conecte-se conosco

  • powered by Advanced iFrame free. Get the Pro version on CodeCanyon.


Nacional

Estado assassino

Publicado

source
Sequestrador do ônibus na ponte Rio-Niterói arrow-options
Gabriel de Paiva/ Agência O Globo
Sequestrador do ônibus na ponte Rio-Niterói

O Brasil assistiu nesta semana o trágico desfecho de um sequestro . O sequestrador foi morto e os reféns libertos. Ainda assim foi trágico, repito.

O a ssassinato de um ser humano pelo Estado, mesmo que em defesa de vidas humanas inocentes, é a representação da derrota. É o fracasso de muitas políticas de Estado, em especial as de educação e de distribuição de renda. É o reconhecimento de que apenas uma solução grosseira é capaz de resolver uma crise aguda; uma crise causada, sobretudo, pela incompetência dos que não souberam prevenir a crise. Seja qual for a causa do crime, loucura, necessidade ou ganância, haverá sempre uma política pública capaz de aplacá-la, sem a necessidade de matar.

O discurso sedutor, que no momento se escora sobre uma turba brutalizada, farta da violência que a vitimiza mais e mais, especialmente nas comunidades mais pobres, é aquele que promete matar. É a apologia do assassinato estatal como panaceia, como remédio para todos os males; um lança-chamas apontado inadvertidamente para os pobres, jovens e negros deste país. Sim, pobres, jovens e negros, como as estatísticas (as tão detraídas estatísticas) não permitem mentir.

Leia também: “Em casa, escuto barulho e fico preocupada”, relata refém do sequestro de ônibus

Parte significativa da população, gente que devemos respeitar, gente trabalhadora e honesta, mas equivocada, acredita que esse frenesi de violência estatal é a única solução para a criminalidade. E, para prová-lo, os paladinos da violência estatal ostentam, orgulhosos, mais uma vez, as estatísticas (as tão detraídas estatísticas), uma diminuída mancha do crime.

Leia mais:  DJ e “Vermelho”! Conheça dois dos suspeitos da invasão do celular de Moro

Mas as granadas e as balas de metralhadora, ofertadas aleatoriamente dos helicópteros que fazem rasantes sobre as favelas, são e serão insuficientes para matar o exército de criminosos que a pobreza e sua patrona, a desídia dos governantes, produzem todos os dias no Brasil.

É ignóbil e indiscutivelmente errada a conclusão que aponta para uma diminuição estrutural da violência por meio da violência, que aposta no homicídio como política pública. Essa conclusão, uma vez aplicada, produzirá superbandidos, cada vez mais destemidos e cruéis, dispostos a morrer, porque a vida, banalizada pelo próprio Estado, perdeu todo o sentido.

Leia também: Polícia busca celular para descobrir se sequestrador de ônibus tinha comparsas

A aposta no homicídio como política pública terá, de outro modo, um impacto devastador sobre os agentes de Estado, aos quais é dado matar, em especial ultimamente, por frouxas razões. Agentes aos quais são criadas justificativas subjetivas para massacrar a vida. Esses perderão por completo a empatia, a capacidade de compreender o próximo, a mediada que a humanidade deles se esvai, como o sangue dos seus alvos.

Nos momentos em que matar significa matar ou morrer. Nos momentos em que o Estado precisa matar, que a Lei autoriza que mate, e eles devem ser muito restritos, o assassinato exige sobriedade, compostura, respeito à vida, cujo valor transcendente nos iguala e irmana. Não há como respeitar a vida senão pelo respeito a todas as vidas, sem exceção.

Leia mais:  Revoltado com fim de namoro a três, jovem mata companheiro a facadas em SP

O governador Witzel se equivocou, errou feio, não há interpretação que justifique o seu chilique, os seus espasmos de contentamento pela morte de um de seus administrados.

Até para matar é preciso compostura. E a falta de compostura sempre faz prova da incapacidade de assumir grandes responsabilidades.

É preciso que compreendamos que a compostura e a sanidade são requisitos essenciais ao cumprimento das funções públicas.

É preciso que aprendamos a escolher tendo a compostura e a sanidade como critérios primeiros.

A aposta no desvario é combustível do desastre.

Leia também: Sequestrador de ônibus contou a parentes que ouvia ‘vozes dentro da cabeça’


O conteúdo desta coluna não necessariamente representa a opinião editorial do iG

Walfrido Warde  é advogado, escritor e presidente do IREE, Instituto para a Reforma das Relações entre Estado e Empresa. Escreve para o iG na coluna “Poder para o Povo” todas as quartas-feiras.

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
publicidade

Nacional

Procurador assume que trabalhava para Joesley enquanto estava na PGR

Publicado

por

source

IstoÉ

Ex-procurador Marcello Miller foi ouvido na CPMI da JBS no Congresso arrow-options
Marcelo Camargo/Agência Brasil – 29.11.17
Ex-procurador Marcello Miller foi ouvido na CPMI da JBS no Congresso


Novas mensagens trocadas entre o ex-procurador Marcello Miller e o ex-coordenador da Lava Jato na Procuradoria-Geral da República (PGR), Sergio Bruno, reforçam a tese de que a instituição, então sob comando de Rodrigo Janot, tinha conhecimento sobre os passos de Miller no escândalo J&F. O mais novo indício contra o ex-PGR vem de um depoimento do próprio Miller ao Supremo Tribunal Federal (STF), no qual entregou informações até então omitidas: em uma conversa com Bruno, Miller deixou claro que trabalhava, enquanto advogado, para os irmãos Joesley e Wesley Batista, ao mesmo tempo em que atuava como procurador na equipe de Janot.

Leia também: Juiz garante que Aécio seja investigado em São Paulo por “doações” de Joesley

Miller ainda pediu um conselho: “Vocês (da coordenação da Lava Jato na PGR) estão em paz com a perspectiva de eu participar da leniência aqui no Brasil?” – em referência ao acordo de leniência entre os irmãos Joesley e Wesley Batista e o Ministério Público Federal. Em resposta, Bruno afirmou: “Quanto à sua participação, vou dar minha opinião — não falo pelo grupo, muito menos pelo Janot –, mas eu, no seu lugar, tentaria atuar nos bastidores”. Bruno ainda o alertou: “Quando isso estourar, vão lançar teorias da conspiração, dizendo que você atuou dos dois lados”. A conspiração, na verdade, nunca houve. O que houve foram fatos, agora irrefutáveis, de que Janot sabia que seu ex-braço direito operava para os dois lados ao mesmo tempo.

Má-fé

De acordo com a acusação do MPF, Miller, com a ajuda da advogada Esther Flesch, então sócia do escritório Trench Rossi Watanabe, teria aceitado R$ 700 mil para orientar os executivos da JBS a celebrar um acordo de confidencialidade com a PGR. Na delação premiada, os irmãos Batista revelaram ao STF que, em abril de 2017, o então assessor de Michel Temer, o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures, teria recebido R$ 500 mil de Ricardo Saud, executivo da J&F, em nome dos donos da empresa.

Leia mais:  Moro determina atuação da PF, PRF e Depen  contra onda de violência no Ceará

Leia também: Justiça rejeita denúncia contra Joesley e Palocci  por crimes no BNDES

O ex-presidente também teria sido conivente com a compra de silêncio de Eduardo Cunha por parte dos Batistas. É daí que saiu a fatídica frase: “Tem que manter isso daí, viu?” da boca de Temer. A bomba estremeceu a base do Palácio do Planalto a ponto de inviabilizar a aprovação da Reforma da Previdência naquele ano. A delação levou o presidente e seu projeto por água abaixo. A mesma delação, que teria recebido ajuda de Marcello Miller para ser concluída, seria de conhecimento integral de Rodrigo Janot. Na época, o MPF afirmou que Miller era a pessoa certa para orientar a interlocução entre os irmãos da JBS e os integrantes da PGR .


A ex-PGR Raquel Dodge solicitou ao STF a rescisão dos acordos de delação e leniência por “omissão e má-fé” dos delatores, em setembro de 2017. Dois anos depois, o relator do caso na Corte, Edson Fachin, ainda não se pronunciou sobre o pedido. Na última semana, o Tribunal Regional Federal da 1ª Região concedeu Habeas Corpus a Marcello Miller e sua sócia Esther Flesch e trancou a ação penal por “inépcia da denúncia”. Realmente, o Brasil não é um país para amadores e a história acabou fazendo justiça aos fatos: Janot sempre foi um farsante.

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Mulher é degolada na frente do filho de 2 anos no Piauí; suspeito foi preso

Publicado

por

source
Laysse da Silva Carvalho arrow-options
Reprodução/Facebook
Laysse da Silva Carvalho foi morta a facadas na madrugada de sexta-feira (20); o suspeito foi preso pela Polícia Militar

Uma mulher, identificada como Laysse da Silva Carvalho, 29, foi morta com cortes profundos na garganta em Nazária, Piauí. Segundo informações da Polícia Militar local, o corpo da vítima foi encontrado dentro de casa, despido, ao lado do filho dela, que tem dois anos de idade. O crime teria ocorrido na madrugada de sexta-feira (20). 

Leia também: Homem é preso por matar filho de dois anos afogado para fazer mãe “sofrer”

Laysse, que trabalhava como doméstica, morava apenas com a criança. Os familiares da vítima informaram aos policiais que encontraram o corpo da mulher após a patroa dela estranhar sua ausência no trabalho. A patroa, então, entrou em contato com a irmã da vítima.


Um homem identificado como Thalisson Francisco Araújo foi preso na tarde sexta-feira como o principal suspeito do crime . A PM informou que ele estava com o celular da vítima e foi visto por vizinhos na rua da casa dela. Ele não é o pai do filho de Laysse e não teria envolvimento amoroso com ela. O homem tem uma passagem pela polícia pelo crime de estupro.

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Leia mais:  Moro determina atuação da PF, PRF e Depen  contra onda de violência no Ceará
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana