conecte-se conosco


Cidade

Chuva volumosa poderá chegar à região no próximo final de semana

Publicado

A região sudoeste de Mato Grosso poderá registrar chuvas volumosas superiores a 80 milímetros nos próximos dias. É o que aponta o portal Clima Tempo, um dos principais sites de meteorologia do país

O deslocamento de uma forte área de baixa pressão atmosférica vai provocar temporais e chuva em grande volume em praticamente todo o Centro-Oeste do Brasil. Em Mato Grosso, há previsões de boas chuvas de norte a sul, de leste a oeste.

Em Tangará da Serra, as chuvas fortes poderão trazer transtornos à população devido aos problemas de drenagem de águas pluviais

Em Tangará da Serra, as chuvas fortes poderão trazer transtornos à população devido aos problemas de drenagem de águas pluviais

Na região de Tangará da Serra, a pressão atmosférica provoca tempo abafado (temperaturas máximas entre 29 e 33 graus durante a semana), que favorece a umidade do ar e a formação de nuvens carregadas.

Volumes

De hoje até a noite de sexta-feira, as chuvas acumuladas poderão superar os 60 milímetros. Os maiores volumes, porém, são esperados para o próximo final de semana, quando o acumulado poderá superar os 100 milímetros no sábado e no domingo.

A chuva forte pode causar transtornos à população. No caso de Tangará da Serra, os problemas residem nos alagamentos em vários pontos do perímetro urbano, já que há deficiências e entupimentos em galerias de águas pluviais.

Entre os pontos mais problemáticos figuram a rua Júlio Martinez Benevides (imediações da Câmara Municipal), na Avenida Tancredo de Almeida Neves (região do Jardim Tanaka/Jardim do Lago), e na Avenida Ismael José do Nascimento, principalmente a partir da Rua 26 até a Escola João Batista.

Leia mais:  'Dida' e 'Fumaçã' são presos pela PM suspeitos de furtarem peças de carros do pátio da Ciretran

Comentários Facebook
publicidade

Cidade

ECOPONTO: Jardim Tarumã recebe local para descarte gratuito de entulhos

Publicado

A partir desta quarta-feira (22) o município disponibilizará um espaço para descarte de entulhos, móveis inutilizáveis e material resultante de podas de árvores. Trata-se do Ecoponto localizado no Jardim Tarumã, na ligação da Avenida Zelino Lorenzetti com o Residencial Bela Vista.

Concebido segundo premissas técnicas, o espaço foi inaugurado nesta segunda-feira (20) e é o primeiro dos quatro que sertão implantados na área urbana da cidade. O próximo a ser liberado para uso será no Jardim Acapulco, ainda este ano. Nestes locais, populares, carroceiros e empresas poderão efetuar gratuitamente o descarte desse tipo de lixo de forma regular.

Espaço estará disponível a partir desta quarta-feira, dia 22. Outros três serão implantados pelo município.

O ecoponto do Tarumã foi uma obra administrada pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente e estará sob gestão do Serviço Autônomo de Água e Esgoto do município (Samae). A secretaria de Infraestrutura (Sinfra) está inserida na parceria, recolhendo periodicamente o volume depositado no local e fazendo o transporte até o aterro sanitário.

Segundo o Samae, o município convive com sérios problemas em relação a entulhos e os mais diversos resíduos sólidos jogado às margens de estradas, em terrenos baldios e outros locais inadequados. Diante disso, a prefeitura optou pela implantação de ecopontos, um em cada região geodésica da cidade. O ecoponto do Tarumã e os outros três que serão implantados se somarão ao já existente junto à Estação de Tratamento de Esgoto (ETE).

Leia mais:  Três pessoas são presas tentando entrar com celulares escondidos em TV e sanduicheira

O problema

Terrenos baldios, áreas de reserva, beiras de estradas e até mesmo rotatórias. Tudo é visto como local de poluição e desova de lixo e entulhos por pessoas sem a devida consciência de bem coletivo.

Em Tangará da Serra, os depósitos clandestinos de lixo proliferam no perímetro urbano. Qualquer terreno baldio é convidativo para que ali sejam lançados galhos, sacos de lixo, carcaças de geladeiras e máquinas de lavar, móveis inservíveis, latas de tinta, garrafas pet e todo tipo de material.

Em Tangará da Serra, um dos pontos da cidade que vem servindo de depósito clandestino é o anel viário.

O poder público local considera que a prática de descarte irregular de entulhos representa riscos de doenças e danos à paisagem urbana. Um dos maiores temores é que os lixões clandestinos criam condições favoráveis à proliferação do mosquito aedes aegypti, transmissor da dengue e das suas variações, como o zika vírus e a febre chikungunya. Animais peçonhentos e roedores também são atraídos a estes depósitos irregulares.

Em Tangará da Serra, um dos pontos da cidade que vem servindo de depósito clandestino é o anel viário. Há vários pontos de desova às margens da via, em especial nas imediações do entroncamento com a estrada que passa ao lado do Parque de Exposições e fundos da Guaxe Construtora, e também nas proximidades do entroncamento com Estrada Cinco.

Leia mais:  PGJ de Mato Grosso é eleito vice-presidente da região Centro-Oeste

Lei

O município possui legislação que qualifica a infração de descartar lixo e entulhos em locais inadequados. O artigo 59 da Lei Complementar 149/2010 – Código Ambiental do Município -, prevê que “a prática de se jogar lixo, entulhos e outros materiais líquidos e/ou sólidos nos espaços territoriais especialmente protegidos constitui infração e está sujeita (…)” a multas e outras sanções, conforme a gravidade da infração.

Comentários Facebook
Continue lendo

Cidade

Em quatro meses, prefeitura de Campo Verde notifica 80 proprietários de terrenos baldios

Publicado

Uma das reclamações que chegam com maior frequência à Ouvidoria da Prefeitura de Campo Verde é sobre terrenos baldios tomados pelo mato e que não recebem atenção dos proprietários.

As queixas são feitas, na maioria das vezes, por moradores vizinhos que reclamam do mau aspecto dos lotes e das consequências desse abandono, como a presença de ratos, insetos e de outros animais peçonhentos.

Para tentar resolver essa situação, a Prefeitura de Campo Verde tem desenvolvido um trabalho que vai da notificação dos proprietários à limpeza dos terrenos, que é paga pelos donos dos imóveis.

De acordo com a Secretaria Municipal de Fazenda, pasta responsável por esse serviço, somente nos primeiros quatro meses desse ano 80 proprietários de terrenos baldios foram notificados. 60 fizeram a limpeza dentro do prazo estipulado, que é de 5 dias.

Nos 20 terrenos em que os donos não atenderam à notificação, a Prefeitura fez a limpeza e o valor dos serviços serão cobrados com o IPTU de 2019, conforme informou a secretária de Fazenda Patrícia Alves da Silva.

Valor da limpeza – O valor cobrado pela Prefeitura pela limpeza do terreno é de 1,2 Unidade Padrão Fiscal/Campo Verde por metro quadrado, o que corresponde à R$ 2,47. Em um terreno com 450 metros quadrados, o custo ao proprietário, acrescido da multa, que é de R$ 694,95, pode chegar a R$ 1.807,00.

Leia mais:  PGJ de Mato Grosso é eleito vice-presidente da região Centro-Oeste

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana