conecte-se conosco

  • banner_Lorenzetti_1250x250

Saúde

Brasil chega a 100 milhões de pessoas completamente imunizadas

Publicado


source
Moradores de Duque de Caxias após flexibilização do uso de máscaras
Tomás Silva/Agência Brasil

Moradores de Duque de Caxias após flexibilização do uso de máscaras

O Brasil alcançou, nesta quarta-feira, a marca de 100 milhões de pessoas completamente imunizadas contra Covid-19 com dose única ou duas doses de vacina, segundo o Ministério da Saúde. O número representa 62,5% da população.

De acordo com dados da pasta, mais de 93% dos brasileiros já tomaram a primeira dose da vacina contra a doença. O marco foi anunciado pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, em seu perfil no Twitter.

Leia Também

O índice foi alcançando um dia depois de o presidente Jair Bolsonaro afirmar que não vai se vacinar contra a doença. Em entrevista à Rádio Jovem Pan, na terça-feira, Bolsonaro disse que “viu novos estudos” e decidiu não se vacinar.

“No tocante à vacina, eu decidi não tomar mais. Estou vendo novos estudos. A minha imunização está lá em cima. Para quê vou tomar a vacina? Seria a mesma coisa jogar na loteria R$ 10 para ganhar R$ 2. Não tem cabimento isso daí”, disse Bolsonaro.

A vacinação, segundo especialistas, é a principal estratégia contra a Covid-19. A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda a aplicação de imunizantes. Todas as vacinas disponíveis no Brasil passaram pelo crivo da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que analisou dados e ensaios clínicos relacionados aos imunizantes.

Atualmente, o Ministério da Saúde disponibiliza doses de quatro vacinas aos municípios brasileiros: AstraZeneca, produzida por laboratório de mesmo nome em parceria com a Fiocruz; CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac; a vacina da Pfizer; e a vacina da Janssen.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook

Saúde

Pfizer: Vacina é 91% eficaz em crianças de 5 a 11 anos

Publicado

por


source
Eficácia da Pfizer está sendo testada em crianças nos EUA
Reprodução: ACidade ON

Eficácia da Pfizer está sendo testada em crianças nos EUA

Um estudo publicado hoje pela Pfizer aponta que a vacina contra covid-19 da farmacêutica é segura em crianças de 5 a 11 anos, e apresentam cerca de 91% de eficácia nessa faixa etária.

Os Estados Unidos estão avaliando abrir a vacinação para esse público, e segundo a Associated Press, a aplicação pode começar já no próximo mês se o imunizante for aprovado pelas autoridades sanitárias.

O FDA, uma espécie de Anvisa do país, vai publicar seu parecer independente sobre os dados de segurança e eficácia da empresa no final do dia.

As evidências apresentadas pela Pfizer serão debatidos publicamente pelos consultores do FDA na próxima semana. Para manter as crianças na escola, a expectativa é de que a faixa etária de vacinação possa ser estendida – atualmente, maiores de 12 anos já podem se vacinar.

Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

Saúde

Surto de salmonela atinge 37 estados dos EUA

Publicado

por


source
EUA enfrentam surto de salmonela
Pixabay

EUA enfrentam surto de salmonela

Os Estados Unidos enfrentam um surto de salmonela em cerca de 37 estados. Segundo as autoridades federais de saúde, mais de 600 pessoas já adoeceram pela bactéria. A suspeita é de que as infecções estejam relacionadas a vários tipos de cebolas importadas.

“Dados epidemiológicos e de rastreamento mostram que uma fonte de infecções neste surto são cebolas roxas, brancas e amarelas importadas de Chihuahua, no México, e distribuídas nos Estados Unidos pela ProSource Inc”, informou o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC) em um comunicado.

Muitos dos infectados comeram cebolas em um mesmo restaurante, segundo entrevistas conduzidas pelo CDC. O número de pessoas e estados afetados pode ser maior que relatado.

Segundo a agência, “isso ocorre porque muitas pessoas se recuperam sem atenção médica e não são testadas para salmonela”.

Os sintomas da salmonela incluem diarreia com sangue, febre alta, vômitos e desidratação, que aparecem de seis horas a seis dias após a infecção. O CDC investiga se outras cebolas e fornecedores podem estar ligados ao surto.

Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana