conecte-se conosco


Economia

Bolsonaro deve herdar R$ 336 bilhões em investimentos já encaminhados por Temer

Publicado


Bolsonaro herdará cerca de R$ 336 bilhões em investimentos já encaminhados por Temer
Rogério Melo/PR/Agência Pública
Bolsonaro herdará cerca de R$ 336 bilhões em investimentos já encaminhados por Temer

O governo de Michel Temer (MDB) deverá deixar como herança ao presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), algo em torno de R$ 335,6 bilhões em investimentos já encaminhados, frutos de privatizações e concessões realizadas nos últimos anos, além de R$ 195 bilhões em fase de preparação.

Leia também: Orçamento do governo prevê novos concursos e contratação de até 40 mil em 2019


Os investimentos
deixados em fases avançadas para a próxima gestão foram detalhados em documento produzido pelo Ministério da Fazenda para que a transição e a futura equipe tenham tempo para fazer um balanço e planejar as ações futuras. As equipes, inclusive, orientam-se mutuamente e discutem formas de avançar em cada situação.

Parte do mercado financeiro entende que o governo Temer
teve intenções melhores do que sua atuação prática para concretizar privatizações e formas de reduzir as despesas do estado brasileiro, pilares da futura equipe econômica, encabeçada pelo ‘superministro’ Paulo Guedes
.

Entre os leilões concluídos na gestão Temer, estão concessões de exploração do petróleo, linhas de transmissão de energia, aeroportos, parte de rodovia, terminais portuários e outros. Grandes privatizações, como a da Eletrobras, por exemplo, não avançaram. 

A tendência é que entrega e aplicação das empresas e partes leiloadas aconteça na gestão do futuro presidente, que assumirá em 1º de janeiro, mesmo que o prazo de aplicação dos recursos seja longo, em alguns casos.

Leia mais:  Volume do comércio varejista fecha 2018 com alta de 2,3%

A relação entre o governo e órgãos como o Tribunal de Contas da União ( TCU
) e Ministério Público dificultou o processo de algumas privatizações e prolongou outros, segundo avaliam consultores do mercado. O desafio para a futura gestão será melhorar essas relações para conseguir aprovar em menos tempo os projetos pretendidos.

Além dos leilões já feitos, Temer deixará pronto um pacote de concessões a serem leiloadas logo no primeiro trimestre de 2019, que poderão injetar outros R$ 6,4 bilhões na economia brasileira. Compõem esse pacote 12 aeroportos, um trecho da Ferrovia Norte-Sul e quatro terminais portuários
.

O relatório elaborado pela Fazenda
à equipe de Bolsonaro inclui também uma vasta lista de ativos com projetos iniciados durante o atual governo. A Infraero e linhas de transmissão de energia estão nessa lista, por exemplo. Nem todos os programas têm valor de investimento previsto, ou seja, a herança de Temer a Bolsonaro pode variar positivamente.

É preparada, ainda, uma vasta relação de recomendações ao futuro governo para as áreas de infraestrutura e desestatizações. Entre as indicações, está citada a Eletrobras e a forma que o atual governo acredita ser a melhor forma de privatizá-la.

O documento que detalha os investimentos
encaminhados sugere que seja feito projeto para privatizar a empresa no mesmo modelo do proposto pela atual equipe do presidente emedebista: redução da participação da União para menos de 50%, com barreira para que nenhum acionista tenha mais de 10% do controle da Eletrobras. Bolsonaro, no entanto, já mostrou resistência à privatização da estatal de energia elétrica
.

Leia mais:  ODS 16: o acesso à justiça e a contribuição dos litigantes

Comentários Facebook
publicidade

Economia

Ex-ministro da Defesa Silva e Luna é nomeado diretor de Itaipu

Publicado

por

O ex-ministro da Defesa Joaquim Silva e Luna foi nomeado como novo diretor-geral brasileiro da Usina Hidrelétrica de Itaipu, no rio Paraná, na divisa entre o Brasil e Paraguai. A escolha foi publicada hoje (21) no Diário Oficial da União (DOU). O vice-almirante Anatalício Risden Júnior vai ocupar a diretoria financeira da usina. Os dois substituem Marcos Vitório Stamm e Mário Antônio Cecato, respectivamente. Os mandatos vão até 16 de maio de 2022.

Luna comandará a parte brasileira da usina hidrelétrica, que pertence ao Brasil e ao Paraguai, e terá, entre outros compromissos, iniciar as tratativas para a renegociação do Anexo C do Tratado de Itaipu. Assinado em 1973, o tratado prevê que em 2023 haverá revisão dos valores para a venda ao Brasil de parte da energia produzida a que o Paraguai tem direito. Tanto o Brasil quanto o Paraguai tem direito a 50% da energia produzida.


Grupo de trabalho

No último dia 13, o Ministério de Minas e Energia criou um grupo de trabalho para coordenar os estudos do processo de revisão do tratado da hidrelétrica binacional Itaipu. O GT tem 60 dias para apresentar um plano de trabalho com as etapas necessárias para conclusão dos estudos.

Entre outros pontos, a discussão sobre a revisão do Anexo C vai recair sobre o custo da tarifa e a possibilidade de permitir que a energia da usina seja vendida a qualquer comprador e não somente entre Brasil e Paraguai. Depois dessa data, nova revisão só ocorrerá em 2073

A energia vendida ao Brasil abastece clientes nas regiões Sul e Sudeste. Uma redução no volume ofertado ao Brasil ou o aumento no preço cobrado pela energia importada poderiam afetar a tarifa de energia elétrica no Brasil.

Leia mais:  Petrobras anuncia baixa no preço da gasolina nas refinarias após queda do dólar

A tarifa de Itaipu é calculada pelo custo, e um componente importante nessa conta é o pagamento da dívida – de aproximadamente US$ 27 bilhões – contraída para construção da usina. Esse financiamento, cujo pagamento equivale a cerca de dois terços da tarifa, estará totalmente amortizada em 2023.

Com um orçamento de US$ 3,5 bilhões, a usina de Itaipu Binacional é líder mundial na geração de energia limpa e renovável, com 20 unidades geradoras e 14 mil MW de potência instalada. Atualmente a usina responde por 17% do mercado brasileiro de eletricidade e 85% do consumo paraguaio.

O general da reserva Silva e Luna foi o primeiro militar a ocupar a chefia do Ministério da Defesa. Luna é doutor em Ciências Militares pela Escola de Comando e Estado-Maior do Exército

O novo diretor financeiro, vice-almirante Anatalício Risden Júnior, é mestre em Ciências Navais e doutor em Altos Estudos de Política e Estratégia – Marítimas. Desde 2015, é consultor da Fundação Getulio Vargas (FGV).

Edição: Fernando Fraga

Fonte: EBC
Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Entenda cálculo e regras de transição propostas pelo governo na nova Previdência

Publicado

por


O presidente Jair Bolsonaro entregou, ontem (20), a proposta de reforma da Previdência para Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados
Flickr / Palácio do Planalto
O presidente Jair Bolsonaro entregou, ontem (20), a proposta de reforma da Previdência para Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados


A Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 6/2019, também conhecida como nova Previdência, foi entregue na manhã desta quarta-feira (20) aos presidentes da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e do Senado Federal, Davi Alcolumbre, pelo presidente Jair Bolsonaro.

Leia também: Reforma da Previdência fixa idade mínima e eleva tempo de contribuição; entenda


A proposta é que a reforma da Previdência
 institua idades mínimas para a aposentadoria de 62 anos para mulheres e 65 anos para os homens, além de tornar obrigatório pelo menos 20 anos de contribuição. As mudanças valem tanto para trabalhadores do setor privado quanto para servidores públicos.

Se o projeto for aprovado, as novas regras passarão a valer para pessoas que estão ingressando agora no mercado de trabalho, que precisarão cumprir com as idades mínimas e tempo de contribuição. Quem já trabalha, no entanto, vai poder escolher entre as regras de transição
propostas pelo governo.

Em pronunciamento feito em rede nacional na noite de ontem (20), Bolsonaro
declarou que,  apesar das mudanças, os trabalhadores poderão contar com as regras de transição
“para que todos possam se adaptar ao novo modelo.” Ele também afirmou que os direitos adquiridos até agora, ou seja, as regras de aposentadoria
atuais “estão garantidas”, seja para quem já está aposentado ou para quem já completou os requisitos para se aposentar.

Para quem ainda não se aposentou ou está perto, entenda como vão ficar os cálculos da aposentadoria e como serão feitas as regras de transição:

Cálculo da Previdência


Em pronunciamento, Bolsonaro afirmou que direitos dos já aposentados estão garantidos pelas regras atuais  mesmo em caso de aprovação da nova Previdência
Reprodução/Palácio do Planalto
Em pronunciamento, Bolsonaro afirmou que direitos dos já aposentados estão garantidos pelas regras atuais mesmo em caso de aprovação da nova Previdência

Com a reforma, o benefício passa a ser calculado através do  tempo de contribuição
. Ao cumprir os pré-requisitos básicos para se aposentar (62 ou 65 anos, dependendo do sexo, aliado a 20 anos de contribuição) o trabalhador recebe 60% da aposentadoria, calculada em cima da média salarial que vai considerar todos os salários já recebidos pelo funcionário.

Leia mais:  PIB deve crescer menos que o esperado em 2019, estima mercado financeiro

Ou seja: quando conseguir idade mínima e tempo de contribuição, o valor da aposentadoria será de 60% da média salarial. A cada ano de contribuição que exceder os 20 anos obrigatórios, soma-se 2%.

Para se aposentar com 100% do salário, o trabalhador vai precisar  ter contribuído com 40 anos
de serviço. Se quiser alcançar mais de 100%, será preciso contribuir por mais de 40 anos.

Regras de transição: servidores privados x servidores públicos 


Ao lado de ministros, o presidente Jair Bolsonaro entregou a proposta de reforma da Previdência para Rodrigo Maia
Reprodução/ Twitter
Ao lado de ministros, o presidente Jair Bolsonaro entregou a proposta de reforma da Previdência para Rodrigo Maia


A nova Previdência
prevê três tipos diferentes de regras de transição para trabalhadores do setor privado, deixando a escolha de cada um a que achar mais vantajosa. Já para os servidores públicos, no entanto, a regra será unica.

Setor privado

1) Tempo de contribuição + idade mínima

Nesse caso, o período de transição até atingir os 62 e 65 anos vai durar 12 anos para mulheres e oito anos para os homens. Quando a reforma for aprovada (em 2019, por exemplo), as idades serão de 56 anos para elas e 61 para eles.

Assim, as idades mínimas sobrem 6 meses a cada um ano, acalçando 62 para as mulheres em 2031 e 65 para os homens em 2027. Confira:

  • 2019: 61 anos homens e 56 anos mulheres
  • 2020: 61,5 anos homens e 56,5 anos mulheres
  • 2021: 62 anos homens e 57 anos mulheres
  • 2022: 62,5 anos homens e 57,5 anos mulheres
  • 2023: 63 anos homens e 58 anos mulheres
  • 2024: 63,5 anos homens e 58,5 anos mulheres
  • 2025: 64 anos homens e 59 anos mulheres
  • 2026: 64,5 anos homens e 59,5 anos mulheres
  • 2027
    : 65 anos homens
    e 60 anos mulheres
  • 2028: 65 anos homens e 60,5 anos mulheres
  • 2029: 65 anos homens e 61 anos mulheres
  • 2030: 65 anos homens e 61,5 anos mulheres
  • 2031
    : 65 anos homens e  62 anos mulheres

Nesse caso, até alcançar as idades previstas, os homens precisarão de 35 anos de contribuição e as mulheres, 30, como é atualmente. Depois de atingidas as idades, em 2027 e 2031, o tempo de contribuição passa a ser 20 anos para ambos os sexos.

Leia também: “Os mais pobres estavam pagando pela Previdência dos mais ricos”, diz Guedes

Leia mais:  Leilões de concessão de aeroportos renderão R$ 3,5 bi, diz Bolsonaro

Tempo de contribuição + pedágio

Esta opção prevista na reforma da Previdência
só pode ser escolhida pror quem está a apenas dois anos ou menos para se aposentar .
Nela
o trabalhador não precisa ter idade mínima, e sim apenas tempo de contribuição de 35 anos para homens ou 30 para mulheres.

Nesse caso, no entanto, o trabalhador precisa pagar um pedágio de 50% sobre o tempo que falta para se aposentar. Por exemplo: se falta um ano, ele deverá trabalhar seis meses adicionais. Se faltam dois anos, um ano adicional. 

Pontos (Tempo de contribuição + idade mínima)

Essa regra é parecida com a atual fórmula de pontos, a 86/96. Aqui, o trabalhador precisa atingir uma determinada pontuação que resulta da soma de sua idade mais otempo de contribuição que ele possui.

Atualmente, a pontuação em vigor é de 96 pontos para homens e 86 para mulheres. Com a reforma, esse número vai aumentar um ponto a partir da aprovação do projeto, até chegar em 105 pontos para homens em 2028 e 100 pontos para as mulheres em 2033. Entenda:

  • 2019: 96 pontos para homens e 86 para mulheres
  • 2020: 97 pontos para homens e 87 para mulheres
  • 2021: 
    98 pontos para homens e 88 para mulhere
  • 2022: 99 pontos para homens e 89 para mulheres
  • 2023: 100 pontos para homens e 90 para mulheres
  • 2024 101 pontos para homens e 91 para mulheres
  • 2025: 102 pontos para homens e 92 para mulheres
  • 2026: 103 pontos para homens e 93 para mulheres
  • 2027: 104 pontos para homens e 94 para mulheres
  • 2028
    105 pontos para homens
    e 95 para mulheres
  • 2029: 105 pontos para homens e 96 para mulheres
  • 2030: 105 pontos para homens e 97 para mulheres
  • 2031: 105 pontos para homens e 98 para mulheres
  • 2032: 105 pontos para homens e 99 para mulheres
  • 2033
    : 105 pontos para homens e 100 para mulheres

Setor público

Apesar de ficarem com a mesma idade mínima proposta para os trabalhadores do setor privado (65 anos para homens e 62 para mulheres), o tempo de contribuição para servidores públicos é maior, de 35 anos para homens e 30 para mulheres.

A porposta para os trabalhadores públicos é similiar a do sistema de pontos. Somando tempo de contribuição mais idade mínima, eles devem começar em 96 pontos e elas, 86. O número precisa subir gradativamente, aumentando um ponto em cada ano, com transição de nove anos para homens e 14 anos para mulheres.

Leia também:  Bolsonaro fala de Previdência mais exigente, mas “justa e sem privilégios”

Assim, com a nova Previdência, as mulheres do setor público também poderão se aposentar atingindo 100 pontos e os homens com 105 pontos.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana