conecte-se conosco


Política MT

Bairro Jardim Imperial, em Cuiabá, recebe curso de pintura em pano de prato

Publicado

Foto: KAREN MALAGOLI / ALMT Foto: KAREN MALAGOLI / ALMT Foto: KAREN MALAGOLI / ALMT

Tinta, tecido, pano de prato e muita disposição. Com essas matérias-primas, 18 moradores da região do bairro Jardim Imperial, em Cuiabá, dentre os quais uma família inteira, concluíram o curso de Pintura em Pano de Prato oferecido por um mês pela Assembleia Social (antiga Sala da Mulher da Assembleia Legislativa de Mato Grosso). O encontro de encerramento ocorreu na terça-feira (30).

Em momento de descontração, os alunos comentavam o avanço no aprendizado, especialmente porque jamais haviam se proposto a fazer pintura. E houve cajus, maçãs, peras, corujas, com cores e sombras, representados ali no pano.

Os objetivos do curso oferecido pela Assembleia Social (AS) são, além de oferecer possibilidade de contribuir com a renda das famílias de comunidades periféricas, permitir a convivência entre os participantes e uma atividade saudável. “É complementação de renda, mas é também socialização, é se descobrir na pintura”, avalia a diretora da AS, Daniella Paula Oliveira.

Izabel Andrade da Silva se surpreendeu com a descoberta de seu talento. “Amei o curso, a convivência, as conversas, as brincadeiras. Fiz para ocupar o tempo e gostaria de fazer outras coisas, como desenho de roupas”.

O curso foi oferecido na varanda da casa de Suelly Eufrásia da Silva, conhecida na comunidade por trabalhar por anos na unidade de saúde da região (e se aposentar recentemente). “Ninguém tinha pintado ainda, mas ficou parecendo de profissional”, vangloriou orgulhosa, se referindo aos trabalhos dos colegas.

Leia mais:  Parlamentar defende manutenção de serviços de assistência técnica e extensão rural

Dona Suelly conhecia integrantes do gabinete do deputado Carlos Avallone (PSDB) e solicitou algum curso para a comunidade. A equipe do Avallone encaminhou o pedido para a Assembleia Social, que averiguou a necessidade local. “O legal é entrar em algo que você vai plantar coisas boas”, refletiu a anfitriã.  “É de uma beleza muito grande abrir a própria casa para receber o projeto, receber as pessoas”, enaltece e agradece Daniella Paula à dona Suelly.

“A cada curso, a gente vem com frio na barriga por não saber a surpresa que vem o resultado. Desta vez, me surpreendi com a turma. Primeiro porque participou uma família inteira, segundo pela capacidade de todos, muitos têm habilidade para se aprimorar na pintura”, comentou a parceira de sempre da Assembleia Social, Daniela Cunha Crescêncio (a professora e artista plástica Dani Xu), que já ofereceu incontáveis cursos de pintura pelo braço social da ALMT.

Alexandra Luíza Gonçalves Ferreira, de 14 anos, queria participar do curso, mas pediu a companhia da mãe, Luciana Ferreira da Silva. Por sua vez, Luciana arrastou o marido e a filha de nove anos e todos se aventuraram na pintura. A mãe ficou muito impressionada com o resultado e declarou: “Não tenho coragem de vender, vou levar para casa e decorar”. O momento em família foi memorável! “Não faltamos a nenhum dia de aula, foi muito divertido e a professora é um amor”, enaltece.


Diante dos pedidos de novos cursos na comunidade, a diretora da Assembleia Social, Daniella Paula, já garantiu outras capacitações, possivelmente a Oficina de Chaveiros Artesanais e o curso de Pintura em Tela, para dar continuidade ao talento para artesanato.

Leia mais:  Mais de 400 pessoas participam de audiência pública sobre a Ferrovia de Integração do Centro-Oeste (FICO)

Fonte: ALMT
Comentários Facebook
publicidade

Política MT

CST para discutir políticas de inclusão de pessoas com deficiência define planejamento estratégico

Publicado

por

Foto: ANGELO VARELA / ALMT

A Câmara Setorial Temática (CST) com objetivo de discutir políticas para a inclusão efetiva das pessoas com deficiência (PcD) em Mato Grosso discutiu o planejamento estratégico da comissão durante a segunda reunião de trabalho, realizada na tarde dessa segunda-feira (14).

Segundo a presidente da CST, defensora pública Cleide Regina Ribeiro, o planejamento levou em conta os três principais temas tratados pelo grupo: educação, saúde e transporte. “Nós elaboramos várias metas para atingir esses temas, mas um dos principais é conscientizar a população do direito da pessoa com deficiência e garantir esse acesso à inclusão efetiva”, resume.

Uma das dificuldades levantadas durante o encontro é o fato de a acompanhante da pessoa com deficiência não ter direito à gratuidade no transporte quando está sozinha. “Durante a ida para a escola ela tem isenção, pois está acompanhada da pessoa com deficiência. Ao retornar para a casa, ela não tem mais isenção e ela tem de retornar para buscar, e também tem de pagar. Muitas famílias carentes estão vendo seu direito à educação cerceado por não conseguir chegar à escola”, exemplifica Cleide Regina Ribeiro.

Por sugestão do representante do Ministério Público, promotor Miguel Slhessarenko, foi incluída nas metas da CST a promoção de um mapeamento dos órgãos de maior atendimento ao público sobre a presença de intérpretes de libras para atender surdos. “98% dos lugares não estão tendo esse intérprete para atender os surdos e a comunicação realmente não é eficaz. Se não tiver a língua de sinais, como que o surdo vai conseguir ser atendido nesses espaços?”, reclama o representante dos surdos na CST, professor Riguel Brum.

Leia mais:  Reunião no dia 14 de agosto em Brasília pode definir situação do Incra em Rondonópolis

Ainda está entre as metas a atualização do Estatuto de Pessoa com Deficiência de Mato Grosso (Lei Complementar nº 114/2002) e a produção de uma cartilha sobre os direitos das PcD. Também foi definido que a CST fará audiências públicas nas cidades de Rondonópolis, Cáceres, Barra do Garças e Sinop em data a ser marcada. O grupo está aberto para ouvir a população desde já por e-mail – [email protected] – ou redes sociais (Facebook e Instagram) para denúncias, dúvidas ou sugestões.


Criada por solicitação do deputado estadual Wilson Santos (PSDB), a CST reúne representantes de órgãos como o Ministério Público, OAB, Conselho Estadual, associações e Poder Executivo. As reuniões são realizadas quinzenalmente, sempre às segundas-feiras, às 14h. As próximas estão previstas para os dias 4/11, 18/11, 2/12 e 16/12.

Fonte: ALMT
Comentários Facebook
Continue lendo

Política MT

Fávero quer transporte escolar para acadêmicos de cursos tecnológicos

Publicado

por

Foto: JLSiqueira / Secretaria de Comunicação Social

O deputado estadual Silvio Fávero (PSL) encaminhou indicação à bancada federal de Mato Grosso para que esta interceda junto ao presidente da Câmara dos Deputados, pela celeridade na tramitação do Projeto de Lei nº 1.333/2019, apensado ao Projeto de Lei do Senado (PLS) 2.564/2011, ampliando o acesso à educação com a inclusão do ensino superior e tecnológico no Programa Nacional do Transporte Escolar.

Segundo Fávero, caso seja aprovada a proposta, de autoria do deputado federal Idilvan Alencar (PDT-CE), a iniciativa irá contemplar diversos estudantes de ensino superior e técnico que residem em diferentes municípios e que têm que se deslocar para estudar – fazendo com que as despesas com o transporte inviabilizem os estudos.

A proposta do deputado federal dispõe sobre a responsabilidade da União, do Distrito Federal e dos estados pelo transporte escolar e formas de compensação às cidades que efetuarem esse meio de locomoção. “É o que mais harmonicamente atende ao anseio de inúmeros estudantes do interior do Brasil, considerando que os municípios não têm condições de arcar com esse tipo de despesa, tampouco os próprios estudantes. Por isso a União e os estados devem assumir o transporte dos universitários e dos alunos de cursos tecnológicos", defendeu Fávero.

O estadual, ainda, defende que na hipótese de o serviço ser prestado pelas cidades, que recursos sejam transferidos a título de compensação, para os municípios isoladamente, ou a consórcios intermunicipais nas situações em que estes se organizem para proporcionar o transporte. Vale ressaltar que, hoje, o transporte escolar atende apenas alunos do ensino básico e fundamental, que residem a partir de um quilômetro da escola, não excluindo a admissão de exceções, como no caso de alunos portadores de necessidades especiais.


Para isso, os pais devem procurar a instituição de ensino ou a Secretaria de Estado de Educação para se informar a respeito da concessão do benefício, que, por tratar-se de um direito, autoriza qualquer cidadão, grupo de cidadãos, associação comunitária, organização sindical, entidade de classe ou outra legalmente constituída e, ainda, o Ministério Público, acionar o Poder Judiciário para exigi-lo.

Leia mais:  Deputado abre os trabalhos da Comissão de Agropecuária e destaca números da cadeia produtiva

Fonte: ALMT
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana