conecte-se conosco


Mato Grosso

Com velhos erros, Tangará da Serra vê minguar representatividade no estado

Publicado

Município polo da região sudoeste de Mato Grosso, com a 6ª maior população e o 9º maior produto interno bruto (PIB), Tangará da Serra vive uma crise de representatividade no estado.

Depois de contar com duas vagas na Assembleia Legislativa durante a legislatura 2014-2018, o município de mais de 100 mil habitantes e PIB de quase R$ 3 bilhões assistiu a uma má condução da sua política partidária, o que culminou com a perda de uma vaga no parlamento estadual. Hoje, apenas um deputado – João José de Matos, popular Doutor João (MDB) – representará o município na legislatura que inicia em fevereiro para os próximos quatro anos.

Dr. João assegurou a única vaga de Tangará da Serra na AL

Além do representante na AL, o município conta com um único nome no staff do governador Mauro Mendes, que em Tangará da Serra fez 55% dos votos nas eleições do ano passado. Trata-se do ex-secretário municipal de Assistência Social, Aguinaldo Garrido, que assumiu no governo, no início deste mês, o cargo de secretário-adjunto de Estado de Assistência Social.

Aguinaldo Garrido: solitário representante de Tangará no staff de Mauro Mendes

Imaturidade

Um único deputado estadual e um solitário secretário-adjunto no staff do governo é pouco para um município como Tangará da Serra, considerando a proporcionalidade dos seus números nos aspectos eleitoral, populacional e econômico. Mas, por outro lado, talvez seja um privilégio considerando o seu fracasso no âmbito político.

Tangará: Atual representatividade é pouco para um município polo e com credenciais eleitorais, populacionais e econômicas

Pior que Tangará da Serra em termos de representatividade estão Cáceres e Barra do Garças, também polos regionais. A “Princesa do Pantanal” e Barra do Garças assistem a tempos seus declínios políticos e, mais uma vez, não elegeram representantes na AL e, muito menos, para a esfera federal.

Leia mais:  MPMT elege novos integrantes do Conselho Superior

No caso específico de Cáceres, houve o mesmo erro de Tangará da Serra, ao lançar uma enxurrada de candidatos à AL e à Câmara Federal. Pior que isso é que a maioria dos candidatos foi lançada na disputa já conhecendo seus baixos potenciais eleitorais.

O excesso de candidaturas, como ocorreu em Tangará da Serra e Cáceres, demonstra a imaturidade política dos municípios e a pouca ou nenhuma capacidade cooperativa no momento de assegurar a representatividade priorizando o interesse público em detrimento das vaidades pessoais.

Ou seja, os velhos erros, o velho narcisismo político e a velha incapacidade associativa seguem prejudicando a população.

Exemplos

Lucas do Rio Verde é um município que serve de exemplo de espírito associativo. Os luverdenses conseguiram emplacar representantes na Assembleia Legislativa, na Câmara Federal e na cúpula do governo estadual.


Lucas do Rio Verde: Exemplo de espírito associativo, município tem representantes na cúpula do governo, na AL e em Brasília

O ex-prefeito da cidade, Otaviano Pivetta, é o atual vice-governador, enquanto o vice-prefeito Sílvio Fávero (PSL) garantiu vaga na Assembleia Legislativa. O ex-ministro da Agricultura e líder ruralista Neri Geller (PP), representará a cidade na Câmara Federal, em Brasília.

Comentários Facebook
publicidade

Mato Grosso

Pequenos produtores começam a superar dificuldades

Publicado

por

Aos 60 anos, Gonçalo Guadalupe Guimarães, produtor familiar há 35 anos e de leite há 14, já não é mais o responsável pela atividade em seus 22 hectares, onde tem um plantel de 30 vacas em Nossa Senhora do Livramento (30 km distante de Cuiabá). A função foi delegada ao seu filho Oswaldo José Guimarães, que retornou de um garimpo próximo à sua propriedade, onde buscava um complemento para a renda familiar, insuficiente com a então ínfima produção leiteira.

“Não dava, porque, mesmo com essa quantidade de vacas, criadas soltas e com bezerros, nossa produção era de 35 litros por dia. E a gente ainda arrendava outro pasto, de 100 hectares”, explica Oswaldo, agora à frente do negócio ao lado do irmão.

Hoje, esta já não é sua realidade. Mantém o mesmo plantel, mas em uma área bem menor (12 hectares), conseguindo tirar em média 280 litros de leite diariamente. Além disso, para enfrentar o perigo da seca, a cana, plantada em uma área da propriedade, substitui o pasto. Para otimizar o processo, optaram pela ordenha mecanizada.         

Gente simples, filhos de Livramento, não esconderam o orgulho na segunda-feira (17.06), quando receberam do Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea-MT) o certificado de propriedade livre de brucelose. “Pra mim, é um privilégio. Bom demais”, comemorou Seo Gonçalo.

Para sua família, financeiramente a situação melhorou, porque ele é assistido por uma das várias instituições que trabalham para a melhoria da cadeia do leite mato-grossense, como a Secretaria de Estado de Agricultura Familiar (Seaf) Empaer, Embrapa, Organização das Cooperativas Brasileiras, Aproleite e prefeituras. Há quatro anos, ele é um dos 30 participantes, da região de Nossa Senhora do Livramento, do programa Nosso Leite, desenvolvido pelo Sebrae/MT.

Mas esta não ainda é a realidade da cadeia leiteira estadual, que em Mato Grosso tem 35 mil propriedades, de acordo com dados preliminares do Censo Agropecuário do IBGE de 2017. Desse total, a estimativa é de que 90% seja de produtores familiares.

Produção pequena

Mesmo Mato Grosso ocupando a 10ª colocação no ranking nacional, com uma produção em torno 745,85 milhões de litros (bem abaixo dos quatro primeiros maiores produtores – Minas Gerais e os estados da Região Sul), a maioria da pecuária familiar estadual retira no máximo 50 litros diários, quantidade considerada muito baixa.

Leia mais:  Balanço aponta mais de 300 kg de drogas e 28 veículos apreendidos

A atividade é rendável, mas é preciso trabalhar a propriedade como uma empresa

Segundo Eduardo Silva Dantas e Vânia Ângela Kohl, responsáveis pela Cadeia Produtiva do Leite da Seaf, para ter lucro é preciso produzir acima de 12 litros de leite por animal. “A atividade é rentável e a renda é constante. É preciso saber lidar com ela. Trabalhar a propriedade como uma empresa”.

Segundo eles, basicamente são quatro os gargalos na atividade: assistência técnica, qualidade, reforma de pastagem e gestão. “Mesmo contando com a Empaer, Senar (Senar Tec), muitos produtores ainda não têm acesso à assistência técnica. Já o problema da qualidade não é exclusividade estadual, mas de todo o Centro-Oeste”, explicam, acrescentando que os outros dois gargalos estão ligados diretamente ao produtor.

“A falta de reforma do pasto, por exemplo. Muitos repetem pais e avós. Acham não ser preciso adubar, fazer análise de solo. Com isso, o pasto fica deficiente e vaca sem alimento. Substituem pela ração, que é cara. A renda cai e vem o desânimo”, afirmam. “Tem ainda a gestão. A maioria dos produtores, entre 50 e 60 anos, sequer sabe manusear um computador e nem entende de planilhas. Muitos nem sabem o custo do seu leite”, continuam.

Apesar desses gargalos, ambos acreditam no desenvolvimento da cadeia leiteira estadual. “Estamos ainda engatinhando em relação ao Sul do país e a Minas Gerais, mas a tendência é mudar, porque esta cadeia é promissora e temos capacidade para crescer”, concluem.   

Pró-leite e unidades tecnológicas

Uma das ferramentas a contribuir para melhorar a atividade no Estado é o Pró-Leite (Programa de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva do Leite), cuja proposta é atacar os gargalos que impedem o seu crescimento. A metodologia passa pela capacitação continuada de técnicos e produtores em manejo adequado de pastagem, melhoramento genético e do manejo do rebanho (sanidade e adequação das instalações).

Esta capacitação é feita por meio das Unidades de Referência Tecnológica (URTs) e complementada pela distribuição de equipamentos, resfriadores e caminhões isotérmicos. As unidades, implantadas em uma determinada propriedade, atendem vizinhos e adjacentes, por meio de Dia de Campo reunindo produtores, técnicos, estudantes e parceiros, como Empaer, prefeitura, Embrapa, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), OCB e Senar.  

Segundo o engenheiro agrônomo e extensionista da Empaer, José Carlos Rodrigues dos Santos, tanto o Dia de Campo (muito utilizado nos anos de 1980 e 1990 nas plantações de soja, milho e algodão), quanto as visitas técnicas são uma forma de atingir um público maior e de melhor difusão das tecnologias. “A pretensão é mostrar ao produtor o custo benefício desta nova cultura, o quanto estas mudanças dão retorno a ele”.

Leia mais:  Escolas Técnicas passam a ofertar cursos de atualização e aperfeiçoamento profissional

A primeira URT foi implantada em Campo Verde (134 km distante de Cuiabá), em uma propriedade que anteriormente produzia frango, mas agora se dedica apenas ao leite. Atualmente, há 15 unidades implantadas e 17 já programadas. Os recursos são da SEAF, enquanto a Empaer entra com a assistência técnica.  

Vacinação obrigatória

Para José Carlos dos Santos, da Empaer, outro problema para o pecuarista de leite é a brucelose. Quando constatada, só resta sacrificar o animal e sua carcaça é utilizada como subprodutos como sabão.

José Carlos dos Santos, da Empaer: A brucelose é outro problema enfrentado pelo produtor de leite 

“Uma vaca avaliada em R$ 5 mil cai para menos de R$ 500, o que não deixa de ser um balde de água fria no produtor. Porém, como a vacinação é constante e obrigatória, é provável que em três ou quatro anos, diminua bastante a incidência da doença no rebanho estadual”.

Segundo a médica veterinária e sanitarista do Indea, Suíze Silva Oliveira, que esteve na propriedade de Gonçalo para entrega do certificado de propriedade livre de brucelose, a vacinação é feita em duas etapas – de janeiro a junho e de julho a dezembro -, em todas as bezerras entre três e oito meses.

Ela alerta que a vacinação deve ser feita ou por médico veterinário ou por vacinador cadastrado no Indea/MT. “Por serem extraídas de bactérias, são muito perigosas. Por isso, não podem ser aplicadas por qualquer pessoa. Alguém não capacitado corre o risco de contrair a doença”.

Ela completa que, além da vacina, é preciso controlar a sanidade das vacas por meio de exames bacteriológicos e sorológicos. “O que foi feito aqui nesta propriedade, garantindo o certificado que eles receberam. Além disso, pela legislação federal, quem comercializa seu leite para laticínios precisa realizar entre um ou dois testes anuais para provar que está livre de brucelose”.


O chefe da Unidade de Vacinação do Indea, Hewandro Lucio Rezende reforça que a vacina não só é obrigatória, como há sanção para quem não aplica. “Além da multa, o produtor não poderá comercializar suas bezerras”. 

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Mato Grosso

Com apoio da comunidade, escola de Rondonópolis revitaliza o pátio com pinturas lúdicas

Publicado

por

Com o objetivo de resgatar algumas brincadeiras infantis, a Escola Estadual Professora Renilda Silva Moraes, localizada no município de Rondonópolis (a 202 quilômetros ao sul da Capital), realizou um trabalho de revitalização no espaço de recreação da unidade. O piso do pátio ganhou pintura com desenho de jogos, brincadeiras – amarelinha e caracol -, além disso, as árvores do local também ganharam pintura para tornar o ambiente mais agradável.

Os trabalhos, idealizados pela diretora Maria Jose Vilela, contaram com a colaboração de alguns professores e funcionários aposentados, que já atuaram na escola. Com rolos de pintura, latas de tinta e muita imaginação, eles redesenharam todo o espaço destinado a recreação.

“O projeto procura propor o resgate de brincadeiras de nossa cultura e possibilitar que as crianças experimentem benefícios decorrentes do ato de brincar. As brincadeiras desenvolvem um papel fundamental no desenvolvimento das crianças”, destaca a diretora. 

Segundo a coordenadora pedagógica Sandra Bucater, além de garantir um ambiente alegre e receptivo, a revitalização reflete na qualidade de ensino, bem como diminui a exposição aos riscos de acidentes com os alunos no decorrer do intervalo. “Esse projeto impactou no cotidiano da comunidade”, destaca.

A coordenadora lembra que para vencer novos desafios, a comunidade escolar teve a ideia de transformar a escola em um local atraente pelo fim que tem e também como espaço de convívio social.  “Abraçando a ideia de ação colaborativa, a diretora sugeriu a revitalização do piso das calcadas e quadra central. Estamos vencendo o desafio”, frisa.


A EE Renilda Silva Moraes está situada no Bairro Coophalis, em Rondonópolis, funciona nos turnos matutino e vespertino e atende cerca de 900 alunos matriculados no ensino fundamental.  

Leia mais:  Programa internacional financiará implementação das Promotorias de Justiça de Bacias Hidrográficas

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana