conecte-se conosco


Nacional

Cartaz com imagem da Virgem de Nazaré fica intacto mesmo após incêndio em Belém

Publicado

source
cartaz da Virgem de Nazaré arrow-options
Reprodução
Cartaz com imagem da Virgem de Nazaré fica intacto mesmo após incêndio


Fiéis da Virgem de Nazaré estão se sentindo abençoados depois de um cartaz que leva a imagem da Nossa Senhora permanecer intacto após um incêndio destruir o ônibus em que ele estava fixado, em Belém, capital do Pará. Muitos falam em milagre, mas o mistério ainda não foi solucionado.

Leia também:Estátua de Virgem Maria ‘chora’ azeite em igreja há 2 meses e choca americanos

O cartaz , que anúncia o Círio de Nazaré de 2018, estava pregado no veículo da linha Marituba/Almir Gabriel/Presidente Vargas, da empresa Auto Viária Paraense, que pegou fogo na última segunda-feira (12).

O fato foi amplamente divulgado pela Paróquia da Basílica de Nazaré. A Virgem é uma das santidades com mais devotos no Pará.

Leia também: “Cheguei a ministrar a extrema unção”, diz padre que viu milagre de Madre Teresa


Apesar do ônibus ficar todo destruído, não houve vítimas. A carcaça em que está pregado o cartaz com a Virgem de Nazaré foi colocado em frente da Basílica, em Belém.


Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Leia mais:  Ministros dançam com índios durante encontro sobre agricultura em Mato Grosso

Nacional

Rio de Janeiro foi estado com mais pessoas trans assassinadas no Brasil em 2018

Publicado

por

source
pessoa falando em microfone arrow-options
Divulgação
Matheusa foi uma das pessoas trans assassinadas no Rio de Janeiro em 2018

Em números absolutos, o Rio foi o estado que mais matou a população trans em 2018, com 16 assassinatos. Em segundo veio a Bahia, com 15 casos, seguido por São Paulo, com 14 registros; Ceará com 13 e, na quinta posição, o Pará, com 10.

Os dados da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra) constam no Dossiê dos Assassinatos e da Violência contra Travestis e Transexuais no Brasil, lançado em 2018.

Leia também: Escola é primeira dificuldade para inserção de pessoas trans no mercado 


O dossiê aponta que a vítima mais jovem, noticiada ano passado, tinha 17 anos; a mais velha, 49. O mapa mostra que 60,5% das vítimas tinham entre 17 e 29 anos; 29,1% aquelas entre 30 e 39 anos; e 10,5% entre 40 e 49 anos. O levantamento mostrou ainda que que 65% dos assassinatos foram direcionados aos profissionais do sexo, e 60% deles aconteceu nas ruas.

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Leia mais:  Apenas 19% das redes de estados e municípios investem o adequado em educação
Continue lendo

Nacional

Sequestrado e morto pelo próprio pai, menino é identificado por exame de DNA

Publicado

por

source
Menino arrow-options
Reprodução
Ao ser preso, homem confessou ter matado o filho de apenas um ano

Um exame de DNA confirmou que o corpo encontrado em uma rodovia da Bahia pertencia a Bernardo Osório, de 1 ano e 11 meses, que foi assassinado pelo próprio pai. A perícia foi realizada pelo Instituto de Pesquisa de DNA Forense do Distrito Federal (IPDNA) no sábado. Após a conclusão do inquérito, a Polícia Civil do Distrito Federal também confirmou que Paulo Roberto de Caldas Osório, funcionário do metrô do Distrito Federal, matou o filho dentro de sua casa, na Asa Sul, em 29 de novembro, mesma data em que o sequestrou.

Leia também: Cão com rabo na testa e uma girafa cinza: acredite, isso não é mutação

Paulo Roberto confessou o crime no último dia 2, quando foi encontrado pela polícia em rota de fuga, em um hotel de Alagoinhas (BA), e autuado em flagrante. Bernardo estava desaparecido desde o dia 29, sexta-feira, quando Paulo Roberto o sequestrou após buscá-lo na creche. No mesmo dia, dopou a criança com três comprimidos diluídos em suco de uva, segundo a confissão. Em seguida, o criminoso enviou para a mãe de Bernardo áudios e mensagens em que revelava ter desavenças com ela e a mãe dela.

“Sua mãe é arrogante, metida a besta, que acha que só porque tem dinheiro pode fazer e acontecer na vida dos outros. Eu falei desde o início pra você que, se você aprontasse comigo, na minha vida, a saia da sua mãe não ia te proteger”, disse ele em áudio obtido pela Polícia Civil. “Tomei ódio principalmente da sua mãe, das merdas que ela fez na minha vida. Vocês nunca mais vão ver o Bernardo “.

Leia mais:  Ministros dançam com índios durante encontro sobre agricultura em Mato Grosso

De acordo com o delegado responsável pelo caso, Leonardo Ritt, Paulo Roberto enfrentava “restrições” para se aproximar da criança , o que teria motivado o sequestro . O criminoso disse à polícia que não tinha a intenção inicial de matar o menino, mas de “assustar a mãe e a avó da criança”, e esperava que Bernardo apenas adormeceria.

Ele alegou também que já estava em viagem quando descobriu que Bernardo estava morto. No entanto, as investigações da Polícia Civil confirmaram que Paulo Roberto matou o menino em sua própria casa, em Brasília, antes partir em fuga para a Bahia. A polícia encontrou manchas na cama onde Paulo Roberto o teria posto para dormir.

Em depoimento, Paulo Roberto declarou que havia abandonado o corpo de Bernardo “na estrada” durante uma tempestade, após avistar um trecho de mato alto. A polícia encontrou um cadáver na zona rural de Palmeiras, na Chapada Diamantina (BA), a cerca de mil quilômetros do endereço de Paulo Roberto em Brasília. Ao identificar a cadeirinha e o colar de âmbar que o menino usava, os policiais recolheram o corpo, suspeitando que se tratava de Bernardo — embora Paulo Roberto tivesse trocado as roupas do menino com o intuito de despistar a polícia. Os primeiros exames, realizados na Bahia, foram inconclusivos, dado o avançado estado de decomposição do corpo. Os restos mortais foram enviados, então, para o Distrito Federal, onde foram reconhecidos por exame de DNA .

Leia mais:  Polícia encontra suposta arma utilizada para matar marido da deputada Flordelis

Paulo Roberto teve a prisão preventiva decretada no último dia 4, após audiência de custódia, e ficará na cadeia por tempo indeterminado. “Cuida-se de homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver, que o autuado teria cometido contra o próprio filho, criança de 1 ano e 11 meses de idade”, disse o juiz.

Leia também: Homem é morto a tiros pelo pai da ex-namorada após esfaqueá-la na frente dele


Quando tinha 18 anos, Paulo Roberto matou a própria mãe. Devido ao diagnóstico de esquizofrenia, ele foi considerado inimputável, e por isso foi internado na ala psiquiátrica do presídio de Papuda, em Brasília, onde ficou por dez anos. O crime aconteceu na mesma casa onde Bernardo foi morto, na 712 Sul, no Distrito Federal. Após a confissão de Paulo Roberto, a Justiça do DF resolveu desarquivar o caso.

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana