conecte-se conosco


Nacional

EUA e Rússia disputam apoio na ONU para resolver situação da Venezuela

Publicado


Os EUA pedem que a Venezuela facilite o acesso de ajuda humanitária internacional e realize novas eleições presidenciais
Reprodução/Flickr
Os EUA pedem que a Venezuela facilite o acesso de ajuda humanitária internacional e realize novas eleições presidenciais

Os Estados Unidos apresentaram uma projeto com medidas para resolver a situação na Venezuela ao Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU). Os norte-americanos pedem que o país de Nicolás Maduro facilite o acesso de ajuda humanitária internacional e realize novas eleições presidenciais. Em resposta, a Rússia propôs outra resolução.

Leia também: Trump confirma reunião com Kim Jong-Un para o final de fevereiro

Na última sexta-feira (8), Moscou enviou aos membros do Conselho um “texto alternativo” ao apresentado por Washington, segundo diplomatas. A proposta russa expressaria preocupação com “tentativas de intervenção em questões que estão essencialmente sob jurisdição doméstica” e “ameaças de uso da força contra a integridade territorial e a independência política” da Venezuela
.

O projeto apresentado pelos EUA, ao contrário, expressa “pleno apoio” do Conselho de Segurança à Assembleia Nacional Venezuelana, controlada pela oposição, definindo-a como a “única instituição democraticamente eleita no país”. Manifestando “preocupação com a violência e o uso excessivo da força contra manifestantes pacíficos”, o texto também pede um processo político que conduza a eleições presidenciais “livres, justas e credíveis”.

O projeto norte-americano ressalta a necessidade de evitar uma “deterioração adicional da situação humanitária” na Venezuela, assolada por grave crise econômica
e política, e de facilitar a entrega de ajuda aos que necessitam.


A Rússia, que apoia Nicolás Maduro na Venezuela, deve utilizar seu direito de veto para barrar o projeto dos EUA na ONU
Divulgação/Kremlin
A Rússia, que apoia Nicolás Maduro na Venezuela, deve utilizar seu direito de veto para barrar o projeto dos EUA na ONU

Washington ainda não indicou uma data para que o texto seja votado. Fontes diplomáticas afirmam que a Rússia – que endossa a presidência de  Nicolás Maduro
 e acusa os EUA de apoiarem um golpe de estado no país – utilizará seu direito de veto para barrar a resolução.

Leia mais:  OAB denuncia Bolsonaro na ONU por comemoração do golpe

Para ser aprovada, uma resolução do Conselho de Segurança da ONU precisa de nove votos entre seus 15 membros e não pode ser vetada por nenhum dos cinco integrantes permanentes do grupo: Estados Unidos, Reino Unido, França, Rússia e China.

Moscou e Washington estão em lados opostos na atual disputa pelo poder na Venezuela. Enquanto os EUA declaram apoio ao presidente da Assembleia Nacional, Juan Guaidó
, que se autoproclamou presidente interino em 23 de janeiro, a Rússia segue apoiando Maduro.

Leia também: Esquerda terá que engolir queda de Maduro, diz Ernesto Araújo

Além dos EUA, mais de 40 países já declararam apoio ao oposicionista Guaidó, entre eles Brasil, Alemanha e uma série de outras nações sul-americanas. Maduro ainda conta com o apoio não apenas de Moscou, mas também das Forças Armadas venezuelanas e da China, entre outros aliados.



*Com informações da Agência Brasil e da Deutsche Welle

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
publicidade

Nacional

Maduro e Trump confirmam contatos diretos entre Venezuela e Estados Unidos

Publicado

por

source
Nicolás Maduro e Donald Trump arrow-options
Reprodução/Twitter e Official White House Photo/Tia Dufour
Nicolás Maduro e Donald Trump confirmam contatos diretos entre Venezuela e Estados Unidos

Os presidentes da Venezuela, Nicolás Maduro, e dos EUA, Donald Trump, confirmaram, com algumas horas de diferença, que representantes dos dois países estão em contato direto,
porém sem dar detalhes sobre o que estaria sendo conversado.

Leia também: Maduro: “Ex-presidente da Colômbia contratou mercenários para me assassinar”

No começo da tarde, Trump afirmou a jornalistas na Casa Branca que “estava falando com vários representantes da Venezuela “, sem dar nomes, mas deixando claro que se tratam de
“funcionários de alto escalão”.

Mais tarde, durante um evento no estado de Vargas, Maduro disse que as conversas vêm acontecendo “há alguns meses”, com a sua autorização pessoal. Ele não disse se participou de
algum dos encontros, mas deixou claro que a aproximação recebeu sua autorização expressa.

Na segunda-feira (19), a agência de notícias Associated Press revelou a existência dos contatos diretos entre os dois lados. Segundo os relatos, o número dois do regime
chavista, Diosdado Cabello , participou das conversas, buscando garantias de que a liderança do governo não sofrerá represálias se cederem às demandas da comunidade internacional
e concordarem com um acordo eleitoral confiável.

Leia também: Maduro convoca protesto mundial contra bloqueio imposto pelos EUA

Segundo a Associated Press , Cabello teria recebido em julho um representante em contato direto com o alto escalão do governo americano para escutar suas propostas. Na estrutura
de poder venezuelana, o vice-presidente do governista Partido Socialista Unido da Venezuela (Psuv) é uma das figuras mais radicais e intransigentes, e vê sua influência crescer
conforme o poder de Maduro diminui. Washington , entretanto, o acusa de comandar um esquema de corrupção e tráfico de drogas, além de responsabilizá-lo por ameaças de morte
contra o senador americano Marco Rubio, um crítico ferrenho do regime venezuelano.

Leia mais:  Câmara convida Manuela D’Ávila a dar explicações sobre contato com hacker

Ao comentar as revelações, Cabello não negou os encontros, mas disse que tratam-se de “fofocas”. “Se é segredo, por que veio à luz? O império acredita que eles nos dividirão com
fofocas”, respondeu Cabello a um jornalista da AP durante a coletiva de imprensa semanal do Psuv. “A coisa mais importante que a AP pode escrever sobre essas conversas é que
haverá eleições antes de 2020″, disse.

Leia também: Trump diz ter recebido carta ‘muito bonita’ de Kim Jong-un


Em seu programa “Con el mazo sando”, por sua vez, Cabello disse que manteria uma conversa com as autoridades americanas, mas que suas condições eram: autorização do presidente
Nicolás Maduro; falar em nome da Venezuela , não em seu nome; e que o encontro acontecesse em seu país.

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Blogueira que comemorou morte de neto de Lula implora ajuda para indenização

Publicado

por

source
neto de Lula arrow-options
Reprodução/ Facebook
Blogueira comemorou a morte do neto de Lula em suas redes sociais


Alessandra Strutzel, blogueira que comemorou a morte do neto do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, está pedindo ajuda nas redes sociais para pagar indenização à família do menino de 7 anos. 

Arthur Araújo Lula da Silva morreu no dia 1° de março. A blogueira compartilhou um link noticiando a morte do  neto de Lula com o comentário “uma notícia boa”. Até agora, no entanto, ela não recebeu nenhum centavo. Ela espera receber R$50 mil. 

Leia também: Família estuda processar hospital que vazou boletim médico do neto de Lula

“Preciso de ajuda em qualquer quantia pra me ajudar no processo que o ex presidente da República, Luis Inácio Lula da Silva, moveu contra minha pessoa por conta de um comentário isolado. Estou desesperada, tenho mãe acamada, me arrependi. Preciso levantar essa grana urgente”, escreveu ela no Facebook.


Ainda no texto da vaquinha, ela se contradiz quanto ao arrependimento sobre o comentário quando o neto de Lula faleceu ao falar em “vencer o PT”.  Ela diz que precisa provar que pode, junto com o apoio, vencer o Partido dos Trabalhadores. “Me ajudem por favor… Peço ajuda a todos meus fãs, aos membros do LDRV em especial e ilha da macacada”, implora.

Leia mais:  Câmara convida Manuela D’Ávila a dar explicações sobre contato com hacker

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana