conecte-se conosco


Mato Grosso

Colniza comemora 22 anos com parcerias do Governo do Estado em infraestrutura, saúde e agricultura familiar

Publicado


Colniza, no noroeste mato-grossense (1.022 quilômetros de Cuiabá), comemora seu 22º ano de emancipação administrativa nesta quinta-feira (26.11), com parcerias do Governo do Estado em infraestrutura, saúde e agricultura familiar. A cidade conta com 39.861 mil habitantes.

Por meio da Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra), foi assinado um convênio com o município para a construção de uma ponte de madeira, com 40 metros de extensão, na MT-206. O investimento será de R$ 403 mil.

Beneficiada pelo Programa Mato Grosso Produtivo Café, a agricultura familiar municipal conseguiu melhorar sua produtividade por hectare – saltou de pouco mais de 20 sacas na safra passada para 114 sacas na atual. Colniza responde por mais da metade do café de Mato Grosso. Na safra de 2019, segundo o IBGE, foi o primeiro do ranking estadual de produção.

Programa Mato Grosso Produtivo Café possibilitou que produtividade quintuplicasse. Foto Empaer/MT    

Foram enviados ao município 3. 275 mil testes rápidos para detecção do coronavírus e medicamentos para combatê-lo. São 141.210 mil comprimidos, entre azitromicina (17.362), ivermectina (13.889) e dipirona (109.959), também em gotas (2.701 frascos).

Entre janeiro e setembro deste ano, o Governo do Estado repassou R$ 14,67 milhões aos cofres municipais em ICMS, IPVA e Fethab, além de R$ 2,98 milhões em assistência social, transporte escolar e convênios na área de saúde, entre 2019 e julho de 2020.

Economia

A administração pública, com R$ 189,78 milhões, e serviços (R$ 134,88 milhões) são os principais responsáveis pelo PIB (Produto Interno Bruto, de 2017) municipal de R$ 528,69 milhões, respondendo por 61,4% deste total. Indústria (R$ 103 milhões), agropecuária (R$ 60,3 milhões) e impostos (R$ 40,63 milhões) fecham a conta. O PIB per capita é de R$ 14.620,57.

Com uma agricultura diversificada, Colniza tem boa performance no ranking mato-grossense. Pelos dados de 2019, do IBGE, é o primeiro na produção de café e cacau, segundo na produção de mandioca, quarto na produção de castanha do Brasil, sexto na produção de laranja e melancia, e décimo na produção de banana. 

Produz ainda limão, mamão, maracujá, pimenta do reino e urucum, em lavoura permanente; arroz, cana de açúcar, feijão, milho e tomate, em lavoura temporária; castanha do Brasil, borracha, óleo de copaíba, carvão vegetal, lenha e madeira, na extração vegetal.

Colniza é o primeiro do ranking estadual na produção de cacau – Foto Empaer/MT  

Segundo dados do IBGE, de 2019, sua pecuária é formada por piscicultura. São 160 toneladas entre pintado, tambacu e tambaqui. O rebanho bovino conta com 642,7 mil cabeças, das quais 8,4 mil vacas ordenhadas, com 11,4 milhões de litros de leite. A criação de aves soma 150,5 mil galinhas, além de 620 mil dúzias de ovos. O rebanho suíno contabiliza 12,49 mil cabeças, das quais 3.227 matrizes.  

História 

Cidade projetada, os primeiros povos a habitar a região foram seringueiros e ribeirinhos, chamados “beiradeiros” por viverem às margens do rio Roosevelt. Em 1986, com abertura das primeiras estradas e as primeiras ruas, em meio à mata amazônica, Colniza começava a sair do papel. Por um bom período, garimpos mantiveram a economia local.

Em 1991, famílias de agricultores gaúchos foram assentadas na região. Por dificuldades de adaptação, poucas permaneceram. A partir de 1994, um novo fluxo de imigração, desta vez, vindo de Rondônia, se apropriou das terras devolutas ainda existentes em assentamentos. Neste mesmo ano, o distrito de Colniza foi criado.  

Em 26 de novembro de 1998, foi elevado a município, desmembrado de Aripuanã. Entre 2010 e 2020, a população cresceu 50%, saltando de 26.381 para 36.861 habitantes.

Com extensão territorial de 27,946 mil km2, superior a de Alagoas e Sergipe, sua densidade demográfica, que em 2010 era de 0,94 habitantes por quilômetro quadrado, saltou para 1,43 habitantes em 2020.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook

Mato Grosso

Mato Grosso inicia vacinação contra a Covid-19 e imuniza 10 trabalhadores da Saúde

Publicado

por


Mato Grosso deu início, na noite desta segunda-feira (18.01), ao Plano Nacional de Imunização (PNI) contra a Covid-19. Em ato simbólico, no Hospital Metropolitano, em Várzea Grande, dez profissionais que atuam na linha de frente da pandemia no Estado receberam a primeira dose do imunizante Coronavac.

O Estado recebeu, nesta primeira fase, 126.160 doses da vacina, que irá contemplar 60.074 pessoas, com duas doses, dentre elas indígenas. O imunizante se encontra, neste momento, em separação no Centro de Distribuição do Governo do Estado, e será encaminhado para os 141 municípios nas primeiras horas desta terça-feira (19.01).

Ao lado da primeira-dama, Virginia Mendes, e dos secretários de Saúde do Estado, Gilberto Figueiredo, e da Casa Civil, Mauro Carvalho, o governador Mauro Mendes destacou o papel da ciência e afirmou que o momento marca uma “virada de página”. O prefeito de Várzea Grande, Kalil Baracat, e parlamentares do Estado e da Capital também participaram do ato.

“Hoje é um dia especial, considerando tudo que vivemos ao longo de 2020. Tanta angústia, tanta incerteza, a dor e o sofrimento que foi causado a tantas famílias. A ciência trabalhou em ritmo extremamente acelerado e ao final chegamos à vacina mais rápida da história. Acreditamos que hoje marcamos o início de uma recuperação desta pandemia, é o início de uma virada de página”, celebrou o governador.

A primeira cidadã vacinada contra o coronavírus em Mato Grosso foi a técnica de enfermagem Luiza Batista de Almeida Silva, 43 anos. Ela atua na área desde 2011 e, em 2019, ingressou no Hospital Metropolitano, unidade em que atualmente desempenha suas atividades na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Covid-19.

“O sintoma que estou sentindo agora é alegria”, disse Luiza, logo após ser imunizada. “Está chegando ao fim esta luta desigual com este vírus invisível, que nos massacrou. Nós, da linha de frente, ficamos isolados dos nossos parentes, dos nossos filhos, maridos, mães, para que não transmitíssemos o vírus a eles. E ao mesmo tempo estivemos ao lado de pacientes, dividindo com eles toda a dor. Mas hoje chegou ao fim essa tristeza”, completou a técnica de enfermagem.

Além de Luiza, as técnicas de enfermagem do Hospital Metropolitano, Angelina Galvan, 58 anos, e Helena Maria Aparecida Silva, 63 anos, também receberam a primeira dose da vacina.

No ato desta segunda-feira, o Governo de Mato Grosso imunizou, ainda, outros sete profissionais da Saúde do Estado: a enfermeira Luciele Fernanda Benin, 43 anos, que atua na linha de frente da Covid-19, no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e no transporte aeromédico de pacientes; Joel da Silva Rodrigues, 43 anos, enfermeiro no Hospital Estadual Santa Casa; Dante Martins Miraglia Lima, 40 anos, fisioterapeuta no Hospital Estadual Santa Casa; Rosangela Ushizima, 53 anos, servidora na Unidade 1 do Adauto Botelho; Carla Marques Rondon Campos, 53 anos, médica pediatra e servidora do Centro de Referência para Imunobiológicos Especial; além das duas servidoras que aplicaram a vacina, Nígima Luciana do Nascimento Brasil de Castro e Ana Beatriz.

Enquanto não há a confirmação da quantidade total de doses a ser enviada aos Estados, a equipe da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) alinha estratégias para a logística de vacinação, reforçando que, havendo qualquer alteração no Plano Nacional de Imunização, o plano estadual se adequará à mudança.

De acordo com o direcionamento do Ministério da Saúde, nesta primeira fase serão vacinados prioritariamente pessoas idosas institucionalizadas com 60 anos ou mais, pessoas com deficiência institucionalizadas, indígenas aldeados, e trabalhadores da saúde que atuam na linha de frente do combate ao coronavírus.

A princípio, a SES-MT deverá analisar a quantidade de vacinas pelo número de pessoas desse grupo, já que o total enviado nesse momento para o Estado não é suficiente para atender toda a demanda.

“Os municípios vão saber amanhã [quantas doses vão receber, cada], quando enviaremos uma resolução da pactuação. Separamos as doses para a população indígena e as demais foram rateadas proporcionalmente pelos números informados pelo Ministério da Saúde”, esclareceu o secretário estadual de Saúde, Gilberto Figueiredo.

Diante do cenário, o governador Mauro Mendes reforçou a necessidade da manutenção das medidas de isolamento social. “Lamentamos porque teremos ainda um longo caminho a ser percorrido até a imunização de toda a população. Por isso, é extremamente importante que todos continuem a praticar as chamadas medidas não farmacológicas de prevenção, porque segundo a ciência esta é, ainda, a maneira mais segura de se evitar a transmissão e a contaminação pelo coronavírus”, pontuou.

Vacinas

Além da CoronaVac, vacina produzida pela farmacêutica SinoVac em parceria com o Instituto Butantan, em São Paulo, o plano de vacinação do Governo Federal prevê, ainda, a inclusão do imunizante AstraZeneca, produzido pela Fiocruz, em parceria com a Universidade de Oxford.

Ambas as vacinas são indicadas para pessoas acima de 18 anos e com aplicação de duas doses. O prazo para a segunda dose da CoronaVac é de 14 a 28 dias, sendo de 90 dias para a AstraZeneca.

Plano Estadual de Operacionalização

A distribuição das 126.160 doses de vacina contra a Covid-19 em Mato Grosso começa nesta terça-feira (19.01). O envio obedecerá ao Plano Estadual de Operacionalização da Vacinação, que será executado pela SES-MT, em parceria com a Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp), além das Polícias Federal e Rodoviária Federal e o Ministério da Defesa.

Nos casos em que for necessário, o Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer) disponibilizará seis aeronaves de sua frota para dar celeridade à distribuição.

Os imunizantes serão encaminhados para 14 polos regionais, que serão a ponte de distribuição para os demais municípios, considerando a quantidade de doses enviada pelo Ministério da Saúde. A vacinação seguirá o Plano Nacional de Imunização (PNI).

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Mato Grosso

Profissional da UTI Covid-19 do Hospital Metropolitano será primeira vacinada em MT

Publicado

por


A técnica de enfermagem do Hospital Metropolitano, Luiza Batista de Almeida Silva, de 43 anos, será a primeira trabalhadora da saúde a ser vacinada contra o coronavírus em Mato Grosso. 

Atualmente, a profissional atua na linha de frente do combate ao vírus, mais precisamente na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Covid-19 do hospital de referência do Estado. 

Luiza é técnica de enfermagem desde 2011 e ingressou no Hospital Metropolitano em 2019. Ela é mãe de dois filhos e acadêmica do curso de Enfermagem.  “A alegria de receber a vacina é muito grande. É uma luta diária, uma guerra contra um vírus invisível. Sentimos esperança de que, aos poucos, o mundo voltará ao normal”, disse. 

O ato simbólico de vacinação nesta segunda-feira (18.01) terá a presença do governador Mauro Mendes, da primeira-dama Virginia Mendes, do secretário de Saúde, Gilberto Figueiredo, e demais autoridades. Após o ato de vacinação, o governador atenderá a imprensa em entrevista coletiva, no mesmo local.

Mato Grosso recebe 126.160 doses para atender o público alvo da primeira fase da campanha. Serão cerca de 60 mil pessoas vacinadas, com as duas doses, dentre elas indígenas.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana