conecte-se conosco

  • banner_Lorenzetti_1250x250

Mato Grosso

Documentário expõe situação de vulnerabilidade de refugiados venezuelanos no Brasil e MT

Publicado


Intensificado em 2018, o fluxo migratório de venezuelanos para o Brasil tem impactado muitas cidades brasileiras que recebem refugiados da crise econômica, política e humanitária que vive a Venezuela.

É sobre a jornada desses imigrantes que trata o documentário de curta-metragem, “Hermanos, aqui estamos”, de Jade Rainho, prestes a ser lançado. Esse filme é uma produção da Cadju Filmes, por meio do selo Toda Vida é uma Obra de Arte, com coprodução da Galo de Briga Filmes.

A fome e o desemprego causado pela hiperinflação, a crise política interna e externa, e o isolamento diplomático do Governo de Nicolás Maduro, marca o drama vivido por inúmeras famílias venezuelanas, que buscam melhores condições de vida para suas famílias, trabalho com carteira assinada, educação para seus filhos e acesso à saúde pública.

O Brasil se tornou o país com a sexta maior concentração global de migrantes venezuelanos. Segundo dados da Agência da ONU para Refugiados (Acnur), há mais de 264.000 venezuelanos no Brasil. A cidade de Cuiabá, capital de Mato Grosso, também está na rota dos refugiados venezuelanos. Até março de 2020, 984 pessoas chegaram à cidade.

O projeto de documentário foi selecionado em edital da Lei Aldir Blanc, realizado pelo Governo de Mato Grosso, por meio da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT) em parceria com o Governo Federal via Secretaria Nacional de Cultura do Ministério do Turismo.

Um tema urgente

“Ele aborda um tema presente e necessário em nosso tempo, ajudando a retirar da invisibilidade cidadãos venezuelanos que se exilaram forçadamente em nosso país e Estado em busca da sobrevivência de suas famílias, compondo hoje uma minoria social que se encontra em condições de extrema vulnerabilidade e comprometimento de direitos humanos básicos”.

Segundo a cineasta, “além de possibilitar o reconhecimento humano e identitário dessas pessoas, o filme trabalha para desfazer os véus da ignorância e do preconceito gerados pela desinformação e o distanciamento em relação a sua situação de vida. O cinema documental tem um papel fundamental em criar pontos de contato entre distintas realidades, atuando como uma potente ferramenta de sensibilização e transformação social”.

Além de “Hermanos, aqui estamos”, Jade finaliza outro curta-metragem e filma seu primeiro longa-metragem, um documentário financiado pelo MINC, com distribuição da Elo Company, através do Selo Elas.

Direitos humanos

Para produzir o documentário, Jade contou com suporte da historiadora Nathalia da Costa Amedi, que além de analisar a situação da crise migratória desde sua raiz histórica, apontou a necessidade de políticas públicas para mitigar o sofrimento do povo venezuelano.

“É latente a falta de estrutura para recebê-los, apesar do esforço das entidades não-governamentais e do poder público estadual e municipal. A presença dessa população refugiada e migrante venezuelana passou a ser perceptível no cenário da cidade, especialmente nos semáforos e em meio às rotatórias nas proximidades dos shoppings centers”.

Nestes locais, grupos de famílias se reúnem para pedir ajuda das pessoas que passam de carro. Empunhando placas de pedidos de ajuda, pedem dinheiro e/ou emprego para sustentar seus familiares. Muitos têm de levar os filhos menores dada a falta de vagas em creches.

“São tantos os percalços. As separações das famílias provocam uma desestruturação familiar. Quem vem para cá, está numa constante luta por sobrevivência e também, para poder ajudar os parentes que ficaram na Venezuela. Eles enviam dinheiro para ajuda-los”, explica a cineasta.

Alguns venezuelanos têm formação em nível superior, o que facilita a inserção no mercado de trabalho, porém, nem todos conseguem ter acesso a trabalhos na sua área de atuação, e acabam virando mão de obra barata nas cidades e trabalhando na informalidade. Uma das dificuldades enfrentadas pelas famílias venezuelanas em Cuiabá, é o acesso às creches para as crianças para que os pais possam trabalhar. Esse fato motivou a criação de uma associação para acolher imigrantes que chegam à Capital.

A luta sob a perspectiva feminina

Personagens do documentário também anseiam por políticas públicas e regularização de documentos. Muitas vezes, não conseguem legalizar sua situação para conseguir um emprego, por falta de documentos. Mas certamente que a luta contra o preconceito é uma das mais árduas. Para expor as nuances, a diretora escolheu a perspectiva feminina.

“Não queremos pedir dinheiro, mas a situação nos obriga”, diz Evelyn sobre constantes questionamentos nos semáforos de Cuiabá (MT). Outra venezuelana acolhida pela Casa do Imigrante, a adolescente Darelys relembra que há três anos a família tinha que escolher: ou comprava comida ou comprava material escolar. Ela ficou sem escola, mas logo, sem comida. Ambas, encontraram refúgio no Brasil.

Mulheres de várias idades, indígenas e não-indígenas, que tiveram que deixar a Venezuela para conseguir sobreviver, narram situações do contexto de crise generalizada neste país, crise econômica, política, humanitária e migratória.

Sensível à causa, a diretora dividiu o peso com essas mulheres, que tiveram que recomeçar em um lugar totalmente novo, com outro idioma, outra cultura e outros direitos.

Jade Rainho é poetisa, cineasta, documentarista, educadora e ativista pelos Direitos Humanos & da Natureza. Seu documentário de estreia, o curta-metragem Flor Brilhante e as Cicatrizes da Pedra, foi exibido em mais de 60 festivais, em 21 países e premiado no Brasil, Bolívia, Peru e México.

Para saber mais sobre o documentário “Hermanos, aqui estamos” acesse https://hermanosaquiestamos.wixsite.com/website e a conta no Instagram: @hermanosaquiestamos

FICHA TÉCNICA

Direção e Roteiro: Jade Rainho

Produção Executiva: Clarissa Virmond

Montagem: Tyrell Spencer

Pesquisa: Jade Rainho, Nathália da Costa Amedi

Direção de Produção: Jade Rainho

Direção de Fotografia: Jade Rainho

Assistente de Câmera e Making Of: Teo De Miranda

Fotografia Still: Jade Rainho, Teo de Miranda

Som Direto: Paulo Monarco

Trilha Sonora Original: Estela Ceregatti, Jhon Stuart

_Canção Tema “Hermanos, aqui estamos”

Composição e Direção musical: Estela Ceregatti

Poema: Jade Rainho e Yndira Villaroel

Arranjo musical: Jhon Stuart e Estela Ceregatti

Produção Musical: Jhon Stuart

Mixagem, Finalização de áudio e Desenho de som: Manoel Neto

Finalização de imagem e cor: Tyrell Spencer

Arte Gráfica e Cartaz: Daniel Eizirik

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook

Mato Grosso

Ação integrada apreende carga de pasta base avaliada em R$ 14,3 milhões

Publicado

por


Mais de 608 quilos de pasta base e cloridrato de cocaína, avaliados em mais de R$14,3 milhões, foram apreendidos na BR-174 na manhã desta quinta-feira (27.01), em Porto Esperidião (322 km de Cuiabá). A ação foi um trabalho integrada do Grupo Especial de Segurança de Fronteira (Gefron) e Força Tática do 6º Comando Regional da Polícia Militar e a Polícia Federal.  Em menos de um mês o Gefron soma a apreensão de mais de uma tonelada de drogas em 2022.  

A apreensão ocorreu por volta de 7h da manhã, quando os veículos seguiram pela BR-174 deixando a cidade de Pontes e Lacerda sentido à Porto Esperidião. Durante a aproximação os policiais identificaram que se tratavam de dois veículos, sendo que um Hyundai Elantra que atuava como batedor e uma caminhonete VW Amarok, que transportava a droga.

Após abordagem os veículos, os policiais encontraram diversas malas carregadas com tabletes de entorpecente na cabine e na carroceria do veículo. Ao todo, foram 120 quilos de pasta base de cocaína, avaliados em mais de R$ 2,1 milhões e 488 quilos de cloridrato de cocaína e pode ser comercializada por mais de R$ 12,2 milhões.

Os dois homens que conduziam os veículos foram presos em flagrante durante a ação e podem responder por tráfico internacional de drogas. Um dos presos já tinha passagem por evasão de divisa, tentando atravessar a fronteira com dinheiro não declarado. Os suspeitos, os veículos e a droga foram encaminhados a Polícia Federal de Cáceres (220 km de Cuiabá).  

Com mais esta apreensão, o Grupo Especial de Segurança de Fronteira (Gefron), já aprendeu mais de 995 quilos do entorpecente em ações conjunta com a Polícia Federal. Sendo que outros 272 quilos foram apreendidos em uma Toyota Hillux durante ação no município de Campo de Júlio (566 km de Cuiabá). Na ocasião, quatro homens foram presos fazendo o transporte da droga.

Além disso, os operadores de fronteira apreenderam outros 115 quilos de cloridrato e pasta base de cocaína em três ocorrências diferentes com o apoio da Polícia Militar. Sendo 16 quilos de cloridrato de cocaína em Pontes e Lacerda e 99 quilos de pasta base em Cáceres.  Ambos os municípios estão na faixa de fronteira com a Bolívia.

Fonte: GOV MT

Continue lendo

Mato Grosso

Licitação do BRT tem o acompanhamento simultâneo da CGE

Publicado

por


A Controladoria Geral do Estado (CGE-MT) tem realizado o acompanhamento simultâneo no processo licitatório de contratação de empresa para elaborar o projeto e executar as obras do Ônibus de Trânsito Rápido (BRT) nos municípios de Cuiabá e Várzea Grande. O acompanhamento vem sendo feito desde a fase interna, primeira etapa do processo licitatório, devido ao valor financeiro estimado (R$ 480 milhões) e à relevância social de implantação do modal.

As análises da CGE têm sido concomitantes à realização do procedimento para possibilitar as correções e melhorias antes da finalização da contratação pública pela Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra), órgão responsável pela licitação.

No acompanhamento, a CGE tem se voltado a analisar questões como especificação do objeto, valor de referência do custo da frota, fundamentos que ensejaram a opção pela aquisição da frota pública do BRT em detrimento da frota privada etc.

As análises resultam na elaboração de produtos, como recomendações e orientações técnicas, encaminhados de forma rápida à Sinfra para dar tempo das devidas correções ou adequações no curso do processo. “A ideia é contribuir para o aperfeiçoamento do certame e dar maior legitimidade à contratação”, destaca o secretário-adjunto de Auditoria e Controle da CGE-MT, Joelcio Caires.

A CGE também tem participado de reuniões técnicas, presenciais ou remotas, com a equipe de licitação da Sinfra para prestar consultoria na contratação do objeto. “Este trabalho integra o moderno conceito de atuação do controle interno, de não só apontar erros e falhas, mas, principalmente, de assessorar a gestão com sugestões que contribuam para a melhoria dos serviços públicos”, observa o secretário-controlador geral do Estado, Emerson Hideki Hayashida.

A atuação da CGE na licitação do modal se dará desta forma até a conclusão do certame, a fim de auxiliar a Sinfra a garantir a lisura do processo e contratar a obra tratada com foco na sua durabilidade, economicidade e segurança. A execução dos serviços pela empresa que vencer o certame também será prioridade nas análises da CGE, como forma de cooperar com a gestão pública para que a obra seja executada nos exatos padrões contratados.  

Fonte: GOV MT

Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana