conecte-se conosco


Economia

Comandante do Exército defende exclusão dos militares da nova Previdência

Publicado



Valter Campanato/Agência Brasil

“Se me perguntarem, [diria que] não devemos modificar nosso sistema [de Previdência] “, opinou o general Pujol

Empossado nesta sexta-feira (11), o novo comandante do Exército, general Edson Leal Pujol, defendeu que os militares sejam excluídos da reforma da Previdência a ser proposta pela equipe econômica de Jair Bolsonaro (PSL) nas próximas semanas. Pujol é o quarto militar a defender em público que a categoria seja deixada de fora das mudanças.

Leia também: O que é a capitalização, que estará na proposta de reforma da Previdência

“Como comandante do Exército, se me perguntarem, [diria que] não devemos modificar nosso sistema [de Previdência ] “, opinou Pujol. “Temos uma diferença muito grande de qualquer outro servidor público ou privado. Não temos hora extra, não temos adicional noturno, não podemos nos sindicalizar. Tem uma série de coisas que devem ser tratadas de forma diferente”, completou.

Os militares têm resistido publicamente à inclusão da categoria na reforma da Previdência. Só no último dia 9, os ministros Fernando Azevedo e Silva (Defesa) e Carlos Alberto dos Santos Cruz (Secretaria de Governo), além do novo comandante da Marinha, almirante Ilques Barbosa, se manifestaram contra a ideia.

A equipe do ministro da Economia,  Paulo Guedes , é contrária à exclusão dos militares no texto da nova Previdência. Na visão do governo, como o próprio presidente pertence à categoria, ele deveria “dar o exemplo” antes de pedir que a população se sacrifique e aceite regras mais exigentes para a aposentadoria.

Leia mais:  Classe média tem que pagar mais juros por habitação, diz presidente da Caixa

Rombo da Previdência


O déficit da Previdência dos militares, segundo dados oficiais até novembro, foi o que mais subiu no ano passado
Marcelo Casal Jr./Agência Brasil

O déficit da Previdência dos militares, segundo dados oficiais até novembro, foi o que mais subiu no ano passado

O déficit da Previdência dos militares, segundo dados oficiais até novembro, foi o que mais subiu no ano passado. Em relação ao mesmo período de 2017, o rombo cresceu 12,85%, passando de R$ 35,9 bilhões para 40,5 bilhões. As receitas somaram R$ 2,1 bilhões e as despesas, R$ 42,614 bilhões. As informações foram divulgadas pelo jornal  O Estado de S. Paulo .

Leia também: Déficit da Previdência dos militares subiu mais que o do INSS em 2018

A alta foi muito mais expressiva do que a registrada na Previdência dos servidores públicos civis e no INSS (Instituto Nacional do Seguro Social). No caso dos primeiros, o déficit acumulado até novembro de 2018 chegou a R$ 43 bilhões, um aumento de 5,22% frente ao mesmo período de 2017. No INSS, o rombo saltou 7,40% na mesma base de comparação.

No Brasil, os militares se aposentam com salário integral após 30 anos de serviços prestados. A remuneração básica de um soldado vai de R$ 1,5 mil a R$ 1,8 mil; de um capitão, é de R$ 9 mil; e de um almirante do ar, de R$ 14 mil. Ainda há a possibilidade de acumular gratificações que podem até dobrar esses valores.

Leia mais:  Black Friday 2018 tambémterá promoções de livros exclusivas

Ainda segundo divulgado pelo  Estadão , militares da reserva e reformados das Forças Armadas ganham, em média, R$ 13,7 mil de aposentadoria. Esse valor é 34,30% maior do que a remuneração dos servidores públicos civis (R$ 9 mil) e 86,86% acima do benefício médio pago pelo INSS (R$ 1,8 mil) ao restante dos trabalhadores.

Leia também: Reformas e ajustes “são essenciais” para manter a inflação baixa, diz Goldfajn

A disparidade também é grande quanto à idade em que militares e funcionários civis da União param de trabalhar. De acordo com auditoria feita pelo Tribunal de Contas da União (TCU), mais da metade (55%) dos militares das Forças Armadas se aposentam entre 45 e 50 anos de idade; no serviço público, o intervalo médio é de 55 a 65 anos.

Comentários Facebook
publicidade

Economia

Preço da gasolina nas refinarias sobe mais uma vez e chega a R$ 1,5491

Publicado

por


A alta do petróleo e a desvalorização do real frente ao dólar motivaram o reajuste no preço da gasolina nas refinarias
Weverson Rocio/Petrobras

A alta do petróleo e a desvalorização do real frente ao dólar motivaram o reajuste no preço da gasolina nas refinarias

Depois do aumento de 2,12% anunciado no último dia 19, a Petrobras comunicou que vai voltar a reajustar o preço da gasolina nas refinarias para cima a partir desta terça-feira (22). Com a decisão, o litro do combustível passará dos atuais R$ 1,5308 para R$ 1,5491, um aumento de 1,19% – e o terceiro de 2019.

Leia também: Petrobras não quer “facilidades” para tomar empréstimos de bancos públicos

A Petrobras adota essa política de reajuste dos preços desde julho de 2017. De acordo com a metodologia, as mudanças podem acontecer mais frequentemente, inclusive todos os dias, e refletem os preços praticados nos mercados internacionais e a cotação do dólar. A recente alta do petróleo e a desvalorização do real frente a moeda norte-americana motivaram, segundo a estatal, o reajuste no  preço da gasolina  nas refinarias.

O preço médio do litro do diesel nas refinarias, por sua vez, segue em R$ 1,9778. No fim do ano passado, a Petrobras anunciou um mecanismo financeiro de proteção à política de preços do diesel, semelhante ao já utilizado na gasolina, que permite à estatal manter o valor nas refinarias estável por um período de até sete dias em momentos de alta volatilidade.

Preço nas bombas


Na semana passada, segundo a ANP, o preço da gasolina nos postos caiu em relação à anterior e chegou a R$ 4,2580
Marcelo Camargo/Agência Brasil

Na semana passada, segundo a ANP, o preço da gasolina nos postos caiu em relação à anterior e chegou a R$ 4,2580

Na semana passada, o preço da gasolina nos postos teve ligeira queda de 0,10% em relação à anterior, chegando a R$ 4,2580. Em 2018, porém, segundo dados compilados pela Agência Nacional do Petróleo, do Gás Natural e dos Biocombustíveis (ANP), o litro do combustível acumulou alta de 5,97%. No período, o  preço do diesel  também subiu (3,75%).

Leia mais:  Classe média tem que pagar mais juros por habitação, diz presidente da Caixa

Leia também: Comandante da Marinha deve chefiar Conselho de Administração da Petrobras

As duas variações são maiores do que a inflação registrada em 2018. Segundo divulgado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), que mede a inflação oficial do País, fechou o ano passado em 3,75%, dentro da meta estipulada pelo governo em 2017.

Entenda o preço da gasolina


Do preço da gasolina, 26% correspondem aos valores praticados nas refinarias e outros 47% aos impostos incidentes
Marcelo Camargo/Agência Brasil

Do preço da gasolina, 26% correspondem aos valores praticados nas refinarias e outros 47% aos impostos incidentes

De acordo com cálculos feitos pela própria  Petrobras , os valores praticados nas refinarias equivalem a 26% do preço pago pelos consumidores nos postos. Essa porcentagem aproximada leva em conta a coleta de preços feita pela estatal entre os dias 13 e 19 de janeiro em 13 capitais e regiões metropolitanas do País.

Outros 47% são formados basicamente por tributos. Destes, 31% correspondem ao ICMS (Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços), recolhido pelos estados, e outros 16% são relativos à Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico) e ao PIS/Cofins, de competência da União.

A diferença entre os impostos estaduais e federais está na forma com que são cobrados. O ICMS varia de acordo com o que é praticado nos postos, então cada vez que o preço da gasolina sobe, os estados arrecadam mais dinheiro. O PIS/Cofins e a Cide, ao contrário, são valores fixados por litro: o primeiro é de R$ 0,7925 e o segundo, de R$ 0,10.

Leia mais:  Black Friday 2018 tambémterá promoções de livros exclusivas

Leia também: Ministro da Infraestrutura anuncia concessão de três ferrovias até 2020

Do restante do  preço da gasolina , 12% correspondem ao custo do etanol anidro, que, segundo a lei, deve compor 27% da gasolina comum. Os últimos 15%, por sua vez, são relativos aos custos e ao lucro de distribuidores e postos. Em maio de 2018, essa fatia era de 12%, o que sugere um aumento de três pontos percentuais na margem de lucro desses agentes desde então.

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

O plano da General Motors Mercosul para garantir o futuro do negócio

Publicado

por


Carlos Zarlenga, Presidente da General Motors Mercosul
GM/Divulgação

Carlos Zarlenga, Presidente da General Motors Mercosul

Como habitualmente faz em todo início de ano, no dia 11 janeiro a presidente mundial da General Motors, Mary Barra, reuniu-se com investidores para informar os progressos no plano estratégico da companhia. Na ocasião, ela reconheceu que apesar do sucesso da marca Chevrolet no mercado da América do Sul, os resultados financeiros da General Motors Mercosul não haviam sido bons na região em 2018.

Leia também: GM terá 11 lançamentos no Brasil em 2019 e aposta nos elétricos

Ao final da apresentação, respondendo a perguntas, Mary comentou sobre a força da marca Chevrolet, que é líder de mercado há três anos na região, e da disciplina e competência da equipe local. Disse também que os executivos da General Motors Mercosul estavam trabalhando com os parceiros estratégicos da empresa em iniciativas para melhorar o negócio e garantir um futuro sustentável para a marca.

Mary demonstrou na ocasião confiança no sólido plano de viabilidade que estava sendo traçado, envolvendo negociações com governo, sindicatos, fornecedores, concessionárias e funcionários. Disse ainda que se essas ações não fossem suficientes, haviam mais opções para resolver esse problema.

Na sexta-feira (18), de forma transparente e direta, Carlos Zarlenga , presidente da General Motors Mercosul, enviou um comunicado para todos os funcionários no Brasil, reproduzindo as palavras de Mary Barra, e explicando que 2019 será um ano crítico para empresa, exigindo sacrifícios de todos para evitar que o prejuízo do período de 2016 a 2018 não volte a acontecer. Na mensagem, Zarlenga salientou que o sucesso do plano vai garantir novos investimentos e o futuro do negócio.

Leia mais:  Os 27 nomes que compõem a equipe econômica de Paulo Guedes

Leia também: Revelada a nova geração do Chevrolet Prisma

De forma especulativa, alguns meios de comunicação divulgaram que a General Motors estaria saindo do Brasil e da Argentina. Para justificar essa conclusão, o noticiário sensacionalista se baseou em declarações de fontes anônimas, ex-funcionários que não podem ser identificados, e no fato de que os executivos da GM não terem fornecidos detalhes do plano de recuperação.

Parece óbvio que detalhes de negociações com o governo, líderes sindicais, fornecedores e concessionárias não sejam divulgados para imprensa antes de serem concluídas. Parece óbvio também que uma empresa do porte da General Motors não anuncie aos seus funcionários, por e-mail, que está fechando suas portas.

Não foi a sorte que colocou a GM como líder de mercado no Brasil há três anos consecutivos, tendo no seu portfolio de produtos o Onix, o carro mais vendido do Brasil há quatro anos. Em 2013 a empresa anunciou um pacote de investimentos no valor de R$13 bilhões. A sua fábrica de Joinville (SC) recebeu um aporte de R$1,9 bilhão para quadruplicar seu tamanho, recebendo tecnologias de ponta em manufatura inteligente com o objetivo de produzir uma nova linha de de motores de última geração.

Leia também:  Vazam imagens oficiais da nova geração do Chevrolet Tracker

A fábrica de São Caetano do Sul recebeu R$1,2 bilhão para ser totalmente renovada, também dentro do conceito de manufatura inteligente (conhecida como 4.0 por utilizar automação e sistemas de controle online de produção), aumentando sua capacidade de produção de 250.000 carros por ano para 330.000 e produzir novos modelos além do Cobalt, Spin e Montana.

Leia mais:  Grevede caminhoneiros colocou Petrobras em xeque e expôs dependência rodoviária

Já a unidade de Gravataí recebeu um investimento de R$ 1,4 bilhão para ser ampliada e produzir outros modelos além de Prisma e Onix.

Esses pesados investimentos estão ligados ao anúncio que a General Motors fez em meados de 2018 sobre o plano de renovação completa de sua linha de carros no Mercosul até 2022, com 30 lançamentos, sendo que 20 serão de carros inéditos.

Há poucos dias mais detalhes desse plano foram revelados envolvendo as novas gerações do Onix, Prisma, Tracker, Spin e uma nova picape de tamanho entre a Montana e a S10, todos esses carros fazem parte de uma nova família global de veículos.

O tamanho desses números e o volume desses investimentos indicam claramente um compromisso de presença de longo prazo da GM no Brasil.

Confundir a transparência de um comunicado público, que reconhece uma situação financeira delicada na General Motors Mercosul , com o abandono de operações quase centenárias da GM no Brasil e Argentina é uma ação especulativa irresponsável, que na época das fake news deveria ser repudiada.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana