conecte-se conosco



BemRural

CENOURA/CEPEA: Chuvas causam descartes e preço sobe mais de 10% no Cerrado Mineiro

Publicado

Cepea, 26/11/2018 – A combinação de chuvas volumosas com temperaturas elevadas em Minas Gerais nos últimos dias favoreceu a incidência de mela e nematoides nas cenouras do Cerrado Mineiro, levando a descartes de parte das raízes e reduzindo a oferta do produto. Além disso, as precipitações retardaram o ritmo da colheita desta safra, que já vem diminuindo em função da proximidade do fim. Assim, entre 19 e 23 de novembro, o preço da caixa com 29 kg de cenoura “suja” subiu 10,4% frente ao da semana anterior, para a média de R$ 17,00. Segundo colaboradores do Hortifruti/Cepea, o menor ritmo das atividades de campo pode adiar para janeiro o encerramento da safra de inverno, que é esperado para dezembro. Como no próximo mês as variedades de verão já começam a ser colhidas, deve haver uma sobreposição entre as duas temporadas. Além dos danos às raízes colhidas, colaboradores do Hortifruti/Cepea afirmam que a chuva excessiva também dificulta a germinação das sementes recém-cultivadas. Deste modo, o percentual de replantio aumentou bastante no Cerrado. Fonte: Cepea/Hortifruti – www.hfbrasil.org.br

Comentários Facebook
Leia mais:  UVA/CEPEA: Colheita se inicia com preços atrativos em Porto Feliz (SP)
publicidade

BemRural

Feira nos Emirados Árabes pode render US$ 20 milhões em novos negócios

Publicado

por

O Brasil participa pela segunda vez consecutiva com um pavilhão organizado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), com o apoio do Ministério das relações Exteriores (MRE) e da Câmara de Comércio Árabe Brasileira (CCAB), da 9ª edição da SIAL Middle East, uma das principais feiras de alimentos e bebidas do Oriente Médio. A ferira começou na segunda-feira (10), na cidade de Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos.

O Pavilhão Brasil, conta 108 m2 e tem toda a estrutura e serviços de apoio para 14 empresas brasileiras selecionadas a participar do evento. Carne bovina, frutas amazônicas, produtos apícolas, uva, manga, café, biscoitos, balas e confeitos são alguns dos produtos promovidos no evento. O estande brasileiro foi inaugurado pelo vice primeiro-ministro dos Emirados Árabes, Sheik Mansour Bin Zayed Al Nahyan, e pelo embaixador do Brasil em Abu Dhabi, Fernando Luís Lemos Igreja.

Pela primeira vez, o Brasil teve dois produtos selecionados a participar da SIAL Innovation, uma competição para alimentos premium, com a bebida de açaí, da ABN8 Trading e a Tapioca Express, da AE Negócios Internacionais. Esta última foi classificada como finalista e avaliada entre os oito melhores produtos da feira.

As estimativas para os primeiros dias do evento, segundo os expositores brasileiros, confirmam os números da edição passada de fechamento de negócios em torno de US$ 20 milhões.

Leia mais:  FRANGO/CEPEA: Carne se valoriza com aumento da procura

No ano passado, o evento reuniu mais de 20 mil visitantes de 90 nacionalidades, 950 expositores de 47 países e mais de 30 pavilhões nacionais. Os Emirados Árabes funcionam como um importante centro de distribuição para toda a região. Na última edição, de acordo com dados fornecidos pelos próprios expositores brasileiros presentes, a expectativa inicial em novos negócios para os 12 meses subsequentes à realização da feira foi estimada em mais de US$ 20 milhões.

Em outubro deste ano, o Mapa também participou da Agriscape, feira internacional voltado a investimentos agrícolas, em Abu Dhabi. Na oportunidade, foi apresentado um portfólio de projetos agrícolas brasileiros abertos a investidores estrangeiros. A missão feira pretende, paralelamente, também retomar os contatos feitos naquela ocasião.

 

Mais informações à ImprensaCoordenação Geral de Comunicação Social
[email protected]

Comentários Facebook
Continue lendo

BemRural

Sistema de poda e tutoramento aumenta produtividade do cacau

Publicado

por

Pesquisadores do Centro de Pesquisa do Cacau da Ceplac testam técnica de poda e tutoramento que aumenta o número de plantas por hectare e, consequentemente, a produtividade. Os pesquisadores obtiveram resultados favoráveis com o uso da técnica no cacaueiro, também conhecido como sistema candelabro pela aparência que a planta apresenta.

Este sistema de manejo, desenvolvido no semiárido da Bahia, permite o gerenciamento da planta buscando o equilíbrio entre a parte vegetativa e a parte frutífera da planta.

De acordo com os pesquisadores do centro, George Andrade Sodré e José Basílio Vieira Leite, este manejo tem se mostrado adequado para plantas de pequeno porte, com plantio com densidade acima de 1.600 plantas por hectare.

O cultivo candelabro, de acordo com os pesquisadores, apresenta potencial para a produção intensiva comercial de cacaueiros. Entretanto, necessita ser validado em áreas maiores e também precisa da realização de estudos de viabilidade econômica, definição de clores, mecanização da poda e outras práticas associadas ao uso do sistema.

Mais informações à ImprensaCoordenação Geral de Comunicação Social
Inez De Podestà
[email protected]

Comentários Facebook
Leia mais:  ALGODÃO/CEPEA: Com poucos agentes ativos no spot, Indicador oscila
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana