conecte-se conosco


Política MT

Deputado Thiago Silva lança projeto de artesanato para mulheres

Publicado

O deputado Thiago Silva  (MDB) lançou, em Rondonópolis, o projeto Flor do Cerrado para qualificação de mulheres de todas as idades, com cursos gratuitos de crochê e pintura em tecido. Inicialmente, a ação funcionará em dois polos. Um será no Centro Comunitário da Associação dos Moradores dos bairros Jardim Eldorado, Mirassol, Santa Fé e Copacabana e outro na Vila Olinda/Ana Carla.

O parlamentar ainda explica que o objetivo do Flor do Cerrado, que tem capacidade para atender 60 alunas, é gerar emprego e renda para as mulheres dos bairros da cidade. “Além de ensinar artesanato, o curso também vai trabalhar empreendedorismo. Dessa forma as mulheres terão condição de produzir e administrar o próprio negócio, sem a figura do atravessador”.

O Flor de Cerrado funcionará três vezes por semana, cada curso terá duração de 30 dias, com direito a certificação. “Nossas alunas terão oportunidade de aprender os princípios básicos do artesanato, até a produção de produtos de grande porte. Aqui tudo é de graça. Para frequentar as aulas, as mulheres precisam apenas de vontade e presença continua. É uma grande oportunidade disponibilizada pelo deputado Thiago Silva”, ressalta a professora Maura Silvério.

O presidente da Associação dos Moradores dos bairros Jardim Eldorado, Mirassol, Santa Fé e Copacabana Wilber Maciel agradeceu o apoio do parlamentar. “Esse é um projeto fundamental para os bairros de Rondonópolis. Vai qualificar e oferecer oportunidade de renda para dezenas de mulheres. Somos parceiros e estamos prontos para contribuir”.

Leia mais:  CPI vai sugerir medidas para melhorar relação financeira entre servidores e empresas de consignados

O ativista comunitário da região da Vila Olinda e Ana Carla Joales Silva completou, afirmando que a inciativa pode mudar a realidade de muitas famílias. “Não tenho dúvida, se elas tiverem força de vontade vão longe. Muitas mulheres que estão matriculadas estão fora do mercado de trabalho e precisam de incetivo como este para complementar a renda em casa. Obrigado deputado Thiago Silva”, agradece.

Oportunidade que a dona de casa Eranilda Maria dos Santos, moradora do bairro Ana Carla, promete agarrar com “unhas e dentes”. Estou muito feliz. Não teria condições de pagar a mensalidade de um curso desse porte. Estarei presente em todas as aulas. Não vejo a hora de começar a vender meus produtos e fazer meu dinheirinho”.

Fonte: ALMT
Comentários Facebook
publicidade

Política MT

Deputados de MT têm maior verba indenizatória do Brasil

Publicado

Um deputado estadual de Mato Grosso pode custar R$ 94 mil por mês só de salário, verba indenizatória e ajuda de custo, além de ter direito a carros, combustível e passagens áreas e de ônibus.

A Assembleia Legislativa de Mato Grosso tem 24 deputados. Cada um recebe um salário de R$ 25 mil e mais duas parcelas de R$ 25 mil por ano, a título de ajuda de custo, mas só recebe quem comparecer a 2/3 das sessões, uma espécie de prêmio para quem cumpre uma obrigação.

Além disso, os parlamentares recebem verbas complementares para custeio. A maior delas é a verba indenizatória. que subiu mais de 300% entre 2010 e 2015.A verba indenizatória dos deputados foi instituída pela Lei 9.493 de 2010, e fixada, à época, em R$ 15 mil. Em 2011, também por força de lei, o limite da verba subiu pela primeira vez, para R$ 20 mil . Em 2012, veio o primeiro grande salto, chegando a R$ 35 mil. Durante esses anos os gastos, não precisavam ser comprovados.

Em 2013, uma resolução tornou obrigatória a comprovação dos gastos, mas essa medida foi derrubada em menos de um ano. Em 2015, veio o maior dos aumentos. A verba indenizatória foi para R$ 65 mil, valor que permanece até hoje. É a maior verba indenizatória do país. Quase R$ 35 mil a mais que a média paga aos deputados em todas as assembleias legislativas do país, que t~em média de R$ 31 mil.

Leia mais:  ALMT terá pauta extensa nesta semana

Em delação premiada, no ano de 2017, o ex-governador Silval Barbosa chegou a afirmar que os sucessivos aumentos da verba indenizatória foram usados para institucionalizar uma espécie de mensalinho para deputados aprovarem pautas do governo. Hoje os deputados justificam que o estado é grande e que há necessidade do dinheiro para exercer a função parlamentar, visitando regiões.

Acontece que a verba indenizatória não é o único benefício para abater gastos. Com deslocamento, cada deputado tem direito a combustível, passagens de ônibus, passagens de avião, frete de jatinhos, aluguel de carros.A verba indenizatória, deveria ser usada apenas para despesas no exercício da função, como hospedagem e refeição durante as viagens. Mas, segundo organizações que acompanham e fiscalizam movimentações políticas no estado, esse dinheiro acaba desviado para outros fins.

Até março deste ano, o portal da transparência da Assembleia Legislativa trazia os nomes e quanto cada deputado gastava da verba indenizatória. Já em abril o sistema mudou e traz apenas números, sem identificar o deputado.

Fonte:G1

Comentários Facebook
Continue lendo

Jurídico

Desembargador que vendia sentenças em MT deixará a prisão após 7 meses

Publicado

A Justiça concedeu a progressão para o regime semiaberto para o desembargador aposentado compulsoriamente, Evandro Stábile, que desde o ano passado, está preso em Cuiabá. Stábile foi condenado a seis anos de reclusão em regime inicialmente fechado, por aceitar e cobrar propina em troca de decisão judicial, quando atuava no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) em Mato Grosso.

A decisão de progredir a pena é do juiz Geraldo Fidelis, da Segunda Vara Criminal, que deve estabelecer medidas cautelares, como colocação de tornozeleira eletrônica, para que o desembargador deixe a cadeia. Evandro deve passar por audiência nesta segunda-feira (20), conforme informações divulgadas pelo portal Midia News.

O crime de corrupção passiva foi descoberto no curso das investigações da operação Asafe, na qual a Polícia Federal apurou um esquema de venda de sentenças. Na época da condenação, em 2015, a relatora da ação penal, ministra Nancy Andrighi, apontou que o desembargador aceitou e cobrou propina para manter a prefeita de Alto Paraguai no cargo. Ela perdeu as eleições, mas o vencedor teve o mandato cassado por suposto abuso de poder econômico.

O desembargador aposentado está preso desde o mês de setembro de 2018, por determinação do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Foi a segunda vez que Stábile acabou atrás das grades. A primeira foi em abril de 2016, quando o desembargador se entregou acompanhado de advogados, em cumprimento ao mandado de prisão expedido pela ministra Nancy.

Leia mais:  Mandado de segurança requer suspensão da sessão que aprovou os novos critérios na concessão da RGA

Evandro Stábile foi afastado de suas funções da magistratura em dezembro de 2010 e depois, em junho de 2016 foi punido pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso com a aposentadoria compulsória. O que inclui o recebimento de salário proporcional ao tempo de serviço de 51 anos, 1 mês e 21 dias. Na época da aposentadoria, o salário que o magistrado continuaria a receber correspondia a R$ 38 mil.

 

 

 

 

Fonte:Só Notícias

 

 

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana