conecte-se conosco

  • banner_Lorenzetti_1250x250

Saúde

Austrália registra primeiro caso de transmissão local da variante Ômicron

Publicado


source
O governo australiano registrou nesta sexta-feira o primeiro caso de transmissão comunitária da variante Ômicron do coronavírus
Mariana Alvim – Da BBC News Brasil em São Paulo

O governo australiano registrou nesta sexta-feira o primeiro caso de transmissão comunitária da variante Ômicron do coronavírus

O governo australiano registrou nesta sexta-feira o primeiro caso de transmissão comunitária da variante Ômicron do coronavírus. O paciente é um estudante que não esteve fora do país recentemente, como ocorreu com outras pessoas infectadas.

A Austrália agora tem nove casos confirmados da nova variante, oito no estado de Nova Gales do Sul (NWS, na sigla em inglês), onde vive um terço dos 25 milhões de habitantes do país.

Alguns governos locais reforçaram o controle nas fronteiras interestaduais, mas no contexto federal, as autoridades não estão planejando restrições mais rígidas. O planejamento atual, na verdade, é de reabertura da economia, com o avanço da vacinação.

“A transmissão é sempre uma preocupação, mas novamente precisamos mantê-la em perspectiva. Em todo o mundo ainda não há clareza sobre se esta variante em particular vai nos causar problemas próximos do que as variantes anteriores nos causaram” , disse o secretário de Saúde de NSW, Brad Hazzard, em entrevista.

Leia Também

Até o momento, fo adiada por duas semanas a permissão para que estudantes estrangeiros e migrantes qualificados entrem no país. Além disso, australianos que retornam da África do Sul devem completar duas semanas de quarentena em hotéis.

Oministro da Saúde Greg Hunt foi questionado por jornalistas se o governo federal deixaria de direcionar as restrições para viajantes que retornaram do sul da África, já que a nova variante já foi confirmada em mais de 20 países. Ele respondeu que “continuaremos a revisar as recomendações médicos, mas vamos manter a medida porque ela vem mantendo a Austrália segura”.

Durante a pandemia, a Austrália manteve uma posição bastante restritiva, com fronteiras fechadas por um longo período, e conseguiu evitar um grande número de mortes pela doença. Até hoje, foram registrados cerca de 212 mil casos e 2 mil óbitos por Covid-19.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook

Saúde

Covid-19: EUA distribuirão 400 milhões de máscaras PFF2 de graça

Publicado

por


source
Modelo N95 - equivalente ao PFF2 - oferece maior proteção às pessoas
Pixabay/Creative Commons

Modelo N95 – equivalente ao PFF2 – oferece maior proteção às pessoas

O governo dos Estados Unidos informou nesta quarta-feira (19/1) que distribuirá gratuitamente 400 milhões de máscaras N95 (equivalente à PFF2 no Brasil) a partir da próxima semana como mais uma forma de ajudar a combater a disseminação da variante Ômicron da Covid-19.

Segundo o Gabinete de Joe Biden, serão dadas até três máscaras para cada adulto que quiser e os itens serão entregues em farmácias e centros de saúde comunitários. As máscaras representam mais da metade das peças em estoque na reserva estratégica nacional.

Um dos porta-vozes da Casa Branca informou que essa é a “maior distribuição de equipamentos de proteção individual da história” dos EUA.

A decisão vem cerca de uma semana depois do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) recomendar que os norte-americanos “usem a melhor máscara protetora” por conta da alta quantidade de casos registrados seguidamente no país.

As máscaras N95 ou PFF2 são as melhores do tipo e oferecem filtração mínima de 94% das partículas de 0,3 mícrons.  O EPI deve estar bem ajustado ao rosto, sem espaço para entrada/saída de ar, e deve cobrir boca e nariz para ter maior eficácia.

Desde o início da pandemia, diversos grupos e organizações científicas e civis orientam para o uso desse tipo de máscara como uma das melhores armas para ajudar a combater a pandemia – juntamente com a higienização das mãos, ventilação de espaços e distanciamento social.

Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

Saúde

Covid-19: Internação de crianças e adolescentes sobe 61% em SP

Publicado

por


source
Covid-19: Internação de crianças e adolescentes sobe 61% em SP
Reprodução

Covid-19: Internação de crianças e adolescentes sobe 61% em SP

A internação de crianças e adolescentes em Unidades de Terapia Intensivo (UTI), devido à  Covid-19, aumentou 61% nos últimos dois meses. Segundo o governo do estado, em 15 de novembro de 2021 haviam 106 crianças em UTI.

Na última segunda-feira, o número já chegava a 171 crianças e adolescentes de até 18 anos internadas em estado grave, em leitos de terapia intensiva.

“Esse aumento mostra a necessidade de acelerar a vacinação nesta faixa etária”, afirmou o governador João Doria, em coletiva realizada nesta quarta-feira.

A expectativa do governo de São Paulo é que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) libere a aplicação da vacina CoronaVac para crianças e adolescentes de 3 anos a 17 anos de idade amanhã, quinta-feira, numa reunião que começa às 10 horas da manhã. Doria prometeu iniciar a vacinação com Coronavac imediatamente, 15 minutos depois da liberação pela Anvisa.

Dimas Covas, presidente do Instituto Butantan, que fabrica a CoronaVac, informou que o laboratório já tem 15 milhões de doses prontas para aplicação em crianças e adolescentes, das quais 10 milhões deverão ser aplicadas nos 645 municípios do estado.

As doses de CoronaVac também poderão ser negociadas com o governo federal, caso o Ministério da Saúde solicite, ou com governos de outros estados.

Leia Também

Por enquanto, o governo federal liberou apenas 10% da quantidade necessária para vacinação da faixa etária entre 5 a 11 anos de idade, produzidas pela Pfizer, em todo o país.

“A CoronaVac tem o melhor perfil de segurança para essa faixa etária. É absolutamente segura e temos confiança que a Anvisa deverá aprovar”, disse Covas.

Coordenadora do programa de vacinação em São Paulo, Regiane de Paula informou que, tendo vacina disponível, os municípios terão condições de aplicar 250 mil doses de vacina diariamente.


Caso seja aprovada, a vacina produzida pelo Butantan poderá imunizar crianças com idade a partir de 3 anos de idade. O uso depende, porém, do aval da Anvisa. No caso da Pfizer, já adotada pelo governo federal, a vacina pode ser aplicada em crianças a partir de 5 anos.

São Paulo tem hoje 2.842 pessoas internadas em UTI. Apesar do aumento ocorrido a partir do início do ano, o número de internações ainda está bem abaixo dos períodos de pico – 6.500 na primeira onda e 13.150 na segunda onda.

Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana