conecte-se conosco


Política MT

CPI da Sonegação Fiscal define Avalone vice-presidente e Nininho relator

Publicado

Foto: Fablício Rodrigues

/

Secretaria de Comunicação Social

Os deputados estaduais Carlos Avalone (PSDB) e Ondanir Bortolini -Nininho (PSD) foram eleitos vice-presidente e relator, por unanimidade, respectivamente, na tarde desta quinta-feira (14), na primeira reunião da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Sonegação e Renúncia Fiscal, realizada na sala Oscar Soares, na Assembleia Legislativa de Mato Grosso.

Participaram da reunião o presidente da CPI, deputado estadual Wilson Santos (PSDB), a deputada Janaina Riva (MDB) e o deputado estadual Max Russi (PSB) como titulares e os deputados João Batista (Pros) e Thiago Silva (MDB), suplentes da Comissão.

Os deputados aprovaram, por unanimidade, onze requerimentos apresentados pelo presidente da CPI.  Os documentos tratam do convite feito a onze autoridades de órgãos de controle para que compareçam à CPI e deem informações sobre o encaminhamento feito aos relatórios de duas CPIs (2014/2015) realizadas na Casa de Leis.

As datas para esses esclarecimentos serão agendadas. Quatro procuradores e uma equipe técnica que será formada por servidores da Assembleia Legislativa darão suporte aos trabalhos da Comissão de Investigação


O deputado Nininho ficará a cargo de ser o porta-voz em dar informações à imprensa durante várias semanas. Os membros vão se revezar para serem porta-voz da Comissão de Inquérito. A CPI terá duas reuniões por semanas. Uma na terça-feira e outra na quinta-feira. A próxima será dia 19 de março.

Leia mais:  Paulo Araújo propõe melhorias para Educação, Saúde e Infraestrutura

Fonte: ALMT
Comentários Facebook
publicidade

BemRural

Manifestação em defesa dos esportes equestres toma ruas de Cuiabá nesta terça-feira

Publicado

Mais de mil pessoas, entre elas 300 cavaleiros e amazonas, participaram de uma manifestação pelas principais ruas e avenidas de Cuiabá (MT), seguidos por caminhões e caminhonetes. O objetivo era o de sensibilizar a população e o poder público contra uma decisão do Ministério Público, que, no início de junho, proibiu por liminar a realização de provas de laço durante a Semana do Cavalo, na capital mato-grossense.

Na Assembleia Legislativa do estado, onde terminou o protesto, foi realizada uma audiência pública para debater práticas esportivas equestres. Tramita na casa um projeto de lei que institui normas e critérios sobre a prática, uma regulamentação para garantir o bem estar dos animais do estado.

“Isso (provas equestres) envolve muita família, envolve muito amor. Tenho certeza que o Legislativo vai passar esse projeto de lei”, disse Caê Póvoas, um dos organizadores do protesto.

Para Antenor Manoel Almeida de Jesus, campeão de vários esportes equestres, não há maus tratos nas modalidades. “Eu vivo disso, eu vivo do cavalo, vivo da competição. Desde os cinco anos de idade eu mexo com animais e sei que são muito bem tratados”, diz.

O deputado Dilmar Del Bosco (DEM-MT), criador do projeto de lei que tenciona regularizar a prática no estado, diz que vai lutar pela manutenção do esporte. “Acompanho vários haras mato-grossenses e ali você a proteção, o cuidado e o bem-estar dedicados aos animais”, conta. A intenção é evitar novos episódios como o da suspensão do evento do início de junho, por conta da falta de regularização.

Leia mais:  Maluf recebe 11 votos e é o candidato da ALMT à vaga de conselheiro

De acordo com Caê Póvoas, a liminar do Ministério Público impedindo a realização das provas provocou um prejuízo da ordem de R$ 400 mil aos organizadores da Semana do Cavalo. “Nós fomos condenados sem ter direito de defesa. Nunca vieram aqui inspecionar como são tratados os animais; nós já convidamos várias vezes o pessoal do Ministério Público para vir aqui”, afirma.


 

 

Fonte:Canal Rural

Comentários Facebook
Continue lendo

Política MT

Deputado defende que Assembleia busque acordo para o fim da greve

Publicado

por

Audiência Pública debateu a situação da greve na educação

Foto: Helder Faria

O deputado Thiago Silva (MDB) destacou a necessidade de buscar um acordo entre o governo do estado e o Sindicato dos Trabalhadores da Educação Pública de Mato Grosso (Sintep), com relação à greve da educação que já dura mais de duas semanas. O parlamentar defende que a Assembleia seja a interlocutora da negociação.

O parlamentar, que preside a Comissão de Educação, Ciência, Tecnologia, Cultura e Desporto, comandou na última segunda-feira (17), uma audiência pública para debater a greve da educação em Mato Grosso.  A audiência atendeu um requerimento do deputado Lúdio Cabral e contou com a participação dos deputados Valdir Barranco, João Batista, Wilson Santos, Max Russi e João José, além do promotor Miguel Slhessarenko, o secretário-adjunto de educação, Alan Porto e dirigentes do Sintep de todo o estado de Mato Grosso.  O Sintep alega que a pauta principal é o pagamento da RGA e da garantia do poder de dobra de compra, além de melhorias nas escolas e nas condições de trabalho. O governo do estado, por outro lado, argumenta que a situação financeira de Mato Grosso impede qualquer tipo de aumento.


Uma das propostas apresentadas pelos deputados é a confecção de um documento pela AL ao governo do estado. Thiago Silva argumentou na audiência que nesse documento deve constar um pedido de reavaliação da proposta do governo e ainda atrelar o cumprimento dos pagamentos ao incremento da receita, equiparar o salário da educação àa outras categorias com nível superior,  apresentar um cronograma de reformas e de chamamento de aprovados nos concursos públicos, além do pagamento da RGA e da dobra do poder de compra da categoria. “Sempre estudei em escola pública, sou filho de professores. Vejo como inadmissível continuar com déficit e darmos incentivos fiscais para os grandes , é por isso que estamos aqui para intermediarmos esse processo para colocarmos um fim à essa greve, o momento não é fácil para o Estado e nem para as famílias dos servidores públicos da educação”, encerrou o deputado.

Leia mais:  Artistas que incentivem violência podem ser proibidos de receber verba pública

Fonte: ALMT
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana