conecte-se conosco


Economia

“Bolsa Família para em setembro” sem crédito suplementar, diz Guedes

Publicado


ministro da Economia, Paulo Guedes
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Segundo Guedes, R$ 6 bilhões em verbas do crédito suplementar serão destinadas ao Bolsa Família


O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta terça-feira (14) que o Bolsa Família só terá recursos para funcionar até setembro caso o Congresso Nacional não aprove o crédito suplementar de R$ 248 bilhões pedidos pelo governo para este ano.

Leia também: Guedes indica redução do PIB para 1,5% e dispara: “Estamos no fundo do poço”

“Se o Congresso não aprovar, o Bolsa Família para em setembro”, declarou o ministro em discurso em uma audiência na Comissão Mista de Orçamento (CMO).  Guedes
afirmou, ainda, que sem o crédito solicitado, outros programas, como o Benefício de Prestação Continuada (BPC) e o Plano Safra, também ficariam sem verba para funcionar neste ano.

Segundo o ministro, desses R$ 248 bilhões pedidos, R$ 6 bilhões são destinados ao programa de transferência de renda, o Bolsa Família.
A maior parte desse valor, no entanto (R$ 200 bilhões) é dedicada ao pagamento de aposentadorias
.

Leia também: Guedes explica corte de gastos e condiciona reajuste do mínimo às reformas


Apesar do apelo, Guedes disse estar confiante na aprovação do crédito
. “Evidente que isso não vai acontecer, aposto que o Congresso vai aprovar o crédito suplementar”, ressaltou. 

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Leia mais:  Trump aceita suspender por três meses aumento de tarifas a produtos da China
publicidade

Economia

Grãos: soja fica mais cara e arroz tem queda no preço nesta quarta-feira

Publicado

por

source
soja arrow-options
Divulgação/Ministério da Agricultura
A saca de 60 quilos da teve alta de 0,51% no Paraná e é comercializado a R$ 79,26

A saca de 60 quilos da soja começou a quarta-feira (21) com alta de 0,51% no Paraná, onde grão é vendido a R$ 79,26. Na cidade de Bebedouro, em São Paulo, o produto é comercializado a R$ 88,50. Enquanto em Dourados, no Mato Grosso do Sul a mercadoria é vendida a R$ 77,50, a cidade goiana de Rio Verde negocia a soja a R$ 78,50.

Leia também: Possível redução na taxa de juros internacional faz dólar abrir o dia em queda

Já a saca de 50 quilos do arroz vendido do Rio Grande do Sul teve redução de 0,18% no preço. O produto em terras gaúchas é negociado a R$ 43,60. Enquanto isso, o valor do açúcar registra aumento de 0,07% na cidade de São Paulo e chega a R$ 60,29.


No mercado financeiro, o preço da saca de 60 quilos do milho teve alta de 0,33% e é negociada a R$ 36,40. Em Campinas, em São Paulo, o produto registrou baixa de 0,20% no valor e a saca é comercializada a R$ 35,71. Em Cascavel, no Paraná, o preço é R$ 33. Em Rondonópolis, no Mato Grosso, o produto é vendido a R$ 29. Em Barreiras, na Bahia, o preço à vista é R$ 31. Os valores são do Canal Rural e Cepea.

Leia mais:  IBGE exonera Cláudio Crespo, diretor responsável pelo Censo

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Possível redução na taxa de juros internacional faz dólar abrir o dia em queda

Publicado

por

source

dólar  comercial mantém a tendência da véspera e opera em queda nesta quarta-feira (21). A moeda americana registra variação negativa de 0,8%, valendo R$ 4,018. O que contribui para este cenário, do lado internacional, é a expectativa de que as autoridades monetárias das principais economias reduzirão taxas de juros. Internamente, os investidores aguardam o leilão de dólar à vista no mercado, feito pelo Banco Central (BC).

dólar arrow-options
MARCELLO CASAL JR./AGÊNCIA BRASIL
Dólar em queda é cotado a R$ 4,018 nesta quarta-feira

Leia também: Minirreforma trabalhista: Senado vota MP da liberdade econômica nesta quarta

Em meio a um cenário de possível desaceleração da atividade econômica global, o mercado aguarda as sinalizações dos Bancos Centrais a respeito da flexibilização da política monetária. Ainda na cena externa, segue no radar as negociações entre China e Estados Unidos a respeito da guerra comercial que se arrasta há mais de um ano.

Na agenda doméstica, dois fatos ligados à agenda econômica deixam os investidores com expectativas positivas. O BC passará a vender dólar das reservas cambiais à vista no mercado pela primeira vez em mais de 10 anos. Entre esta quarta e o dia 29 de de agosto, a autoridade monetária irá rolar contratos de swap que vencem em 1º de outubro, no total de US$ 3,844 bilhões, com um mecanismo novo.

A medida faz parte da Agenda BC#, que tem entre seus objetivos “aprimorar o uso dos instrumentos disponíveis para a atuação no mercado de câmbio” e não teve como objetivo de conter a volatilidade da moeda americana verificada nesta quarta-feira.

Leia mais:  Teresa Cristina quer aumentar parcerias com países árabes

Soma-se à medida do BC o possível anúncio que o ministro da Economia Paulo Guedes deve fazer ainda nesta quarta. Na véspera, o ministro disse que revelaria 17 empresas que seriam privatizadas. Segundo Guedes, “tem gente grande que acha que não vai entrar (na lista), mas que vai entrar sim na faca”.

Leia também: “Não vamos subir o teto de gastos. Vamos é quebrar o piso”, diz Paulo Guedes


Na Ásia, os índices acionários chineses tiveram pouca movimentação enquanto o mercado aguarda pistas de autoridades no país e no exterior nesta semana sobre mais suporte ao crescimento em meio à guerra comercial com os Estados Unidos. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, fechou com queda de 0,16%. Em Tóquio (Japão), o índice Nikkei recuou 0,28%.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana