conecte-se conosco


Política MT

Deputados vistoriam escola a Escola Estadual José Pedro Gonçalves

Publicado

Foto: ROBSON FRAGA

Os deputados Thiago Silva (PMDB) e Valdir Barranco (PT), presidente e vice-presidente da Comissão de Educação, Ciência, Tecnologia, Cultura e Desporto, da Assembleia Legislativa, estiveram nesta sexta-feira (15) na Escola Estadual José Pedro Gonçalves, em Rosário Oeste. Eles vistoriaram a unidade após denúncias feitas por um estudante à imprensa sobre a falta de infraestrutura no local.

A escola fica a cerca de 160 quilômetros de Cuiabá, na zona rural de Rosário. No local foram constatadas diversas irregularidades como por exemplo, problemas nas redes elétrica e hidráulica, vazamentos no telhado, paredes rachadas e com mofo, janelas quebradas, lousas danificadas, buracos no piso, falta de portas e banheiros em condições precárias. Além disso, foi observado que o refeitório fica na parte externa e não possui paredes de proteção que impeçam a entrada de sol e chuva, além de lixo e mato no pátio.

“A José Pedro Gonçalves (escola) está caindo aos pedaços literalmente. Não há como achar que naquelas condições seja possível oferecer educação de qualidade aos estudantes. Não existe infraestrutura física e nem mesmo condições laborais para que professores e outros servidores trabalhem com dignidade. Um caos que envergonha nosso estado e que tira dos estudantes a possibilidade de acreditarem num futuro melhor através da educação”, apontou Valdir Barranco.

Os deputados também vistoriaram os contêineres que eram usados como salas de aula. Segundo o deputado Valdir Barranco, “sem qualquer condição de abrigar alunos.” “São verdadeiras caixas de aço sem isolação térmica, aparelhos de ar condicionado, janelas e rede elétrica adequada. Locais que colocavam em risco a vida dos estudantes e professores e que há poucos dias foram interditados pelo Ministério Público Estadual (MPE).”

Leia mais:  “É possível resolver o problema sem fechar delegacias”, diz Delegado Claudinei

Barranco lembrou que no último dia 7, a Justiça acatou o pedido formulado pelo MPE e determinou à prefeitura de Rosário Oeste (que faz gestão compartilhada da unidade com o Estado) que iniciasse obras de reparo e conserto da escola, no prazo de 10 dias, sob pena de pagamento de multa diária de R$ 1 mil. “As obras, se começaram, estão caminhando a passos muito lentos. Porém, sabemos que o município não tem condições financeiras para bancar os custos, mesmo porque mantem na unidade poucos alunos no ensino fundamental.”

“A situação da referida escola está tão calamitosa que está circulando um vídeo nas redes sociais onde aparecem os contêineres que estavam sendo utilizados como sala de aula, totalmente sem ventilação; situação que viola os direitos a educação, segurança e dignidade da pessoa humana. Direitos estes assegurados pela nossa Constituição Federal”, diz um trecho da ação proposta pelo MPE.

O deputado Thiago Silva chamou a atenção para o transporte dos alunos. “Encontramos dois ônibus em péssimo estado de conservação que são usados para transporte escolar. Segundo a secretaria de educação do município, os repasses estaduais são insuficientes para custear a manutenção e o combustível gasto para este transporte. A Comissão de Educação da Assembleia vai encaminhar ofício à Seduc requerendo informações acerca de todos os problemas encontrados e cobrando providências imediatas. Se for preciso, vamos recorrer à justiça. Do jeito que está não pode ficar”, concluiu o deputado.

Leia mais:  Projeto estabelece diretrizes para atendimento nas comunidades terapêuticas de MT

Fonte: ALMT
Comentários Facebook
publicidade

Política MT

Proposta quer aproveitamento de água da chuva na construção de prédios públicos

Publicado

por

Janaina Riva (MDB) quer que prédios públicos reaproveitem água.

Foto: JLSIQUEIRA / ALMT

A Assembleia Legislativa de Mato Grosso é exemplo na reutilização das águas de chuvas. Aqui foram construídos dois reservatórios, um capta a água do telhado do Plenário das Deliberações e o outro do estacionamento de veículos.

O volume de captação anual de água das chuvas, desses dois lugares, é de pelo menos 700 mil litros. O liquido precioso é reaproveitado para regar os jardins e é usado também nas descargas sanitárias.

Além de o legislativo estadual utilizar a água de forma racional, acaba economizando tanto o líquido potável quanto nos custos tarifários. É uma iniciativa que deu certo na Assembleia Legislativa, por isso a deputado Janaína Riva (MDB) quer que esse exemplo seja ampliado para outros prédios públicos estaduais.

Nessa linha, o projeto de lei 189/2019, apresentado pela deputada define, por exemplo, que as construções de prédios públicos devem ser feitas com armazenamento de águas de chuvas e, o liquido aproveitados para o uso não potável, seja usada em descargas sanitárias, irrigação de jardins e limpezas de gramados.

A proposta de Janaína Riva ressalta que todo o edital de licitação de obras em prédios públicos mencionará, expressamente, a obrigatoriedade de instalação de sistema de aproveitamento de águas de chuvas.

A captação deve ser instalada nos condutores de águas pluviais, caixas de passagens ou canais de captação de modo a contemplar no mínimo 50% da área de captação pluviométrica.

Leia mais:  Deputado Elizeu Nascimento incentiva projeto social

Outra sugestão que a deputada propõe no projeto de lei é de as obras de reforma, havendo área de terreno disponível, serão obrigatória até o limite mínimo de 30%. “Vale ressaltar, que a implantação do referido sistema é perfeitamente viável em obras como escolas, postos de saúde, centros esportivos e praças”, diz trecho da justificativa da deputada.

Hoje, 22 de março, é comemorado o Dia Mundial da Águas. A data criada pela Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) é destinada à reflexão e discussão sobre a relação homem e água. Nesse dia é importante que sejam abordados temas como a conservação e proteção da água em todos os continentes do planeta terra.

Bacias hidrográficas

Mato Grosso é um dos lugares com maior volume de água doce no mundo. Considerado a caixa-d’água do Brasil por conta dos seus inúmeros rios, aquíferos e nascentes. O planalto dos Parecis, que ocupa toda porção centro-norte do território, é o principal divisor de águas do estado. Ele reparte as águas das três bacias hidrográficas mais importantes do Brasil: Bacia Amazônica, Bacia Platina e Bacia do Tocantins.

Os rios de Mato Grosso estão divididos nessas três grandes bacias hidrográficas que integram o sistema nacional, no entanto, devido à enorme riqueza hídrica do estado, muito rios possuem características específicas e ligações tão estreitas com os locais que atravessam que representam  uma unidade geográfica, recebendo o nome de sub-bacias.

Leia mais:  Projeto de lei chama atenção à prevenção de acidentes com material biológico

As principais sub-bacias do estado são: Sub-bacia do Guaporé, Sub-bacia do Aripuanã, Sub-bacia do Juruena-Arinos, Sub-bacia do Teles Pires e Sub-Bacia do Xingu.

Volume de chuvas

De acordo com o Portal Mato Grosso de 2008, o volume médio anual de chuvas no Estado fica entre 2.700mm e 1.200 mm. A sua distribuição espacial está ligada à posição geográfica da região, em face dos sistemas regionais da circulação atmosférica e também dos aspectos orográficos.

Os totais anuais de chuva diminuem de Norte-Noroeste em direção ao Sul-Sudoeste. O trecho Norte, incluído na Bacia Amazônica, concentra os maiores totais, enquanto em direção ao Pantanal, a diminuição é gradual, caindo até os 1.200 mm.

A diminuição também se evidencia em direção ao Leste do Estado, onde os totais anuais variam ente os 2.000 e os 1.500 mm. A distribuição dessas chuvas no decorrer do ano evidencia o caráter tropical da área, com duas estações bem definidas, uma seca e outra chuvosa.

Esse caráter é mais nítido na metade Sul do Estado, em que se alternam um período seco, de inverno-primavera e um período chuvoso, de verão-outono, que concentra cerca de 70% dos totais de chuva. Na metade Norte, o período seco diminui gradualmente, atingindo dois meses (junho-julho) no extremo Noroeste do Estado.

Fonte: ALMT
Comentários Facebook
Continue lendo

Política MT

Secretário de Fazenda é chamado à ALMT para explicar empréstimo de 250 milhões de dólares

Publicado

por

Foto: JLSIQUEIRA / ALMT

O deputado estadual Lúdio Cabral (PT) apresentou um Requerimento convocando o secretário de Fazenda, Rogério Gallo, para esclarecer detalhes sobre o empréstimo de US$ 250 milhões que o governo de Mato Grosso pretende contrair junto ao Banco Mundial. O parlamentar quer explicações sobre as exigências feitas pelo Banco Mundial e sobre as vantagens e desvantagens da negociação. Para que o empréstimo seja feito, ele precisa ser aprovado pela Assembleia Legislativa.

“Podem ser exigências pesadas que comprometam a qualidade do serviço público. Temos que falar com o secretário aqui, para ele explicar esse empréstimo, para tomarmos uma decisão consistente em plenário”, defende Lúdio.

O governador Mauro Mendes (DEM) informou que tem intenção de usar o novo empréstimo para quitar a dívida atual com o Bank of America, que tem parcelas a serem pagas até 2022. O novo empréstimo seria pago em 20 anos.

“É uma dívida dolarizada, com juros que caem de 5% para 3%, mas se estende por cinco governos, enquanto a dívida atual teria que ser paga até o final do governo Mauro Mendes. O governador contraria o discurso que ele fez contra o governador anterior, de transferir para os próximos governos responsabilidades suas”, disse Lúdio.

“Quando esse empréstimo foi feito no Bank of America, em tese era vantajoso, porque o dólar estava baixo. Daqui a 20 anos, como estará a situação do dólar no mundo, para que o novo empréstimo seja vantajoso?”, questionou o deputado.

Leia mais:  Governo detalha pacote de medidas a deputados nesta quarta-feira

O líder do governo na Assembleia Legislativa, Dilmar Dal’Bosco (DEM), deputado agendou para a próxima terça-feira (26) a participação do secretário Rogério Gallo no colégio de líderes, para que ele explique aos deputados, a portas fechadas, os detalhes do empréstimo. A intenção de Lúdio era ouvir as explicações do secretário em plenário, para que fosse aberto ao público e à imprensa e transmitida pelo rádio e pela TV Assembleia.

Fonte: ALMT
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana