conecte-se conosco


Mato Grosso

Com velhos erros, Tangará da Serra vê minguar representatividade no estado

Publicado

Município polo da região sudoeste de Mato Grosso, com a 6ª maior população e o 9º maior produto interno bruto (PIB), Tangará da Serra vive uma crise de representatividade no estado.

Depois de contar com duas vagas na Assembleia Legislativa durante a legislatura 2014-2018, o município de mais de 100 mil habitantes e PIB de quase R$ 3 bilhões assistiu a uma má condução da sua política partidária, o que culminou com a perda de uma vaga no parlamento estadual. Hoje, apenas um deputado – João José de Matos, popular Doutor João (MDB) – representará o município na legislatura que inicia em fevereiro para os próximos quatro anos.

Dr. João assegurou a única vaga de Tangará da Serra na AL

Além do representante na AL, o município conta com um único nome no staff do governador Mauro Mendes, que em Tangará da Serra fez 55% dos votos nas eleições do ano passado. Trata-se do ex-secretário municipal de Assistência Social, Aguinaldo Garrido, que assumiu no governo, no início deste mês, o cargo de secretário-adjunto de Estado de Assistência Social.

Aguinaldo Garrido: solitário representante de Tangará no staff de Mauro Mendes

Imaturidade

Um único deputado estadual e um solitário secretário-adjunto no staff do governo é pouco para um município como Tangará da Serra, considerando a proporcionalidade dos seus números nos aspectos eleitoral, populacional e econômico. Mas, por outro lado, talvez seja um privilégio considerando o seu fracasso no âmbito político.

Tangará: Atual representatividade é pouco para um município polo e com credenciais eleitorais, populacionais e econômicas

Pior que Tangará da Serra em termos de representatividade estão Cáceres e Barra do Garças, também polos regionais. A “Princesa do Pantanal” e Barra do Garças assistem a tempos seus declínios políticos e, mais uma vez, não elegeram representantes na AL e, muito menos, para a esfera federal.

Leia mais:  Cridac será inaugurado nesta sexta-feira (21.12)

No caso específico de Cáceres, houve o mesmo erro de Tangará da Serra, ao lançar uma enxurrada de candidatos à AL e à Câmara Federal. Pior que isso é que a maioria dos candidatos foi lançada na disputa já conhecendo seus baixos potenciais eleitorais.

O excesso de candidaturas, como ocorreu em Tangará da Serra e Cáceres, demonstra a imaturidade política dos municípios e a pouca ou nenhuma capacidade cooperativa no momento de assegurar a representatividade priorizando o interesse público em detrimento das vaidades pessoais.

Ou seja, os velhos erros, o velho narcisismo político e a velha incapacidade associativa seguem prejudicando a população.

Exemplos

Lucas do Rio Verde é um município que serve de exemplo de espírito associativo. Os luverdenses conseguiram emplacar representantes na Assembleia Legislativa, na Câmara Federal e na cúpula do governo estadual.

Lucas do Rio Verde: Exemplo de espírito associativo, município tem representantes na cúpula do governo, na AL e em Brasília

O ex-prefeito da cidade, Otaviano Pivetta, é o atual vice-governador, enquanto o vice-prefeito Sílvio Fávero (PSL) garantiu vaga na Assembleia Legislativa. O ex-ministro da Agricultura e líder ruralista Neri Geller (PP), representará a cidade na Câmara Federal, em Brasília.

Comentários Facebook
publicidade

Mato Grosso

Governo mantém taxação do agronegócio e espera arrecadar R$ 1,46 bilhão

Publicado

por

A Assembleia Legislativa apresentou, nesta terça-feira (22), um substitutivo integral ao projeto de lei que altera o Fundo Estadual de Transporte e Habitação (Fethab) que havia sido encaminhado pelo Governo no início do mês.

O projeto deve ser colocado em votação ainda hoje pelos deputados estaduais.

O substitutivo apresenta ajustes em relação à proposta original sobre as alíquotas da comercialização de commodities e operações de exportação por diferentes ramos do agronegócio. 

Porém, a previsão de arrecadação com o substitutivo é a mesma: R$ 1,465 bilhão, ou seja, cerca de R$ 500 milhões a mais por ano se comparado com o Fethab que estava em vigor até então. 

A previsão inicial de arrecadação era de R$ 1,5 bilhão, mas só em janeiro as perdas com a não reedição do Fethab superaram a faixa dos R$ 50 milhões. 

A proposta integra o pacote de leis, denominado “Pacto por Mato Grosso”, que busca estabelecer parâmetros legais para conter as dificuldades financeiras enfrentadas atualmente pelo Estado. 

A intenção do Governo com a modificação da Lei n° 7.263/2000, que dispõe sobre a questão, é ampliar a arrecadação estadual e compensar as perdas provocadas pela Lei Kandir, que prevê repasses da União ao Estado a título de compensação pela desoneração do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre as exportações.

Pela proposta, os recursos do Fundo oriundos das contribuições estabelecidas em lei serão destinados a investimentos pelo Governo do Estado, sendo 30% voltados a execução de obras públicas de infraestrutura de transporte, incluindo manutenção, conservação, melhoramento e segurança.

Leia mais:  Parceria viabilizará primeiro centro de pesquisas de produção de gado de corte em MT

Outros 10% para capitalizar a MT PAR e investir em projetos de interesse do Estado de Mato Grosso. E outros 60% serão destinados à aplicação pelo Tesouro Estadual, visando ações nas áreas de segurança pública, saúde, educação e assistência social.

É importante ressaltar que o pagamento das contribuições ao Fethab não se trata de um novo imposto, pois é facultativo ao contribuinte.

Todavia, é uma condição para a manutenção o diferimento e do regime especial na apuração e recolhimento mensal do ICMS tributado nas operações interestaduais e exportação.

Entenda a mudança

O Fundo Estadual de Transporte e Habitação (Fethab) tem como base de cálculo a Unidade Padrão Fiscal (UPF), indexador que corrige taxas cobradas pelo Estado como, por exemplo, o ICMS. O novo Fundo propõe, justamente, alterações nas alíquotas incididas sobre valor da UPF na comercialização de produtos do agronegócio. Acompanhe as mudanças previstas em Projeto de Lei:

Soja – No Fethab de 2018 para cada tonelada de soja em grãos transportada, o contribuinte deve destinar ao Fundo 19,21% do valor da UPF. Na nova proposta, a alíquota sobe para 20% da UPF na soja em grão e 20% se a carga for para exportação, creditando recolhimento anterior. A previsão é de que sejam arrecadados R$ 850 milhões anuais.

Algodão – Hoje, o recolhimento é de 20,47% da UPF por tonelada de pluma comercializada. No regime proposto a alíquota passa para 75% da UPF por tonelada exportada, com previsão de R$ 250 milhões de arrecadação. No algodão também haverá redução do incentivo fiscal do PROALMAT que constituirá em um aumento da carga de ICMS de 3% para 4,8%.

Leia mais:  Prefeitura de Nobres entrega praça feita com emenda parlamentar

Gado em pé – O índice atual é de 23,52% do valor da UPF por cabeça de gado destinada ao abate. A nova alíquota elevaria para 24% do valor da UPF por cabeça de gado para o abate. A previsão é que em 2019 sejam arrecadados R$ 175 milhões. 

Madeira – O percentual fixado até 2015 era de 9,305% da UPF por metro cúbico de madeira transporta, alíquota que foi zerada de 2016 a 2018. Na proposta sobe para 10% da UPF por metro cúbico de madeira transportada, com previsão de arrecadar R$ 20 milhões neste ano.

Milho – O recolhimento passa a ser de 6% do valor da UPF por tonelada de milho destinada a outros Estados e também à exportação. É previsto neste ano um total de R$ 150 milhões em arrecadação. 

Carne desossada e carne com miudezas – A alíquota será de 0,04% no valor da UPF por quilograma de carne das espécies bovina ou bubalina transportada. O incremento de receita é estimado em R$ 20 milhões para este ano.

Comentários Facebook
Continue lendo

BemRural

Em Deciolândia: No sábado, Dia de Campo focará biodefensivos, manejo de pragas e cenários

Publicado

Produtores rurais, engenheiros agrônomos, empresas do setor produtivo e universitários são aguardados no próximo sábado (26), logo cedo, na Estação Experimental da Fazenda São Paulo, em Deciolândia, para o 8º Dia de Campo da PA Consultoria.

As inscrições e credenciamentos poderão ser feitas no local, a partir das 07h00. Logo em seguida haverá visitas a campo nas estações instaladas pela organização.

Evento iniciará com visitas a campo nas estações instaladas pela organização

Após a visitação a campo, o evento contará com palestras sobre temas relevantes no meio produtivo da região. Na primeira exposição, o pesquisador da Embrapa, Frederick Mendes Aguiar, falará sobre “Tecnologia dos Biodefensivos e os Riscos Sanitários”. Na sequência, será a vez da professora Cecília Czepak, da Universidade Federal de Goiás, abordar o tema “Manejo Integrado de Pragas com ênfase no Controle Biológico”.

Após a visitação a campo, o evento contará com palestras sobre temas relevantes no meio produtivo da região

Encerrando o ciclo de palestras do dia, o engenheiro agrônomo e consultor Paulo Assunção, proprietário da PA Consultoria e da Fazenda São Paulo, falará sobre “Cenários e Resultados”.

Logo em seguida, será servido almoço com a atração extra da dupla de cantores Rodrigo e Ramon, de Cuiabá. Maiores informações sobre o evento pelo telefone (65) 3326-8093.

 

Comentários Facebook
Leia mais:  Irmãos suspeitos de pertencerem a facção criminosa são detidos com submetralhadora automática
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana