antes de ser implantado.

Leia mais:  Giovanna Antonelli revela ser adepta da dieta paleo; saiba o que é e como fazer

“A história dela é incrível por si só, porque ela era uma dessas mulheres quando ela não podia ter filhos. Ela conhece a luta muito de perto, sabe o que essas mulheres passam”, diz a cirurgiã Liza Johannesson, que foi responsável pelo transplante.

Para Aprill, essa cirurgia tem um grande significado porque ela está muito envolvida com as questões de infertilidade
. “Por mais de uma década, meu objetivo tem sido ser um sistema de apoio para uma comunidade muitas vezes incompreendida. Ver a minha mensagem de esperança tendo uma resposta foi incrível.”

Leia também: Mãe solo faz relato emocionante sobre experiência com adoção

A mulher que recebeu o transplante de útero
permanece em anonimato. Normalmente, os doadores e receptores não se conhecem até a cirurgia acontecer e é precisso esperar um tempo para isso. Outro detalhe é que esse encontro só acontece se quem doou e quem recebeu o útero realmente quiser se conhecer.

Fonte: IG Delas
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana