conecte-se conosco


Política Nacional

Derrotado ao Senado deve ser candidato do PT para a prefeitura de São Paulo

Publicado

Jilmar Tatto arrow-options
Vitor Sorano/iG

Jilmar Tatto foi secretário de Transportes de São Paulo em duas oportunidades em que o PT esteve na prefeitura


O PT começa a se movimentar na escolha de seu candidato para as eleições de 2020 em São Paulo. Com Fernando Haddad já em campanha para novamente tentar a Presidência da República em 2022, o o partido deve apostar em um outro nome e o ex-secretário de Transportes Jilmar Tatto é o favorito a ser lançado.

Leia também: Presidente do PSL é alvo de mandados de busca e apreensão da Polícia Federal

Ex-deputado estadual e federal pelo PT , Jilmar Tatto, 54, foi um dos candidatos derrotados do partido ao Senado por São Paulo no ano passado. Nas eleições que elegeram Major Olímpio (PSL) e Mara Gabrilli (PSDB), Tatto terminou na sétima colocação, com 6% dos votos.

Deputado federal eleito nas eleições de 2006 e 2010, Jilmar Tatto foi um grande aliado do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva na articulação com o Congresso. Em 2010, último ano do mandato do petista na presidência, foi líder da bancada do PT.

Leia também: Joice Hasselmann garante que será candidata por outro partido se PSL não a quiser

O PT tenta retomar a prefeitura de São Paulo após quatro anos. Fernando Haddad foi eleito em 2012, mas não conseguiu a reeleição em 2016, sendo derrotado por João Doria (PSDB). Além do candidato do Partido dos Trabalhadores, outros nomes já são cotados para a eleição, como o atual prefeito Bruno Covas (PSDB), a deputada federal Joice Hasselmann (PSL), o apresentador de televisão José Luiz Daqtena (sem partido) e o deputado federal Celso Russomano (Republicanos).


Comentários Facebook

Política Nacional

Pré-candidato no Rio, Fred Luz é o convidado na live do Dia desta sexta-feira

Publicado

por


source
Fred Novo
Divulgação/O Dia

Fred Luz é pré-candidato a prefeito do Rio de Janeiro pelo partido Novo

Fred Luz, pré-candidato à prefeitura pelo Novo, será o convidado desta sexta-feira (5) na série de lives que O DIA está promovendo de forma pioneira sobre as eleições municipais do Rio.

Leia mais:
Hugo Leal, pré-candidato a prefeito do Rio, é o entrevistado na live do Dia
Pré-candidato no Rio, Paulo Rabello de Castro chama Crivella de “melancólico”

O encontro desta sexta-feira vai acontecer novamente às 15h e será conduzido pelo colunista político do DIA Sidney Rezende e também pelo repórter Venê Casagrande.

A live será transmitida ao vivo no  perfil do Facebook e no  canal do YouTube do jornal O DIA . A transmissão será simultânea nos dois canais.

Fique a vontade para interagir e mandar perguntas durante a live. Essa é a hora para esclarecer todas as dúvidas e votar de forma consciente. Somente com informação de qualidade e democracia caminhando lado a lado que se toma a melhor decisão nas urnas.


Comentários Facebook
Continue lendo

Política Nacional

Senado aprova liberação de R$ 3 bi para ajudar setor cultural

Publicado

por


source
cultura
Léo Rodrigues/Agência Brasil

As atividades do setor (cinema, shows musicais e teatrais, entre outros) foram um dos primeiros a parar com a epidemia


O Senado aprovou, nesta quinta-feira (4), o Projeto de Lei 10.75/2020, que institui um apoio financeiro para o setor cultural devido à pandemia do novo coronavírus. As atividades do setor (cinema, shows musicais e teatrais, entre outros) foram um dos primeiros a parar quando a epidemia se tornou uma realidade no Brasil. O projeto segue para sanção presidencial .

Saiba mais: Senado aprova uso obrigatório de máscaras em todo país

O projeto prevê o pagamento de auxílio emergencial mensal para os trabalhadores da área cultural, além de um subsídio mensal para manutenção de espaços artísticos e culturais, microempresas e pequenas empresas culturais. Para dar esse apoio ao setor, o projeto determina que a União repasse R$ 3 bilhões aos estados, municípios e Distrito Federal, responsáveis pela aplicação dos recursos necessários de sustentação do setor.

Além disso, o PL prevê a realização de editais, chamadas públicas e prêmios, dentre outros artifícios, com a finalidade de desenvolver atividades de economia criativa e economia solidária no setor, além de propiciar a realização de atividades artísticas e culturais que possam ser transmitidas pela internet.

“Em todo o mundo, uma das primeiras medidas tomadas para diminuir os riscos de contaminação foi o fechamento de museus, salas de cinema, teatros e centros culturais, assim como o cancelamento de shows e outros espetáculos artísticos”, disse o relator do projeto no Senado, Jaques Wagner (PT-BA). O relator acrescentou a necessidade do Estado de “adotar medidas que ofereçam o apoio necessário para que o segmento cultural possa superar as árduas condições trazidas pela pandemia”.

Vários senadores, como Randolfe Rodrigues (Rede-AP), Weverton Rocha (PDT-MA) e Rose de Freitas (Podemos-ES), dentre outros, decidiram retirar as emendas que tinham apresentado ao projeto, para facilitar sua aprovação sem alterações de mérito. Assim, o projeto pôde seguir para sanção presidencial, sem ter que voltar à Câmara para uma reanálise .

Lei Aldir Blanc

O PL foi batizado de Lei Aldir Blanc, em homenagem ao escritor e compositor carioca Aldir Blanc, morto há exatamente um mês, em decorrência de complicações causadas pela Covid-19. 

O nome da lei foi proposto pela deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ), relatora da matéria na Câmara.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana