conecte-se conosco


Jurídico

Cobrança indevida de custeio sindical por empresas não caracteriza dano moral coletivo

Publicado

A cobrança tinha respaldo em norma coletiva.

A Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho entendeu que a criação de contribuição financeira das empresas para custear atividades do sindicato por meio de norma coletiva não caracteriza dano moral coletivo. Com esse entendimento, julgou improcedente o pedido de indenização formulado pelo Ministério Público do Trabalho (MPT).

Ingerência indevida

A contribuição, instituída na convenção coletiva de trabalho (CCT) de 2011 assinada pelo Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Gráficas do Estado do Paraná (STIGPR) e pela entidade sindical representante das empresas, destinava-se a custear ações de assistência social e formação profissional. O MPT ajuizou ação civil pública visando à anulação da cláusula, sustentando que ela poderia resultar em ingerência dos empregadores na entidade sindical.

Na ação, pediu, também, indenização por dano moral coletivo. Segundo o MPT, a conduta irregular do sindicato teria causado lesão a interesses difusos da sociedade, e o dano decorreria da transgressão aos valores fundamentais do trabalho e aos princípios da livre associação e de sindicalização, da liberdade e da autonomia sindical.

Prejuízos sociais

Os juízos de primeiro e de segundo graus julgaram procedente o pedido de anulação da cláusula, mas divergiram em relação ao dano moral coletivo. Para o juízo da 13ª Vara do Trabalho de Curitiba (PR), a conduta irregular não atingiu o complexo social em seus valores. Ao julgar recurso, o Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região condenou o STIGPR a pagar indenização de R$ 50 mil de indenização. Segundo o TRT, a entidade causou prejuízos a valores sociais de dimensão coletiva quando pactuou cláusula que, mesmo indiretamente, a vinculou economicamente à vontade do empregador.

Leia mais:  Concurso da magistratura: sessão pública vai divulgar notas dos candidatos

A relatora do recurso de revista do STIGPR, ministra Delaíde Miranda Arantes, assinalou que a contribuição tinha respaldo em cláusula firmada por empregados e empregadores em instrumento coletivo, o que, a seu ver, afasta a hipótese de abuso de direito por parte do sindicato. Apesar do reconhecimento da ilegalidade da cobrança das contribuições, a ministra não verificou ato ilícito do sindicato capaz de causar dano ao direito de personalidade dos empregados.

Por unanimidade, a Turma deu provimento ao recurso para restabelecer a sentença.

(GS/CF)

Processo: RR-884-33.2011.5.09.0013

O TST possui oito Turmas, cada uma composta de três ministros, com a atribuição de analisar recursos de revista, agravos, agravos de instrumento, agravos regimentais e recursos ordinários em ação cautelar. Das decisões das Turmas, a parte ainda pode, em alguns casos, recorrer à Subseção I Especializada em Dissídios Individuais (SBDI-1).
Esta matéria tem caráter informativo, sem cunho oficial.
Permitida a reprodução mediante citação da fonte.
Secretaria de Comunicação Social
Tribunal Superior do Trabalho Tel. (61) 3043-4907
[email protected]

Fonte: TST
Comentários Facebook
publicidade

Jurídico

Confira os destaques da TV Justiça para o fim de semana

Publicado

por

Confira os destaques da TV Justiça para o fim de semana

Sexta-feira, 15/2

21h30 – Em Cartaz – Chico Mendes, Cartas da Floresta
O documentário trata da vida do ex-líder seringueiro. A TV Câmara foi ao Acre mostrar a atual situação das reservas extrativistas e da Floresta Amazônica 20 anos após a morte de Chico Mendes. A diretora, jornalista Dulce Queiroz, conta que a ideia era produzir um documentário que mostrasse não apenas a história de Chico Mendes, já bem conhecida, mas também o resultado de toda a sua luta contra o desmatamento da região. O filme concorreu com trabalhos do mundo todo e recebeu o Troféu Alcantarea Imperialis, que leva o nome científico de uma bromélia importante para a biodiversidade da Mata Atlântica.
Reapresentações: 16/2, às 22h30; e 17/2, às 22h30.

Sábado, 16/2

7h30h – Plenárias
O início do julgamento de duas ações que tratam de suposta omissão do Congresso Nacional em votar projeto de lei que efetive a criminalização específica para atos de homofobia e transfobia é destaque do Plenárias deste fim de semana. A matéria é tema da Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão (ADO) 26, cujo relator é o ministro Celso de Mello, e o Mandado de Injunção (MI) 4733, de relatoria do ministro Edson Fachin. Depois da leitura dos relatórios e das sustentações orais na sessão da quarta-feira (13), o ministro Celso de Mello iniciou a apresentação do voto na sessão da quinta (14). O voto será retomado na sessão da próxima quarta-feira, dia 20.
Reapresentações: 16/2 às 17h30; 17/, às 7h30 e 14h30; 18/2 às 4h30 e 20/2 às 4h30.

8h – Saber Direito Profissão
A professora Thamiris Felizardo aborda as aplicações do Direito Orçamentário, um dos segmentos do Direito Financeiro e fala sobre a carreira e sua jornada até alcançar sucesso na profissão.
Reapresentações: 16/2, às 23h30 e 17/2, às 8h e 23h30.

8h30 – Saber Direito Responde
A professora Thamiris Felizardo tira dúvidas de estudantes no estúdio da TV Justiça e de outros que mandaram vídeos com perguntas para o programa. Os temas são terceirização: estudo do orçamento público, receitas e despesas públicas e endividamento.
Reapresentações: 16/2, às 14h30; 17/2, às 8h30 e 18/2, à 0h.

9h – Academia
O debate desta semana é sobre o momento em que o trabalhador se acidenta no ambiente de trabalho. O acidente pode acontecer durante as horas extras ou após uma jornada excessiva de trabalho? Essa questão séria e recorrente nos tribunais é investigada pelo doutor em Direito Alexandre Alliprandino, com a participação do doutor em Direito Administrativo Guilherme Carvalho e do doutor em Direito, Estado e Constituição José Humberto de Góes Junior.
Reapresentações: 16/2, às 9h; 17/2, às 9h; 18/2, às 9h; 20/2, às 9h.

Leia mais:  Mantida pena de aposentadoria compulsória imposta a juíza do Amazonas

12h30 – Meio Ambiente por Inteiro
A legislação brasileira protege o fluxo de água mesmo que isso ocorra em áreas de alagadiços, também conhecidas como veredas. Pois é, áreas úmidas vão além de cachoeiras, rios, mares e represas. Saiba mais, no Meio Ambiente por Inteiro.
Reapresentações: 17/2, às 11h; 18/2, às 12h; 19/2, às 13h30; 20/2, às 12h; 21/2, às 6h30 e sexta-feira, 22/2, às 18h.

13h30h – Direito Sem Fronteiras
Os presidentes de China e Estados Unidos demoraram, mas chegaram a uma trégua na Guerra Comercial. Por parte dos EUA, Donald Trump disse que não vai elevar a alíquota de importação sobre mercadorias chinesas, enquanto, pela China, Xi Jinping prometeu comprar mais produtos americanos. Foi o primeiro encontro bilateral desde que o governo americano aumentou tarifas sobre importações chinesas, em julho do ano passado. Quais os efeitos disso para a economia mundial? Como fica o Brasil no meio dessa briga de gigantes. Para entender melhor essa questão, o Direito Sem Fronteiras convida a doutora em direito econômico Neide Malard e o mestre em Relações Internacionais Marcos Degaut.
Reapresentação: 17/2, às 21h30.

18h30 – Repórter Justiça
Mais de dois milhões de trabalhadores no mundo correm o risco de ver os empregos desaparecerem até 2030. O Repórter Justiça desta semana mostra a corrida contra o tempo em busca de qualificação profissional, destaca algumas profissões importantes no passado que deixaram de existir e trata da substituição da tarefa manual pela máquina, que pode motivar demissões.
Reapresentações: 17/2, às 18h30; 18/2, às 20h30; 19/2, às 21h.

20h30 – Iluminuras
Seres mágicos, objetos encantados, acontecimentos extraordinários que fogem da realidade. Um gênero literário em que a narrativa é elaborada pelo imaginário, o sobrenatural, o absurdo. O progama desta semana abre as portas para a Literatura Fantástica e conversa com dois jovens escritores brasilienses que têm obras publicadas sobre esse gênero: Gleyzer Wendrew e Taty Azevedo.
Reapresentações: 17/2, às 20h30; 18/2, às 18h; 19/2, às 22h e 20/2, às 13h30.

Leia mais:  Suspensas decisões da Justiça do Trabalho que determinaram bloqueio das contas da Companhia de Água e Esgoto da PB

Domingo, 17/2

12h – Fórum
No Brasil, 124 milhões de pessoas participam de alguma plataforma de relacionamento. A nova forma de amar no mundo contemporâneo envolve maciçamente a tecnologia e, além de dar um empurrãozinho na hora da paquera, promove namoros, casamentos e também, relações inovadoras como as de ‘relacionamento sugar’, que envolve pessoas endinheiradas, bem sucedidas e generosas que bancam integralmente as despesas do outro, e tudo é acertado de forma transparente e consensual no início da relação. Mas como isso funciona juridicamente? É preciso fazer um contrato de namoro? Estas e muitas outras questões a respeito são debatidas no programa Fórum desta semana com o advogado Robinson Neves e a sexóloga e psicóloga Luísa Miranda.

12h30 – Link CNJ
O programa entrevista Alexandre Chini, juiz auxiliar da Presidência do CNJ, cobre as mudanças no Cadastro Nacional de Adoção, seus impactos a importância das campanhas de adoção tardia realizadas pelos tribunais em todo o país. Veja ainda as últimas notícias que repercutem no Judiciário.

21h30 – Documentário – É Proibido Fumar – A Lei Antifumo no Brasil
As leis antifumo fizeram com que o número de fumantes caísse mais de 50% desde que foram implementadas. Com isso, a saída para a indústria tem sido apostar em cigarros eletrônicos. "Essa indústria é a mais criminosa do mundo. Percebendo que o cigarro comum começa a perder mercado nos países mais ricos, eles criam uma estratégia de viciar em nicotina da mesma forma através de um dispositivo que aparentemente é menos nocivo." Essa afirmação foi feita pelo renomado oncologista e escritor Drauzio Varella, com exclusividade, ao documentário desta semana, que ouviu também outros especialistas. A primeira lei que combateu de alguma forma o fumo no Brasil foi editada em 1950. Desde então, várias outras normas venceram a desconfiança e deram certo. O documentário é esclarecedor para quem fuma, para quem não fuma e para quem quer deixar o vício.
Reapresentações: 18/1, às 22h30; 19/1, às 22h30.

Fonte: TV Justiça

Fonte: STF
Comentários Facebook
Continue lendo

Jurídico

OAB questiona limitação de valores de indenizações por danos morais nas relações de trabalho

Publicado

por

OAB questiona limitação de valores de indenizações por danos morais nas relações de trabalho

O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) ajuizou no Supremo Tribunal Federal (STF) a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 6069, com pedido de liminar, para questionar alterações promovidas pela Lei 13.467/2017 (Reforma Trabalhista) na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) referentes à reparação por danos morais decorrentes da relação de trabalho. OAB argumenta que os artigos 223-A e 223-G, parágrafos 1º e 2º, da CLT criaram uma espécie de tarifação para o pagamento de indenização trabalhista, utilizando como parâmetro o último salário contratual do ofendido.

A entidade lembra que a Medida Provisória (MP) 808/2017 havia alterado esse critério para prever como base de cálculo o teto de benefícios do INSS. Contudo, como a MP não foi convertida em lei, foram restabelecidas as regras previstas no texto questionado. “A medida provisória que caducou era mais benéfica ao trabalhador de baixa renda, embora ambas as regras caminhem em sentido diametralmente oposto aos princípios basilares do Estado de Direito, pois limitam a indenização, quando a regra é a reparação integral do dano, conforme disposto no artigo 5º, incisos V e X, da Constituição Federal”, argumenta. Além de ferir o dever constitucional de reparação integral do dano, as novas regras, segundo a OAB, violam os princípios da isonomia, da independência funcional dos magistrados, da proteção do trabalho e da dignidade da pessoa humana.

Leia mais:  Mantida pena de aposentadoria compulsória imposta a juíza do Amazonas

Tramitação

O ministro Gilmar Mendes (relator) determinou que a ADI 6069 seja apensada à ADI 5870, apresentada pela Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra) contra a mesma legislação, visando à tramitação em conjunto.

22/01/2018 – Regras da Reforma Trabalhista sobre indenização por dano moral são questionadas no STF

Fonte: STF
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana