conecte-se conosco


Economia

Bolsa de Londres proíbe corretores de trabalharem bêbados

Publicado

Um pregão movido a álcool? Assim funcionava a Bolsa de Metais da capital britânica, onde os corretores podiam beber antes de fazer seu trading. Na tentativa de acabar com essa cultura a Bolsa resolveu proibi-los de trabalhar sob a influência etílica, de acordo com a CNN .

Leia também: Marca histórica dos 100 mil pontos na Bolsa depende da Previdência

Londres
Divulgação
Londres

De acordo com a reportagem, os corretores não poderão mais tomar drinques antes de fazer negócios na Bolsa , cujo pregão , conhecido como Ring (anel ou círculo, em inglês) é o último naquele estilo tradicional em que se veem corretores aos gritos durante as operações. Agora, pelo visto, a sobriedade ganhou cotação bem maior do que a bebedeira.

Leia também: Passo a passo para estrear na Bolsa

A própria organização avisou que vai fiscalizar os trabalhadores para garantir um comportamento apropriado. Em abril, ela havia publicado um código de conduta coibindo assédio e comportamentos “ameaçadores ou humilhantes”.

Leia também: Bovespa: a história da bolsa de valores de SP e do mercado acionário brasileiro


A Bolsa não está sozinha em sua cruzada contra o álcool. O Lloyd´s, conhecida corretora de seguros de Londres, já informou em abril que barraria a entrada em sua sede de pessoas ou corretores que julgasse estar bêbada.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Leia mais:  LIMPA NOME: OAB-MT alerta sobre práticas vedadas à advocacia
publicidade

Economia

Comissão especial retoma debate sobre reforma da Previdência nesta quarta

Publicado

por

Comissão reforma
MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL
Primeiro dia de discussões durou mais de 12h, com a participação de 63 deputados discursando

A Comissão Especial da  Reforma da Previdência na Câmara dos Deputados retoma nesta quarta-feira  (19) as discussões sobre o parecer do deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), apresentado na semana passada. Em uma sessão que se estendeu por 12 horas, 63 deputados já debateram a proposta na comissão.

Leia também: Mário Bonsaglia encabeça lista tríplice para a PGR; Bolsonaro escolherá indicado

Ao todo, 155 deputados estão inscritos para falar, 92 contrários e 63 a favor. Muitos deputados favoráveis abriram mão de falar para reduzir o tempo do debate, que pode durar cerca de três dias. A expectativa do presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), é que o texto da reforma seja votado na comissão especial na próxima quarta-feira (26). No entanto, na avaliação de Samuel Moreira, a votação ainda pode demorar.

No primeiro dia de discussões, o deputado Samuel Moreira admitiu que pode apresentar um voto complementar com mudanças na proposta, após o fim dos debates. Ele disse que as discussões servem de base para ajustes no relatório .

“Há possibilidade de o relator fazer um voto complementar após as discussões. Eu nunca tive a pretensão de que o relatório fosse um decreto. Ele está sujeito a alterações. Estou aqui para ouvir, para melhorar ainda mais o relatório”, disse. Cinco partidos de oposição (PDT, PSB, PT, Psol e PCdoB) já anunciaram uma atuação conjunta contra a reforma , como obstrução na votação do texto e apresentação de destaques para alterar diversos pontos da proposta.

Leia mais:  Consumo de energia elétrica cresce 4,6% em fevereiro

Em documento divulgado, os partidos consideram que tanto a reforma da Previdência encaminhada pelo governo quanto o relatório apresentado pelo deputado Samuel Moreira (PSDB-SP) atacam direitos dos mais pobres.

“Consideramos, portanto, que a proposta apresentada pelo relator da Comissão Especial, deputado Samuel Moreira (PSDB/SP), continua transferindo para os mais pobres e os para trabalhadores o ônus da crise econômica e os problemas do sistema de Previdência, que devem ser enfrentados com combate a privilégios, retomada da atividade econômica e realização de uma profunda reforma tributária”, diz o documento.


Leia também: Senadores derrubam decreto das armas de Bolsonaro com 47 votos

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

INSS: Bolsonaro afirma que país se acostumou com a fraude

Publicado

por

Agêcia do INSS (fachada)
Sérgio Moraes/AGU
Bolsonaro sanciona lei para passar pente-fino nas irregularidades em recebimento de benefícios do INSS. “Sonegar o INSS é, sobretudo, roubar os mais pobres”, afirmou o presidente


Ao sancionar, nesta terça-feira, a lei que permite a realização de um pente-fino nos benefícios do INSS , o presidente Jair Bolsonaro afirmou que a sociedade brasileira acabou se acostumando com a fraude em várias frentes. Ele citou como exemplos de áreas onde existem irregularidades o Benefício de Prestação Continuada ( BPC ), pago a idosos e deficientes de baixa renda, e o Bolsa Família .

“No BPC tem fraude, no Bolsa Família tem fraude, lamentavelmente é um país que se acostumou com a fraude. Estamos buscando um ponto de inflexão para mostrar para a população que uma das primeiras ações nossas é combater a fraude e não aumentar imposto”, afirmou Bolsonaro

Resultado de uma medida provisória editada em fevereiro deste ano, como primeiro ato do governo para reformar o sistema previdenciário brasileiro, a nova legislação prevê um pente-fino na revisão dos benefícios, com a criação de uma força-tarefa para avaliar 3 milhões de processos com indícios de irregularidades e o pagamento de bônus por produtividade aos servidores do INSS, incluindo médicos peritos.

A lei cria duas ferramentas. Uma delas é o Programa Especial para Análise de Benefícios com Indícios de Irregularidade. A ideia é analisar, até o fim de 2020, suspeitas de práticas ilegais e gastos desnecessários e indevidos na concessão de benefícios.

Leia mais:  Consumo de energia elétrica cresce 4,6% em fevereiro

Foi criado, ainda, o Programa de Benefícios por Incapacidade, também com duração prevista até o fim de 2020. O foco são os benefícios por incapacidade pagos sem a realização de perícias, especialmente aqueles que não são revistos há mais de seis meses.

Os dois programas poderão ser prorrogados até 31 de dezembro de 2022. No Programa Especial, o valor do bônus será de R$ 57,50. Já no Programa para Análise de Benefícios por Incapacidade, o valor ficará em R$ 61,72.

“Sonegar o INSS é, sobretudo, roubar os mais pobres. Esse governo começa a restabelecer a integridade que existe no sistema previdenciário, pois 71 milhões de brasileiros são beneficiários desse sistema”, afirmou Bolsonaro.

Já o presidente do INSS, Renato Vieira, informou que, a partir desta quarta-feira, 47 serviços do órgão estarão disponíveis para solicitação pela internet ou pelo aplicativo MEU INSS.

Entre os benefícios que poderão ser solicitados e concedidos automaticamente estão aposentadoria (por tempo de contribuição e por idade), pensão por morte e BPC.


“Em julho, 90 serviços estão disponíveis para o cidadão na internet. Não será preciso mais sair de casa”, explicou Vieira.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana