conecte-se conosco



Polícia

Briga em bar universitário acaba com dois feridos a golpe de canivete na Vila Alta

Publicado

Uma briga envolvendo dois casais, foi registrada em um bar universitário, na madrugada deste sábado (01), na Vila Alta em Tangará da Serra.

Os três feridos foram socorridos por terceiros.

A briga aconteceu em um bar na avenida Virgílio Favetti, próximo a uma Instituição Universitária, segundo informações de testemunhas, um desentendimento causado por ciúmes teria gerado a discussão, a princípio desencadeada por dois casais e devido a confusão, outros clientes acabaram se envolvendo e os seguranças, expulsaram do estabelecimento, os que causaram a briga.

Fora do bar, um dos suspeitos foi até o carro e sacou um canivete, desferindo golpes contra duas pessoas, que se defenderam com um capacete. Os três feridos, foram socorridos por terceiros, e levados até à UPA, um deles sofreu uma perfuração profunda com perda significativa de sangue, outro teve um corte no braço e a terceira vítima, escoriações.

O SAMU foi acionado, mas, quando chegaram ao local, as vítimas já haviam sido socorridas por populares.

Comentários Facebook
Leia mais:  Maquinário agrícola: Setor teme falta de recursos para financiamentos
publicidade

Polícia

Polícia Civil indicia nove de bando armado que comandavam invasões de terras em Jauru

Publicado

por

Assessoria | PJC-MT

A Polícia Judiciária Civil concluiu, nesta terça-feira (11.12), o inquérito policial que apurou  conflito agrário na zona rural de Jauru (425 km a Oeste), localidade conhecida por Areião”, fato ocorrido no dia 21 de fevereiro de 2018, que levou a expulsão de funcionários da fazenda Boa Vista, por um grupo de “grileiros” conhecidos por “Família  do Borginho”.

A investigação comandada pelo delegado regional de Pontes e Lacerda, Rafael Mendes Scatolon,  indiciou nove pessoas em crimes de associação criminosa armada em concurso material, extorsão majorada pelo emprego de arma de fogo e concurso de pessoas. O inquérito policial será entregue ao Fórum da Comarca de Jauru.

“Criminosos armados, mediante grave ameaça exercida com emprego de arma de fogo, que aproveitam por se tratar de local distante para ilegalmente explorar o meio ambiente. Eles dividem a área invadida em pequenos lotes. Após dominarem a área, realizam a derrubada da mata, passam a vender a área a terceiros de boa fé, caracterizando, assim, eventual crime de estelionato, pois alienam coisa alheia como se fosse própria, bem provável através de contratos fictícios, passando assim a realizar empréstimos em bancos”, explicou o delegado

Foram indiciados:  Juvenal Cassimir dos Santos (conhecido como Borginho), Iracema Emília dos Santos (esposa de Borginho),  Josielson Eliel dos Santos (filho de Borginho Iracema),  Jeremias Otoniel dos Santos (filho de Borginho e Iracema), Welison Antonio de Araújo, Arlindo Portilho Sobrinho, Adalto de Moraes, Valdenir Bezerra de Souza e Carlos Roberto do Nascimento Pela.

Leia mais:  Protesto contra possível pedágio na MT-358 será realizado nesta terça-feira

Todos respondem a vários processos criminais por esbulho possessório, porte de arma de fogo, ameaça, dentre outros.

Segundo a investigação, a organização armada está envolvida na prática de várias  invasões na mesma localidade, com procedimentos policiais instaurados após as comunicações na Delegacia da Polícia Civil, entre os anos de 2016, 2017 e 2018.

No caso de fevereiro de 2018, uma das vítimas contou que estava na sede da fazenda quando se aproximaram a pé cinco homens na posse de armas de fogo e foram obrigados a deixar a propriedade sob a alegação de que aquelas terras não pertenciam mais ao seu patrão. Outros posseiros/grileiros também acompanhavam o grupo armado, somando-se cerca de 15 homens armados com revólveres e espingardas. 

Os grileiros colocaram os trabalhadores na carroceria de uma caminhonete e os deixaram na cidade. Os funcionários foram ameaçados de morte caso retornasse à fazenda. Após a expulsão, os grileiros assumiram a posse da propriedade alheia.

Em outra invasão, em julho de 2017, uma das vítimas narrou que aproximadamente 20 pessoas fortemente armadas estavam na invasão de lotes de terras que ficam na mesma localidade conhecida por “Areião”. As vítimas foram retiradas da fazenda e deixadas na cidade de Vila Bela da Santíssima Trindade.

Em todas as ações criminosas, vítimas e testemunhas relataram invasões mediante ameaças pelo grupo de grileiros, determinando que deixem à área sob a alegação de que estão com a posse da área, sem apresentar documentação nenhuma.

Leia mais:  Maquinário agrícola: Setor teme falta de recursos para financiamentos

“A ousadia e afronta dos grileiros é tanta que no dia 27/07/2017 após ter realizado a invasão no ano passado, através de uma advogada, foi registrado ocorrência arrolando os perpetradores como vítimas, caracterizando, em tese, e a princípio delito de denunciação caluniosa, ocasião em que instaurei inquérito policial próprio para apurar o fato”, disse o delegado Rafael.

Operação Grillus

Durante a investigação, a Polícia Civil realizou operação “Grillus”, que apreendeu 10 armas de fogo e mais de 1.000 munições, confirmando o poderio bélico dos suspeitos.  

A operação intitulada “Grillus” foi deflagrada no dia 18 de março de 2018, com o objetivo de desarticular uma associação criminosa armada que agia na região (principalmente na zona rural de Jauru), amedrontando proprietários de terras e seus colaboradores.

A maior parte das denúncias vem da região conhecida como “Areião”, em Jauru. Segundo relatos, invasores (mediante emprego de arma de fogo e grave ameaça) liderados por Juvenal Cassimir dos Santos, conhecido como “Borginho” e seus familiares, expulsavam colaboradores dos proprietários sob o argumento de que as terras não lhes pertenciam. 

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Associação de policiais civis de Confresa é inaugurada

Publicado

por

Assessoria | PJC-MT
 

Após quatro anos de surgimento, foi inaugurada a sede da ASPOCRECO – Associação dos Policiais Civis da Regional de Confresa (1.160 km a Nordeste). O lançamento oficial aconteceu no mês de dezembro, durante festa de confraternização dos policiais civis de Confresa.

A ASPOCRECO foi fundada no dia 05 de dezembro de 2014 e constituída conforme prevê o Estatuto Social, com intuito de proporcionar aos companheiros de trabalho, momentos de descontração e confraternização, entre amigos e familiares. A principal pretensão do grupo é construir no imóvel onde funciona a Associação, quiosques individuais com churrasqueiras, piscinas, hotel de trânsito, entre outras melhorias.

O delegado regional de Confresa e presidente da ASPOCRECO, Marcos Aurélio Dia Leão, destacou a importância do momento de descontração e confraternização entre amigos de trabalho, amigos e familiares. “Estamos longo período exercendo o combate à criminalidade, que vem sendo empreendido com qualidade e eficiência, embora com todos os obstáculos que permeiam na região. Em meio a luta é preciso descanso e laser”, disse o presidente.

A ASPOCRECO é aberta à filiação de policiais federais e rodoviários federais, militares, bombeiros militares, peritos criminais e agentes penitenciários.

Um estande de tiro também foi montado junto com o Clube de Tiro e Caça Confresa, que funciona ao

lado, para uso e treinamento dos membros associados, cujos recursos necessários serão custeados pela própria associação.

Participaram da confraternização amigos e familiares dos policiais civis, policiais militares, bombeiros e peritos criminais da Gerência Regional da Politec.

 

Leia mais:  Policiais apreendem 28 explosivos na posse de assaltante em Rondonópolis

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana