conecte-se conosco

  • banner_Lorenzetti_1250x250

Política Nacional

Chance de morte por Covid é maior em países com governos populistas

Publicado


source
Morte por Covid é mais provável em países com governos populistas
Reprodução/Flickr

Morte por Covid é mais provável em países com governos populistas

Governos ditos populistas como o de  Jair Bolsonaro no Brasil e Donald Trump nos Estados Unidos tiveram um desempenho pior do que o de outros países no enfrentamento à pandemia de Covid-19 em 2020 e levaram a mortes desnecessárias com políticas relativamente brandas, conclui uma pesquisa acadêmica divulgada nesta quinta-feira por um instituto alemão.

O excesso de mortalidade — o número de mortes além daquelas esperadas caso não houvesse a pandemia — em países governados por populistas foi mais do dobro do índice registrado por outros tipos de governo, de acordo com o estudo, conduzido por sete pesquisadores internacionais.

O excesso de mortalidade foi de 18% em países com líderes populistas e 8% em países sem líderes populistas.

Deste modo, para 100 mortes que eram esperadas em 2020, a pandemia de Covid-19 causou 8 mortes adicionais em países não populistas, e 18 mortes adicionais em países populistas. Em média, entre todos os países considerados, o excesso de mortalidade foi de 10% – em vez de 100 mortes, morreram 110 pessoas, 10 delas devido ao vírus.

“Os números são claros. Os populistas são os piores gestores de crise na pandemia de Covid-19 e responsáveis por muitas mortes evitáveis nos países que governam”, disse Michael Bayerlein, pesquisador do Instituto Kiel para a Economia Mundial que liderou a pesquisa.

A principal razão para a diferença foi que a “mobilidade cidadã” – medida criada usando dados do Google para rastrear o número de pessoas em lugares como supermercados e outros espaços públicos – também foi maior em países populistas. Segundo os autores, as pessoas de países com líderes populistas tiveram uma circulação duas vezes maior do que onde não há líderes populistas.

A equipe de autores identifica duas razões para a maior mobilidade. Em primeiro lugar, os governos populistas são menos propensos a adotar políticas impopulares e de longo prazo contra a propagação da pandemia, como restrições de contato.

Em segundo lugar, as estratégias de comunicação dos governos populistas também tiveram efeitos sobre a mortalidade. Quando os líderes minimizam a gravidade da pandemia e desacreditam as descobertas científicas, como o fizeram Bolsonaro,Trump e López Obrador, os cidadãos ficam menos inclinados a levar o vírus a sério e restringir sua circulação por iniciativa própria.

Leia Também

A pesquisa pesquisou a gestão da pandemia em 42 países membros dos Brics e da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Entre estes, os pesquisadores classificaram 11 governos como “populistas”. Além de Brasil e Estados Unidos, a lista incluía Reino Unido, Polônia, Eslováquia, República Tcheca, Hungria, Índia, México, Israel e Turquia.

O populismo é um conceito da Ciência Política para classificar práticas em que forças políticas reivindicam representar um “povo” homogêneo em contraposição a “elites”. O termo ganhou grande apelo desde a ascensão de Donald Trump e o Brexit, e pode ser aplicado a políticos de direita e de esquerda.


“Nosso estudo é o primeiro a provar que os populistas estão fazendo um mau trabalho no combate à pandemia de Covid-19, o que se reflete diretamente no número de mortos. A alta mortalidade excessiva deriva de uma mobilidade muito intensa, que, por sua vez, é causada por uma falta de restrições e por propaganda desacreditando a Covid-19”, disse Bayerlein.

O pesquisador diz que há “uma única boa notícia” no estudo – a existência de uma ligação clara entre mobilidade e número de mortos.

“Isso também significa que as pessoas podem se proteger limitando voluntariamente seus contatos durante a pandemia”, afirmou Bayerlein.

Comentários Facebook

Política Nacional

PT deve aprovar Alckmin como vice de Lula no próximo dia 14

Publicado

por


source
Geraldo Alckmin, ex-governador de São Paulo (esq.) e Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente da República (dir.)
Foto: Ricardo Stuckert – 05.04.2022

Geraldo Alckmin, ex-governador de São Paulo (esq.) e Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente da República (dir.)

A executiva nacional do PT definiu na noite desta quinta-feira o calendário dos trâmites partidários relativos à eleição presidencial deste ano. A aprovação da escolha do ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) para ser o vice do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deve ocorrer em reunião do diretório nacional no próximo dia 14.

Nesta sexta-feira, o PSB apresentará formalmente, em um encontro com a direção do PT em São Paulo, a indicação do ex-governador.

No dia 30, ocorrerá no Anhembi, em São Paulo, o lançamento da pré-candidatura. Na ocasião, será apresentada a frente de partidos que apoiará o petista, composta pela federação formada por PT, PCdoB e PV, pela federação que reúne PSOL e Rede, em coligação com PSB e o Solidariedade.

Lula quer simbolizar a amplitudade de sua candidatura no ato com as presenças do ex-tucano Alckmin e do líder sem teto Guilherme Boulos (PSOL), que desistiu de disputar o governo de São Paulo e será candidato a deputado federal.

Leia Também

A executiva do PT também marcou para 4 de junho o encontro partidário. Pela tradição petista, são nos encontros que as chapas são aprovadas. Porém, a corrente majoritária da sigla, a CNB, quer que o diretório nacional já faça uma primeira aprovação da chapa no dia 14.

Correntes minoritárias do PT se opõem à indicação de Alckmin para vice com o argumento de que os seus governos em São Paulo contrariaram bandeiras defendidas historicamente pelo partido, como os direitos humanos e a defesa dos professores. O grupo, porém, não deve ter votos suficientes para barrar a entrada do ex-governador na chapa.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.

Continue lendo

Política Nacional

Anitta vira alvo de bolsonaristas em ataques nas redes sociais

Publicado

por


source
Anitta
Reprodução/Instagram

Anitta

Lollapalooza e campanha de incentivo para que jovens tirem o título de eleitor: as manifestações da cantora Anitta nas redes sociais não tem agradado os apoiadores de Jair Bolsonaro.

Na quinta-feira, a deputada distrital Julia Lucy (NOVO) publicou um vídeo sobre a cantora nas redes sociais que causou polêmica. Na gravação, ela disse que a sexualização da mulher brasileira a “envergonha”. Este foi o episódio mais recente que gerou uma série de manifestações por parte dos apoiadores do presidente.

Em parceria com a consultoria BITES, o GLOBO apurou os ataques sofridos pela cantora desde 1° de dezembro do ano passado. Neste período, foram ao menos 458 mil menções que citam Anitta e o presidente. Só na bancada bolsonarista no Congresso, 22 deputados e senadores publicaram posts sobre a cantora.

Na ocasião, influenciadores como a atriz Maria Bopp tuitaram que o sucesso de Anitta seria apenas a primeira “alegria” dos brasileiros em 2022. O título na Copa e a derrota de Jair Bolsonaro nas urnas também apareceram nas listagens dos internautas.

Leia Também

Além disso, com a proibição das manifestações políticas no Lollapalooza, Anitta veio à público para dizer que pagaria a multa dos artistas que descumprissem a então decisão judicial, que, após polêmica, foi revogada. À época, os bolsonaristas reagiram. No dia 28, o pré-candidato à deputado estadual Jorge Rodrigues se manifestou e sugeriu a prisão da cantora.

No dia 10 de março, teve até uma troca de farpas entre Bolsonaro e Anitta, que também movimentou as redes. Na ocasião, o presidente opinou sobre o programa Big Brother Brasil, da TV Globo, e foi questionado pela cantora: “é presidente ou subcelebridade?”.

Apesar de março ter sido o mês em que a cantora carioca foi mais visada por bolsonaristas, os ataques não são de hoje. A artista já era motivo de piada entre os eleitores de Jair Bolsonaro. Em dezembro, o ex-secretário Nacional de Incentivo e Fomento à Cultura André Porciuncula chegou a dizer que, na próxima entrevista, usaria frases de Anitta. O intuito da fala era dizer que a artista era um exemplo de baixa cultura, além de atacar um outro veículo de comunicação.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.

Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana