conecte-se conosco



Economia

Consulta do último lote do Imposto de Renda 2018 será liberada na segunda-feira

Publicado


Receita Federal paga, a partir do dia 17 de dezembro,  último lote da restituição do Imposto de Renda 2018
shutterstock

Receita Federal paga, a partir do dia 17 de dezembro, último lote da restituição do Imposto de Renda 2018

A Receita Federal informou que vai liberar, a partir das 9h da próxima segunda-feira (10), a consulta ao sétimo e último lote de restituição do Imposto de Renda (IR) 2018. O lote também vai valer para restituições residuais de 2008 a 2017.

A partir da data, as consultas poderão ser feitas pelo site ou aplicativo da Receita Federal  ou através do telefone do Receitafone, número 146. Os valores deste lote de restituição do Imposto de Renda , que somam mais de R$ 319 milhões, serão pagos a 151.248 contribuintes no dia 17 de dezembro.

Cerca de R$ 127 milhões serão destinados a contribuintes com prioridade, sendo 2.764 idosos acima de 80 anos, 19.081 pessoas entre 60 e 79 anos, 3.157 com alguma deficiência física ou mental ou moléstia grave e 9.297 contribuintes cuja maior fonte de renda é o magistério. Do valor total de R$ 319 milhões, R$ 193 milhões referem-se ao sétimo lote do IR de 2018, que contemplará 100.690 contribuintes.

Depois dos contribuintes prioritários, recebem os que enviaram a declaração no início do prazo. Neste ano, a  Receita Federal recebeu 29.269.987 declarações de IR dentro da data legal permitida. O número superou a estimativa inicial, que era de 28,8 milhões de declarações.

Leia mais:  Auditores entregam proposta de reforma tributária à equipe de Bolsonaro

O índice equivale à taxa Selix (juros básicos da economia) acumulada desde o mês de entrega da declaração até outubro deste ano. O contribuinte que quiser saber se teve a declaração liberada nesse lote deve acessar a  página da Receita Federal na internet o.

Restituição do Imposto de Renda: como sacar?


Restituição do Imposto de Renda fica disponível durante um ano no banco
shutterstock

Restituição do Imposto de Renda fica disponível durante um ano no banco

Na consulta à página da Receita, serviço e-CAC, também é possível verificar o extrato da declaração e ver se há inconsistências de dados identificadas pelo processamento. Nessa hipótese, o contribuinte pode fazer a autorregularização, mediante entrega de declaração retificadora. A Receita oferece ainda aplicativos para tablets e smartphones para consulta à declaração e situação cadastral do Cadastro de Pessoas Físicas (CPF).

Em outubro, a Receita Federal enviou cartas para cerca de 383 mil contribuintes  em todo o País pedindo justamente para que eles corrijam erros nas Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física (DIRPF), relativas ao exercício 2018, ano-calendário 2017. Segundo a Receita, essas declarações do imposto de renda apresentam indícios de inconsistências que podem resultar em autuações futuras.

Para aqueles que tem direito a valores a serem devolvidos, a restituição ficará disponível no banco durante um ano. Se o contribuinte não fizer o resgate nesse prazo, deverá fazer requerimento, por meio da internet, mediante o Formulário Eletrônico – Pedido de Pagamento de Restituição, ou diretamente no e-CAC, no serviço Extrato do Processamento da DIRPF. 

Leia mais:  Privatizar Caixa Econômica e Banco do Brasil “não está no radar”, diz Bolsonaro

Leia também: Veja os 10 erros mais comuns na hora de declarar o Imposto de Renda

Caso o valor não seja creditado, o contribuinte poderá entrar em contato pessoalmente com qualquer agência do Banco do Brasil ou ligar para a Central de Atendimento, por meio do telefone 4004-0001 (capitais), 0800-729-0001 (demais localidades) e 0800-729-0088 (telefone especial exclusivo para deficientes auditivos) para agendar o crédito em conta-corrente ou poupança, em seu nome, em qualquer banco relativo ao sétimo e último lote e aos demais da restituição do Imposto de Renda .

* Com informações da Agência Brasil

Comentários Facebook
publicidade

Economia

Paulo Guedes coloca tucano como secretário para articular reforma da Previdência

Publicado

por


Deputado Rogério Marinho será secretário da Previdência no governo Bolsonaro
Marcelo Camargo/ABr

Deputado Rogério Marinho será secretário da Previdência no governo Bolsonaro

O deputado federal Rogério Simonetti Marinho (PSDB-RN), 55 anos, assumirá a Secretaria Especial da Previdência Social. A escolha foi feita pelo futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, e confirmada em nota oficial. Marinho deverá ser um dos principais articuladores entre o governo e o Congresso Nacional para avançar na reforma da Previdência.

Leia também: Impostos devem subir se a reforma da Previdência não for feita, diz ministro

Relator da reforma trabalhista na Câmara, Rogério Marinho não se reelegeu para deputado federal do Rio Grande do Norte pelo PSDB nas eleições de outubro. Economista de formação, foi secretário de Desenvolvimento Econômico do Rio Grande do Norte.

Assim como o atual ministro da Fazenda Eduardo Guardia, Paulo Guedes e o presidente eleito defendem a urgência da votação da reforma da Previdência . Bolsonaro quer que, pelo menos parte do texto, avance já no primeiro semestre de 2019. Segundo ele, há a possibilidade de aproveitar parte da proposta encaminhada pelo presidente Michel Temer.

 O ministro extraordinário da transição, Onyx Lorenzoni, confirmado para a Casa Civil, evita apostar em datas, mas mantém a expectativa de votação já no primeiro ano do futuro governo. Segundo ele, é necessário “consertar” o sistema previdenciário . De acordo com ele, não é justo deixar a Previdência atual para os filhos e netos e é preciso que o país seja capaz de criar um novo sistema.

Leia mais:  Nova CLT completa um ano com resultados e muitos desafios

Rogério Marinho terá um secretário adjunto


Leonardo Rolim será secretário-adjunto de Rogério Marinho na Previdência
Divulgação/MPS

Leonardo Rolim será secretário-adjunto de Rogério Marinho na Previdência

Leonardo Rolim será o Secretário Adjunto de Previdência. Ele é consultor de orçamento da Câmara dos Deputados, tem mestrado em Direção e Gestão de Planos e Fundos de Pensão pela Universidad de Alcalá, na Espanha, especialização em Administração (UnB) e em Políticas Públicas e Gestão Governamental (Enap).

Leia também: Discutir a Previdência agora só traria mais problemas, diz futuro secretário de Paulo Guedes

Rolim foi secretário de políticas de previdência social do Ministério da Previdência Social e presidente do Conselho Nacional dos Dirigentes de Regimes Próprios de Previdência Social (Conaprev).

Em nota, Guedes afirmou que o processo de escolha está na reta final: “A equipe de transição está em fase final de preparação da nova estrutura do futuro Ministério da Economia. Assim, o detalhamento do organograma e das atribuições de cada pasta será divulgado em breve.”

Com a escolha de Rogério Marinho , o Ministério da Economia busca uma maior aproximação com o Congresso. Como o tucano foi relator da reforma trabalhista, que passou com folga em 2017, o ministro quer que essa influência seja benéfica ao próximo governo.

*Com Agência Brasil

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Paulo Guedes coloca tucano como secretário para articular reforma da Previdência

Publicado

por


Deputado Rogério Marinho será secretário da Previdência no governo Bolsonaro
Marcelo Camargo/ABr

Deputado Rogério Marinho será secretário da Previdência no governo Bolsonaro

O deputado federal Rogério Simonetti Marinho (PSDB-RN), 55 anos, assumirá a Secretaria Especial da Previdência Social. A escolha foi feita pelo futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, e confirmada em nota oficial. Marinho deverá ser um dos principais articuladores entre o governo e o Congresso Nacional para avançar na reforma da Previdência.

Leia também: Impostos devem subir se a reforma da Previdência não for feita, diz ministro

Relator da reforma trabalhista na Câmara, Rogério Marinho não se reelegeu para deputado federal do Rio Grande do Norte pelo PSDB nas eleições de outubro. Economista de formação, foi secretário de Desenvolvimento Econômico do Rio Grande do Norte.

Assim como o atual ministro da Fazenda Eduardo Guardia, Paulo Guedes e o presidente eleito defendem a urgência da votação da reforma da Previdência . Bolsonaro quer que, pelo menos parte do texto, avance já no primeiro semestre de 2019. Segundo ele, há a possibilidade de aproveitar parte da proposta encaminhada pelo presidente Michel Temer.

 O ministro extraordinário da transição, Onyx Lorenzoni, confirmado para a Casa Civil, evita apostar em datas, mas mantém a expectativa de votação já no primeiro ano do futuro governo. Segundo ele, é necessário “consertar” o sistema previdenciário . De acordo com ele, não é justo deixar a Previdência atual para os filhos e netos e é preciso que o país seja capaz de criar um novo sistema.

Leia mais:  Produtosde beleza masculinos têm descontos na Black Friday

Rogério Marinho terá um secretário adjunto


Leonardo Rolim será secretário-adjunto de Rogério Marinho na Previdência
Divulgação/MPS

Leonardo Rolim será secretário-adjunto de Rogério Marinho na Previdência

Leonardo Rolim será o Secretário Adjunto de Previdência. Ele é consultor de orçamento da Câmara dos Deputados, tem mestrado em Direção e Gestão de Planos e Fundos de Pensão pela Universidad de Alcalá, na Espanha, especialização em Administração (UnB) e em Políticas Públicas e Gestão Governamental (Enap).

Leia também: Discutir a Previdência agora só traria mais problemas, diz futuro secretário de Paulo Guedes

Rolim foi secretário de políticas de previdência social do Ministério da Previdência Social e presidente do Conselho Nacional dos Dirigentes de Regimes Próprios de Previdência Social (Conaprev).

Em nota, Guedes afirmou que o processo de escolha está na reta final: “A equipe de transição está em fase final de preparação da nova estrutura do futuro Ministério da Economia. Assim, o detalhamento do organograma e das atribuições de cada pasta será divulgado em breve.”

Com a escolha de Rogério Marinho , o Ministério da Economia busca uma maior aproximação com o Congresso. Como o tucano foi relator da reforma trabalhista, que passou com folga em 2017, o ministro quer que essa influência seja benéfica ao próximo governo.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana