conecte-se conosco


Saúde

“Bastava ter mantido a paciente aqui, onde ela estava internada. Há leitos”, rebate o prefeito em rede social

Publicado

Como de praxe, o prefeito Fábio Martins Junqueira (MDB) tem usado a rede social, para esclarecer e justificar as ações executadas pela Secretaria de Saúde, em combate ao coronavírus em Tangará da Serra.

Prefeito se posiciona em rede social sobre o não uso de UTIs do Hospital Municipal. Imagem/Reprodução Facebook

Em uma postagem na página dele, no Facebook, na tarde deste sábado (30) Junqueira, após divulgar o boletim diário, com a confirmação de dois novos casos da doença no município, foi questionado por seguidores, sobre a situação dos leitos de UTI, considerando os casos de internação, regulados para hospital de Cuiabá. Rebatendo a crítica de uma seguidora, ao mencionar preocupação pelo tempo necessário até o encaminhamento do paciente a Capital, o prefeito, disse: “Bastava ter mantido a paciente onde ela estava internada. Há os leitos. Todos com oxigênio. Há respiradores. E se precisasse de UTI, era a hora de por para funcionar. Contratei médicos, enfermeiras, técnicos e temos nossos médicos e enfermeiros do quadro que estão no hospital”, salienta.

Ainda, em debate com os internautas, ressaltou que muitos profissionais teriam sido contaminados em um hospital particular e que uma paciente da unidade privada, e outra da Unimed, foram encaminhadas à Cuiabá, por decisão médica. “Um paciente da UNIMED, foi regulada para o Santa Rosa (hospital) em Cuiabá e uma outra foi encaminhada por decisão de médico do Hospital Santa Ângela, mas que poderia ter sido atendida no hospital municipal. O Hospital Santa Ângela, recebeu notificação para sanitinizar, pois muitos profissionais da UTI do hospital foram considerados positivos e como também, atuam no hospital municipal, foram isolados e por isso, decidiram ‘enviar’ para Cuiabá”, defende.

Imagem/ Reprodução Facebook

Em visita na última sexta (29) ao Hospital Municipal Arlete Daisy Cichetti de Brito, os vereadores Wilson Verta (PSDB), Vagner Constantino (PSDB), e Claudinho Frare (Republicanos), constaram que a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) não está em operação por falta de equipe.

“As UTIs, do hospital foram instaladas, porém, os respiradores fixos, faltam umas válvulas para chegar, mas não compromete o atendimento por ter respiradores móveis, o problema é que não tem equipe. O prefeito não contratou as equipes com médico, fisioterapeuta, enfermeiros, técnicos de enfermagem, e de limpeza. Então, essas equipes de plantão ainda não foram formadas, e se tiver que internar alguém ali hoje, tem que mandar pra Cuiabá, não há equipe para prestar suporte aos pacientes, essa é a nossa realidade hoje. Não adianta estar pronto, estar equipado, se a UTI não vai atender ninguém, por não ter equipe contratada, precisamos urgente que o Fábio contrate equipes. O hospital não está apto para esse atendimento. Nós apuramos a situação, após protocolarmos requerimento na prefeitura, e não recebermos resposta da administração municipal. Por isso, fomos até o local e levantamos a real situação, apesar dos funcionários terem receio de retaliação por parte da administração”, destaca o vereador Vagner Constantino.

Diante da situação, o grupo de vereadores protocolou no Ministério Público, um inquérito, denunciando o problema. O documento, foi elaborado, após as fiscalizações feitas, nas unidades e através de denúncia de pacientes e acompanhantes.

Quanto a denúncia apresentada, os órgãos de imprensa, têm buscado insistentemente um parecer técnico da secretaria de Saúde e Vigilância Epidemiológica, para esclarecer à comunidade, o impasse, porém, a única ferramenta utilizada pela atual gestão, para se comunicar com a sociedade é a rede social do prefeito Fábio Martins Junqueira, limitando o acesso a informação e restringindo o público do direito de escolha, por meio de outros mídias, além dos veículos ligados ao próprio gestor municipal.

 

Comentários Facebook

Saúde

CORONAVÍRUS: suspensão do funcionamento de mercados e padarias inicia neste domingo (05) em Tangará

Publicado

A Prefeitura decretou, no dia 27 de junho, novas medidas de funcionamento de estabelecimentos do ramo alimentício em Tangará da Serra.

De acordo com o decreto nº 277, o atendimento ao público deve ser de segunda à sábado, e suspende o funcionamento aos domingos de supermercados, padarias, revendedores de gás e água, e outros comércios similares. Com a medida fica determinado que os estabelecimentos estarão fechados pelos próximos dois domingos, dias 05 e 12 de julho.

A suspensão no atendimento e determinação de um novo toque de recolher que impede a movimentação aos domingos, ocorre por decisão do Comitê Interinstitucional de Prevenção e Monitoramento ao Coronavírus para conter o avanço da doença no município. A medida é válida até 15 de julho e em caso de descumprimento, serão aplicadas as penalidades civis, administrativas e penais cabíveis.

 

 

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Filmes e séries podem afetar sua saúde mental: saiba como fazer a melhor escolha

Publicado

por


source
mulher come pipoca com controle da TV na mão
Pixabay

Séries e filmes podem ser aliados para desestressar, mas também pode agravar a saúde mental


Os filmes e séries já eram considerados grandes aliados para ajudar no relaxamento e na distração no dia a dia. Esse papel se intensificou ainda mais depois do início da pandemia do novo coronavírus . Sem conseguir sair de casa, a maioria das pessoas viu nos streamings um apoio contra o tédio e para manter a saúde mental estabilizada.


Já que grande parte da população está isolada e não pode sair de casa, é preciso escolher bem quais conteúdos serão consumidos, já que o distanciamento social aumentou os níveis de estresse , solidão, angústia e tristeza; além do medo constante.

Essa orientação é redobrada principalmente para pessoas que possuem transtornos como depressão, ansiedade generalizada e transtornos de bipolaridade.

Nessas condições mais frágeis, dar play no conteúdo errado pode acentuar esses sentimentos, desenvolvendo síndrome do pânico, depressão e levando o indivíduo até mesmo ao suicídio.

Segundo a psicóloga Marilene Kehdi, o melhor é não estimular essas emoções e “pegar o caminho contrário”. “Medos em níveis altos paralisa, adoece. Na hora de escolher o filme, é preciso espantar a tristeza e diminuir a angústia”, explica.

Busca de resposta

Quando a situação da pandemia do novo coronavírus começou a agravar, diversas pessoas no mundo todo revisitaram o longa ‘ Contágio ’ (2011). Lançado após a pandemia da Influenza A (H1N1), o filme retrata a história de um novo vírus, surgido na China, que é altamente letal se espalha rapidamente pelo mundo.

Muitos espectadores se assustaram com a similaridade dos fatos que o mundo vive atualmente, e começaram a especular que o filme previu o novo coronavírus .



Mesmo que considerado assustador por refletir o medo real da sociedade de 2020, Kehdi explica que a razão para que seja tão assistido é “a busca pela cura”.

“As pessoas buscam luz nesses conteúdos que refletem a atual realidade para buscar uma resposta, para entender como o personagens saíram daquela situação e entender se aquilo é replicável no mundo real”, explica a psicóloga.

“Estamos todos esperando por uma vacina, uma medicação que trate a doença. Se aparece um filme, um livro ou um série que aborde um conteúdo semelhante, muitas pessoas vão querer saber o desfecho”, acrescenta.

Está tudo bem se ficar triste (mas não o tempo todo)

Mesmo lançado em outubro de 2019, ” Milagre da Cela 7 ” ganhou notoriedade quando ficou disponível em um serviço de streaming – e chamou a atenção por seu alto potencial de fazer chorar.


Segundo Kehdi, algumas pessoas podem precisar experimentar um sentimento de catarse. É saudável assistir filmes para motivar o choro, mas é preciso saber até quando isso é válido, já que pode trazer danos à saúde mental .

“Dependendo do conteúdo o filme vai impactar demais, mas de forma negativa, acentuando os sintomas de pessoas que já estão sofrendo”, justifica. “Algumas pessoas não dão conta e podem precisar de ajuda médica”, continua.

Gatilhos

Kehdi afirma que é sempre bom priorizar conteúdos que cultivem sentimentos contrários aos ruins. “Despertar boas emoções: é isso que as pessoas têm que fazer neste momento para não alimentar a situação”, diz. Talvez o momento peça mais pelo filme confortável, com trama simple e que te faça rir.

Mais que isso, uma prática que pessoas fragilizadas podem adotar é pesquisar como aquele filme está sendo recebido (evitando os spoilers, é claro). Ler a sinopse também ajuda.

“Reflita se aquilo vai beneficiar ou não a sua saúde mental. Se a pessoa entender que está fragilizada e que aquele conteúdo vai proporcionar gatilhos emocionais , é melhor buscar outras alternativas”, diz a psicóloga.

Se você se identifica com esses sentimentos ou conhece alguém que pode precisar de apoio emocional, procure o Centro de Valorização a Vida (CVV),  acessando o site ou ligando 188, ou busque um profissional de saúde.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana