conecte-se conosco

  • banner_Lorenzetti_1250x250

Carros e Motos

Chevrolet Onix Joy 2019: versão mais em conta é modesta, mas eficiente

Publicado


 Onix Joy 2019: faróis com lentes escurecidas fazem parte das novidades. Maçanetas e retrovisores não têm pintura
Carlos Guimarães/ iG

Onix Joy 2019: faróis com lentes escurecidas fazem parte das novidades. Maçanetas e retrovisores não têm pintura

Sem muitas pretensões, passamos alguns dias com a versão mais simples do Onix Joy 2019 (R$ 44.990) e tivemos uma ideia mais clara porque é que o hatch tem batido recordes de vendas. Tudo bem, o carro está prestes a completar seis anos sem mudanças significativas, além de ter aspecto bem modesto. Mas, como é valente e econômico!

LEIA MAIS:  Prisma Joy: como anda o substituto do veterano Chevrolet Classic

Rodamos mais de 600 quilômetros com o Onix Joy 2019
, tanto na cidade quanto na estrada sem precisar reabastecer. E nos surpreendemos como o marcador de combustível custou a se mexer. Essa versão básica do Onix não vem com computador de bordo, porém, pelos números do Inmetro, a versão Joy do hatch da GM pode fazer 12,9 km/l na cidade e 15,3 km/l na estrada.


Pelo o que notamos, são números bem realistas. E deixam o Onix Joy 2019 entre os 10 carros mais econômicos à venda no Brasil hoje em dia. Com tanque de 54 litros, o hatch compacto também consegue ter uma boa autonomia, cerca de 690 quilômetros na cidade e mais de 800 km na estrada, teoricamente.

E pode rodar, viu? A direção com assistência elétrica facilita as manobras em vagas apertadas e para se virar no trânsito caótico das grandes cidades. Além disso, os borrachudos pneus 185/70R 14 ajudam a absorver bem as irregularidades do piso e a passar por obstáculos urbanos, como valetas e lombadas. Aliás, vêm até com monitoramento de pressão, como item de série. Se algum estiver fora da calibragem ideal, acende uma luz no painel.

Com caminho livre, no plano, o que ajuda a economizar combustível e a manter o carro rodando sempre em silêncio é a sexta marcha, com relação bem longa (0,67:1), que mantém o motor em baixa rotação, 3.500 a 120 km/h. Mas é bom saber que qualquer aclive já pede a redução de uma ou mais marchas. Isso porque o regime de torque máximo de 9,8 kgfm está nas alturas (5.200 rpm). Se quiser o mínimo de força para ultrapassagens e retomadas, precisa manter o contagiros, pelo menos, na faixa dos 4.200 rpm.

LEIA MAIS:  GM anuncia investimento de R$ 1,9 bilhão para a fábrica de motores

Abaixo disso, as respostas são lentas, embora razoáveis entre 2.000 e 3000 rpm. Em contrapartida, os engates do câmbio são sempre fáceis e precisos e não há nenhuma vibração ou aumento drástico de nível de ruído ao pisar fundo no acelerador, mesmo depois do motor ter atingido o regime de potência máxima (6.400 rpm). Não estamos falando de um dos motores 1.0 mais modernos que existem hoje em dia, mas, certamente, entre os mais confiáveis e que têm um dos menores custos de manutenção do mercado pela simplicidade do projeto.

Conjunto bem acertado no Onix Joy 2019


Chevrolet Onix Joy 2019 vem com iluminação laranja no painel. Aparelho de som é vendido apenas como acessório
Divulgação

Chevrolet Onix Joy 2019 vem com iluminação laranja no painel. Aparelho de som é vendido apenas como acessório


Pise no freio e verá que o hatch da GM
transmite segurança em qualquer situação. O sistema é bem acertado, inclusive na relação de desmultmultiplicação do hidrovácuo, o que significa que fica fácil controlar a força aplicada ao pedal na hora na frenagem sem correr o risco de passar da medida ideal. A visibilidade também é boa, inclusive pelos retrovisores externos, que têm apenas ajustes manuais, sem ajuda de motor elétrico. Falta também ajuste de altura dovolante e do banco do motorista.

A unidade avaliada estava com sistema de som instalado como acessório nas concessionárias. O único opcional do Onix Joy 2019 é a pintura metálica, oferecida por R$ 1.350. O compacto da Chevrolet
vem com rodas de aço e calotas de aro 14 e retrovisores e maçanetas de plástico preto. No pacote de equipamentos que vem de série estão incluídos itens como ar-condicionado, vidros dianteiros e travas elétricas, ancoragem ISOFIX e Top Tether, preparação para som, laternas traseiras e faróis com lentes escurecidas.

LEIA MAIS: Revelada na China a nova geração do Chevrolet Prisma

Por dentro, o Onix Joy 2019 consegue levar cinco ocupantes. No porta-malas vão bons 293 litros, um pouco acima da média da categoria. O cluster
vem com iluminação alaranjada para se diferenciar das demais versões mais equipadas. E os comandos dos vidros dianteiros estão no console central, próximos da alavanca do freio de estacionamento, o que pode atrapalhar, já que a posição ideal seria nas portas.

Conclusão

De qualquer forma, o Onix Joy 2019
deixou claro que tem qualidades de sobra para justificar a posição de líder de vendas. Além de bastante econômico, o carro conta com conjunto bem equilibrado e valente para enfrentar o dia a dia, tanto em trechos rodoviários quanto urbanos. A nova geração do Onix está sendo esperada para entre o fim de 2019 e o início de 2020 e terá, entre as novidades, novo motor 1.0, de três cilindros.

Ficha Técnica

Preço: a partir de R$ 44.990

Motor: 1.0, quatro cilindros, flex, 

Potência: 80 cv (E)  e 78 cv (G) 6.400 rpm

Torque: 9,8 kgfm (E) e 9,5  kgfm (G) a  5.200 rpm

Transmissão:  Manual, seis marchas, tração dianteira

Suspensão:Independente (dianteira) / eixo de torção (traseira)

Freios: Discos ventilados na dianteira e tambor na traseira

Pneus: 185/70 R14

Dimensões: 3,93 m (comprimento) / 1,71 m (largura) / 1,47 m (altura), 2,53 m (entre-eixos)

Tanque : 54 litros

Consumo: 12,9 km/l (cidade) /15,3 km/l (estrada) com gasolina

0 a 100 km/h: 13,4 segundos 

Vel. Max: 167 km/h   

Comentários Facebook

Carros e Motos

F-150 Lightning será a primeira picape elétrica Pace Car da Nascar

Publicado

por


source
F-150 Lightning adesivada para comandar o grid da Nascar, que acontece durante o próximo final de semana
Divulgação/Ford

F-150 Lightning adesivada para comandar o grid da Nascar, que acontece durante o próximo final de semana

A Ford anunciou nesta quarta-feira que o Pace car da etapa da Nascar em Martinsville será um carro  elétrico. A F-150 Lightning será o terceiro modelo elétrico da montadora de Detroit a comandar uma prova da categoria.

Fazendo oposição ao motor V8 de 5.8L que equipa os modelos da Nascar e geram entre 550 e 670 cv, dependendo da configuração, a F-150 Lightning possui dois motores elétricos que combinam para 563 cv e 107 kgfm de torque, e o Vice Presidente de veículos elétricos da marca, Darren Palmer, espera que os torcedores da Ford fiquem impressionados com a picape:

“Mal podemos esperar aos nossos fãs do que a F-150 Lightning é capaz. Fazendo 0 a 100 km/h em 5 segundos, acredito que vamos chamar alguma atenção na pista.”

A versão elétrica da F-150 vem sendo um grande sucesso para a montadora, tendo sido realizados quase duzentos mil pedidos de reserva desde que o modelo foi revelado, em maio de 2021. A montadora até revelou que irá aumentar a produção da F-150 Lightning de 40 mil unidades por ano para 150 mil até o meio de 2023.

Leia Também

Leia Também

“A resposta dos consumidores à picape Lightning foi tão positiva que decidimos trazer o modelo para um evento da Nascar. Sabemos que quem estará presente adora caminhonetes e estamos confiantes que vão gostar ainda mais quando assistirem a F-150 Lightning liderando o pelotão”, disse Jeannee Kirkaldy  Gerente de Marketing de competições da Ford Performance .

A F-150 Lightning será o terceiro modelo elétrico da Ford a servir como Pace Car em uma prova da Nascar. O primeiro foi o Focus EV, de 141cv que comandou a etapa de Richmond, em abril de 2012, mais recentemente o Mustang Mach-E comandou a prova de Talladega no ano passado.

A etapa de Martinsville da Nascar Cup Serie s acontecerá no sábado (9) às 20h30 e será transmitida para o Brasil no canal Bandsports na TV fechada.

Fonte: IG CARROS

Continue lendo

Carros e Motos

Conheça os padrões de conectores para carregar um carro elétrico

Publicado

por


source


Não há um consenso mundial sobre um padrão a ser adotado para carregar os veículos elétricos até o momento
Divulgação

Não há um consenso mundial sobre um padrão a ser adotado para carregar os veículos elétricos até o momento

Ao dirigir um carro elétrico, o motorista sempre ficará atento à autonomia do veículo e à localização dos eletropostos pelo trajeto já que achá-los pode não ser tarefa tão simples, ainda mais com pouca autonomia no carro. Mas além dessas preocupações, ao chegar aos pontos de carregamento surge mais uma: O conector do posto é compatível com meu carro?

Antes de apresentar os tipos de plugues disponíveis, é necessário entender primeiro o tipo de corrente elétrica que cada estação de recarga fornece. Correntes elétricas são o movimento de elétrons através de um material condutor, que se movem a fim de equilibrar a diferença de potencial elétrico entre as extremidades.

Existem dois tipos de correntes elétricas: Correntes alternadas e correntes contínuas . Basicamente, o que define o tipo de corrente é a movimentação das partículas, na corrente contínua os elétrons se movem apenas em um sentido, enquanto na corrente alternada, o movimento é variável.

Nos carregadores DC a corrente já é convertida antes das “bombas” dos eletropostos
Divulgação

Nos carregadores DC a corrente já é convertida antes das “bombas” dos eletropostos

Existem os carregadores AC e DC (Corrente Alternada e Corrente Contínua, em inglês). O tipo mais comum é o AC, de corrente alternada. Esse tipo de corrente é mais fácil de ser transportado pela rede elétrica, por isso é o utilizado nas residências e na maioria dos eletropostos.

Ao conectar um carregador AC no seu carro elétrico o tempo de recarga será longo, pois a corrente alternada é convertida em corrente contínua dentro do próprio carro, que é o tipo utilizado pelas baterias.

Nos carregadores DC a corrente já é convertida antes das “bombas” dos eletropostos , e ao ser conectado no veículo a energia vai diretamente para as baterias, reduzindo assim o tempo gasto para recarregar o veículo.

Leia Também

Não há um consenso mundial sobre um padrão a ser adotado para carregar os veículos elétricos, cada continente tem um formato. Sobre cada um deles, a reportagem de iG Carros conversou com Tiago Garcia, youtuber e dono do canal “Meu Carro Elétrico”.

1 – J1772 e CCS1

O Padrão J1772 é regulamentado pela SAE (Sociedade de Engenheiros Automotivos) e busca simplificar os conectores de carregamento  de elétricos. Esse padrão é utilizado na América do Norte e Japão. A partir deste modelo nasceu o padrão CCS1 de carregamento em corrente contínua (DC), ambos são muito similares, mas o padrão para recarga rápida possui dois conectores extras, específicos para a corrente contínua.

2 – CHAdeMO

Apesar do padrão de recarga em corrente alternada japonês ser o mesmo do norte-americano, o sistema de carga rápida é diferente. O modelo é fabricado desde 2009 e foi pioneiro na eletrificação dos modelos japoneses, é utilizado somente no mercado asiático e alguns veículos como os modelos da Tesla que são importados vem com o adaptador.

3 – Mennekes e CCS2

O padrão europeu é o mais comum de ser encontrado no Brasil , já que muitos veículos elétricos disponíveis aqui são importados do Velho Continente. O padrão tem esse nome devido à empresa que o fabrica. Assim como no modelo norte-americano , a entrada de carregamento rápido é apenas uma adaptação da entrada comum, o que facilita na hora de realizar a recarga rápida.

4 – GB/T

O maior mercado de carros elétricos do mundo tem seu próprio padrão de carregamento. Além da China o padrão GB/T é utilizado também na Índia. É o modelo encontrado nos carros elétricos vendidos pela JAC no Brasil, mas a marca disponibiliza o adaptador que converte o europeu dos eletropostos para o chinês encontrado no veículo. Mas vale atenção: apesar de ter o mesmo nome para as versões de corrente contínua e alternada, os encaixes não são os mesmos.

5 – Tesla

O último padrão disponível é o desenvolvido pela fabricante estadunidense Tesla. O modelo da empresa de Elon Musk não diferencia corrente alternada de corrente contínua, o que fará a diferença da velocidade é o ponto de recarga. Os modelos da Tesla disponíveis no Brasil podem enfrentar dificuldades ao utilizar os postos de carga, por serem importados independentemente, o padrão encontrado no carro será o do país de origem do carro.

No Brasil o padrão mais comum é o mesmo utilizado na Europa, tanto para recargas de corrente alternada quanto de corrente contínua. Um padrão global de carregadores elétricos poderia facilitar a vida das montadoras que importam seus veículos elétricos ao redor do mundo e também dos compradores, que não precisariam ter mais dúvidas.

Fonte: IG CARROS

Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana