conecte-se conosco

  • banner_Lorenzetti_1250x250

Tecnologia

Como a cultura digital pode fomentar a inclusão social: Negócios 4.0

Publicado


source

POR RAFA VAISMAN

Lucas Ramos fala sobre o Negócios 4.0, programa lançado em Pernambuco
Divulgação

Lucas Ramos fala sobre o Negócios 4.0, programa lançado em Pernambuco

A Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação de Pernambuco (SECTI-PE) lançou o Programa Negócios 4.0, ação inovadora com foco nas micro e pequenas empresas, empreendedores individuais e profissionais liberais que atuam nos setores de comércio, serviços e turismo, o Negócios 4.0 tem como objetivo capacitar pessoas para conduzirem a transformação digital em seus negócios. O investimento é de R$ 1,24 milhão, beneficiando diretamente cerca de 2.500 pessoas – número que pode chegar indiretamente a até 25 mil, por meio do trabalho de multiplicadores.

Rafa Vaisman, colunista Humanos Digitais do iG, entrevista o secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação de Pernambuco, Lucas Ramos, que abre o jogo sobre o projeto e diz que “O que mais me chamou atenção na SECTI foi a colaboração entre todas as diretorias, que trabalham incansavelmente para fomentar inovação através de parcerias, acordos de colaboração técnica, e coordenação de iniciativas. Todas as ações são pautadas nos 17 ODS das Nações Unidas”, inclusive mencionadas nos artigos anteriores desta coluna

“Em outubro do ano passado, quando estava de saída para trabalhar em outra instituição ligada à incubação na área de inovação e empreendedorismo, ainda participei de várias reuniões na SECTI sobre um novo programa que estaria sendo lançado em edital: Negócios 4.0.”

“Hoje, trago notícias animadoras não só para o Estado de Pernambuco, mas para nosso País, que está trabalhando para fomentar e democratizar o acesso à Transformação Digital. O Edital saiu e uma empresa já venceu, e o programa entrou em sua fase operacional, já com inscrições de micro, pequenas e médias empresas dos setores de Comércio, Serviços e Turismo.”

Os Negócios 4.0 tem como objetivo capacitar pessoas para conduzirem a transformação digital em seus negócios. Quando questionado sobre a importância desse trabalho, o Secretário Lucas Ramos fala:

“Estamos, com isso, dando oportunidade aos que mais precisam, promovendo a inclusão social a partir do fomento à cultura digital. O trabalho que a SECTI vem fazendo mostra o compromisso do Governo do Estado para tornar Pernambuco um celeiro ainda maior de talentos”.

O Diretor de políticas de CTI e Competividade, Cesar Andrade, complementa: “Praticamente todas as regiões de desenvolvimento do Estado foram atendidas dentro do programa Negócios 4.0. Vamos trabalhar com melhoria de conhecimento tecnológico nos negócios, em várias áreas, sobretudo nesse processo pós-pandêmico, para que os negócios evoluam cada vez mais”.

Segundo ele, a execução do programa acontecerá em três etapas, usando a metodologia de ondas, sendo a primeira voltada para a disseminação de conteúdos sobre as tecnologias digitais aplicadas no setor proposto; a segunda fará a identificação e aperfeiçoamento de potenciais utilizadores das tecnologias habilitadoras em seus negócios, ou seja, ofertando cursos remotos de larga escala em temas relacionados à transformação digital; e a terceira e última etapa será direcionada à formação de multiplicadores para atuarem em seus respectivos territórios. Para isso, serão realizadas atividades de geração de sinergia e capacitação usando os Espaços 4.0, previamente entregues pela SECTI em diversas regiões do Estado.

Leia Também

CURSOS DO PROJETO NEGÓCIOS 4.0

Os cursos seguem uma lógica de capacitação em massa para que milhares de pessoas consigam estudar em qualquer local, e de forma híbrida. 

Os cursos do Projeto Negócio 4.0 estão estruturados em quatro trilhas pedagógicas, formadas pelas áreas de Marketing, Venda, Logística e Tecnologia, mais um quinto grupo de capacitações destinadas a Inovação e Empreendedorismo, mas que é formada por cursos isolados e que não necessariamente possuem uma lógica de trilha de pedagógica.

Infere-se que as trilhas pedagógicas são cursos de formação conectados para o aperfeiçoamento do conhecimento a ser adquirido, como por exemplo, cursos sequenciais de nível básico, intermediário e avançado sobre temáticas específicas.

Trilha Marketing → destinada ao empresário ou profissional que pretende adquirir conhecimento e conhecer ferramentas para realizar atração de novos negócios, criar relacionamentos e desenvolver uma identidade de marca por meios digitais.

Trilha de Vendas → direcionada a comercialização de produtos/serviços através da internet, com intermédio ou não de uma pessoa, seja por WhatsApp, mensagens em redes sociais, site de e-commerce, marketplaces ou outros aplicativos.

Trilha de Tecnologia → é mais específica para empresas e profissionais que pretendem implementar suas próprias soluções de software, a fim de a atender as necessidades da empresa para que ela se desenvolve economicamente.

Além dessas trilhas pedagógicas, o projeto possui capacitações como cursos de formação independentes. Essas serão destinadas a Inovação e Empreendedorismo, abrigando cursos de múltiplas áreas com relevância para empresas que pretendem expandir seus negócios. 

E O NOSSO FUTURO

Esse esforço do fomento de políticas públicas de Pernambuco voltado à Transformação Digital é apenas um de inúmeros projetos que estão sendo criados pelo Brasil. Mas vale salientar que se todos os Estados estiverem alinhados com esse projeto chamado Negócios 4.0, teremos condições de sonhar por um futuro mais inclusivo, não só digitalmente, mas especialmente socialmente.  Como salientei em artigos anteriores, não adianta termos meia dúzia de startups unicórnios, valendo bilhões de doláres, se nossa população passa necessidade básica e não consegue sair do estado de pobreza. 

Comentários Facebook

Tecnologia

Por mais segurança, Google esconde apps antigos na Play Store

Publicado

por


source
Para deixar Android mais seguro, Google esconde apps antigos na Play Store
Giovanni Santa Rosa

Para deixar Android mais seguro, Google esconde apps antigos na Play Store

As atualizações de aplicativos são super importantes. Além de trazer novos recursos, os desenvolvedores implementam melhorias no software para garantir mais segurança aos usuários e solucionar bugs. E é por isso que o Google vai começar a restringir os apps antigos ou abandonados para Android na Google Play Store.

A mudança foi anunciada em um blog da companhia nesta quarta-feira (6). Na publicação, o Google reforçou que já exige que os novos aplicativos submetidos à loja apontem para um nível de API dentro de um ano após o lançamento mais recente. Mas a empresa pretende redobrar este cuidado para tornar o Android mais seguro.

“Hoje, como parte das atualizações de política mais recentes do Google Play, estamos tomando medidas adicionais para proteger os usuários contra a instalação de aplicativos que podem não ter os recursos de privacidade e segurança mais recentes, expandindo nossos requisitos de API de nível de destino”, anunciaram.

Android: apps antigos serão limitados na Play Store

A alteração aponta diretamente para o nível de API do aplicativo. Ao preparar um aplicativo para o sistema, é preciso indicá-lo para um nível de API. É através desse elemento que o desenvolvedor informa sobre como o app é executado em diferentes versões do Android, segundo um documento do Google.

Cada versão do sistema operacional possui um nível diferente. Por exemplo, o Android 11 é identificado pela API de nível 31 enquanto o Android 10 traz o nível 30. Ou seja, o nível aumenta a cada nova versão do software – mas, claro, há exceções para esta regra.

Leia Também

E é a partir desse elemento que o Google vai limitar aplicativos antigos. Segundo a publicação, se os apps existentes não segmentarem um nível de API “dentro de dois anos a partir da versão principal do Android mais recente”, o software ficará restrito na loja. Assim, se o celular tiver versões do sistema superiores ao nível da API de destino dos aplicativos, o usuário não poderá encontrá-los ou instalá-los.

Aatualmente, estamos no Android 12, que utiliza a API de número 31. Isto significa que se o seu celular estiver atualizado, o bloqueio não será aplicado aos apps que apontem para o Android 10 (nível 29) e Android 11 (nível 30). O diagrama abaixo também exemplifica isso:

Apps terão que atingir nível de API dos últimos dois anos para serem amplamente exibidos na Play Store
Reprodução/Google

Apps terão que atingir nível de API dos últimos dois anos para serem amplamente exibidos na Play Store

A regra está prevista para entrar em vigor em 1º de novembro de 2022. Mas é importante ressaltar que a política não vai impedir que usuários de versões antigas do sistema instalem apps pela Play Store. O Android Police também observa que, se você usa um celular com Android 9 Pie (nível 28), ainda será possível encontrar apps para o nível 28, por exemplo.

Continue lendo

Tecnologia

Primeiro tweet da história está à venda de novo via NFT, por US$ 48 mi

Publicado

por


source
Primeiro tweet da história está à venda de novo via NFT, por US$ 48 mi
Pedro Knoth

Primeiro tweet da história está à venda de novo via NFT, por US$ 48 mi

Uma cópia do primeiro tweet já escrito na história está à venda de novo via NFT. A publicação havia sido vendida  inicialmente em março do ano passado para o presidente da Bridge Oracle, provedora de serviços de blockchain, Sina Estavi, por US$ 2,9 milhões. Agora, ele está a revendendo por US$ 48 milhões, 16 vezes o valor que pagou.

O tweet é de autoria do fundador do Twitter, Jack Dorsey, que deixou o cargo de CEO da empresa em novembro do ano passado. “só estou configurando o meu twttr”, diz o post feito em 2006.

A venda será feita pela OpenSea, plataforma de negociação de ativos digitais. NFTs são tokens não-fungíveis, uma espécie de certificado digital que atesta a originalidade de um determinado bem.

Estavi anunciou a venda desse tweet por 14.969 Ethereum (ETH), segunda criptomeda mais valiosa do mundo.

Ele prometeu destinar 50% do lucro para a GiveDirectly, uma instituição de caridade que doa dinheiro a pessoas em situação de pobreza. É a mesma organização que Dorsey prometeu apoiar quando vendeu seu primeiro tweet no ano passado.

Jack Dorsey respondeu à publicação questionando: “por que não [doar] 99%?”, marcando no comentário também a GiveDirectly e o bilionário Elon Musk,  que recentemente foi indicado a membro do Conselho de Administração do Twitter.

Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana