conecte-se conosco

  • banner_Lorenzetti_1250x250

Tecnologia

Apple anuncia novo iPad Pro: sem botão Home e que pode custar até R$ 15.599

Publicado


Apple lança nos EUA o novo iPad Pro com reconhecimento facial, o Face ID
Reprodução

Apple lança nos EUA o novo iPad Pro com reconhecimento facial, o Face ID

A Apple anunciou, nesta terça-feira (30), a nova versão do iPad Pro, a mais sofisticada do tablet da empresa americana. O modelo chegou ao lançamento acompanhado dos novos Mac Mini e MacBook Air e, oficialmente, terá o Face ID. O novo iPad Pro com reconhecimento facial não conta mais com o conhecido botão Home.

Leia também: Face ID: Apple lança novos detalhes sobre reconhecimento facial; confira

O novo iPad Pro com reconhecimento facial
segue o padrão visual do iPhone Xs, ao adotar uma tela maior, com bordas menores. O Face ID, como é chamado, é o novo sistema avançado de reconhecimento facial do usuário. Ele substitui o leitor de impressões digitais (Touch ID) e, diferentemente do que ocorre com os iPhones que já contam com a tecnologia, o novo sensor pode ser usado tanto em modo retrato (vertical) quanto em modo paisagem (horizontal).

O aparelho vem em dois modelos: O menor tem 11 polegadas e o maior, 12,9 polegadas. As bordas de ambos são as mais finas já vista no tablet da Apple, combinação que garante que o dispositivo seja 25% menor do que a sua geração anterior.

O modelo mais avançado do equipamento, com tela de 12,9 polegadas, 1 terabyte de armazenamento e conectividade Wi-Fi + rede de celular custará R$ 15.599 no Brasil, conforme informações do próprio site da Apple.

As duas versões do iPad Pro contam com câmeras frontais TrueDepth, recurso necessário para o novo sistema biométrico do tablet. O recurso, inclusive, é igual àqueles presentes nos últimos iPhones lançados.

Leia também: Na Itália, Apple e Samsung são multadas por obsolescência programada

Pela primeira vez, a Apple
usa o conector padrão da indústria, em vez de um proprietário. O dispositivo tem porta USB Type-C, usada em muitos Smartphones e tablets com sistema Android, assim como pela própria Apple no MacBook. O uso dessa entrada permite conexão à telas externas com resolução de até 5K e melhor transferência de arquivos entre o tablet e outros dispositivos, da Apple ou não – algo que era recorrentemente criticado.

O processador do novo iPad
é o A12X Bionic, que, tal qual o chip do iPhone Xs, usa um processo de litografia de 7 nanômetros (número que representa a distância entre transistores). Com isso, o componente conta com mais de 10 bilhões de transistores, de acordo com a marca.

Outra novidade é a nova Apple Pencil, caneta que permite fácil interação com o dispositivo. Há um novo suporte para recarga sem fio, que pode ser grudada por meio de um imã magnético na lateral do aparelho, tornando mais prático o processo de armazená-la.

Especificações do novo iPad Pro com reconhecimento facial


Novo iPad Pro com reconhecimento facial é lançado em dois tamanhos pela Apple: 11 e 12,9 polegadas.
Reprodução

Novo iPad Pro com reconhecimento facial é lançado em dois tamanhos pela Apple: 11 e 12,9 polegadas.

– Tela: 11 polegadas (2388×1668 pixels) ou 12,9 polegadas (2732×2048 pixels);

– Processador: A12X bionic de 64-bits com coprocessador M12 embutido;

– Armazenamento interno: 64 GB, 256 GB, 512 GB ou 1 TB;

– Câmera traseira: 12 megapixels (f/1.8) com flash Quad-LED True Tone;

– Câmera frontal: TrueDepth de 7 megapixels (f/2.2);

– Dimensões: 247,6×178,5×5,9 mm (11 polegadas) e 280,6×214,9×5,9 mm (12,9 polegadas);

– Peso: 468 gramas (11 polegadas) e 633 gramas (12,9 polegadas).

Leia também: Apple torna-se primeira empresa do mundo a valer mais de US$ 1 trilhão

O valor inicial do novo iPad Pro com reconhecimento facial
é de US$ 799 na versão de 11 polegadas e 64 GB de armazenamento. O iPad Pro de 12,9 polegadas é vendido a partir de US$ 999. Ambos começarão a ser vendidos em 7 de novembro, nos Estados Unidos, e estarão disponíveis em outros mercados ainda neste ano.

Comentários Facebook

Tecnologia

Por mais segurança, Google esconde apps antigos na Play Store

Publicado

por


source
Para deixar Android mais seguro, Google esconde apps antigos na Play Store
Giovanni Santa Rosa

Para deixar Android mais seguro, Google esconde apps antigos na Play Store

As atualizações de aplicativos são super importantes. Além de trazer novos recursos, os desenvolvedores implementam melhorias no software para garantir mais segurança aos usuários e solucionar bugs. E é por isso que o Google vai começar a restringir os apps antigos ou abandonados para Android na Google Play Store.

A mudança foi anunciada em um blog da companhia nesta quarta-feira (6). Na publicação, o Google reforçou que já exige que os novos aplicativos submetidos à loja apontem para um nível de API dentro de um ano após o lançamento mais recente. Mas a empresa pretende redobrar este cuidado para tornar o Android mais seguro.

“Hoje, como parte das atualizações de política mais recentes do Google Play, estamos tomando medidas adicionais para proteger os usuários contra a instalação de aplicativos que podem não ter os recursos de privacidade e segurança mais recentes, expandindo nossos requisitos de API de nível de destino”, anunciaram.

Android: apps antigos serão limitados na Play Store

A alteração aponta diretamente para o nível de API do aplicativo. Ao preparar um aplicativo para o sistema, é preciso indicá-lo para um nível de API. É através desse elemento que o desenvolvedor informa sobre como o app é executado em diferentes versões do Android, segundo um documento do Google.

Cada versão do sistema operacional possui um nível diferente. Por exemplo, o Android 11 é identificado pela API de nível 31 enquanto o Android 10 traz o nível 30. Ou seja, o nível aumenta a cada nova versão do software – mas, claro, há exceções para esta regra.

Leia Também

E é a partir desse elemento que o Google vai limitar aplicativos antigos. Segundo a publicação, se os apps existentes não segmentarem um nível de API “dentro de dois anos a partir da versão principal do Android mais recente”, o software ficará restrito na loja. Assim, se o celular tiver versões do sistema superiores ao nível da API de destino dos aplicativos, o usuário não poderá encontrá-los ou instalá-los.

Aatualmente, estamos no Android 12, que utiliza a API de número 31. Isto significa que se o seu celular estiver atualizado, o bloqueio não será aplicado aos apps que apontem para o Android 10 (nível 29) e Android 11 (nível 30). O diagrama abaixo também exemplifica isso:

Apps terão que atingir nível de API dos últimos dois anos para serem amplamente exibidos na Play Store
Reprodução/Google

Apps terão que atingir nível de API dos últimos dois anos para serem amplamente exibidos na Play Store

A regra está prevista para entrar em vigor em 1º de novembro de 2022. Mas é importante ressaltar que a política não vai impedir que usuários de versões antigas do sistema instalem apps pela Play Store. O Android Police também observa que, se você usa um celular com Android 9 Pie (nível 28), ainda será possível encontrar apps para o nível 28, por exemplo.

Continue lendo

Tecnologia

Primeiro tweet da história está à venda de novo via NFT, por US$ 48 mi

Publicado

por


source
Primeiro tweet da história está à venda de novo via NFT, por US$ 48 mi
Pedro Knoth

Primeiro tweet da história está à venda de novo via NFT, por US$ 48 mi

Uma cópia do primeiro tweet já escrito na história está à venda de novo via NFT. A publicação havia sido vendida  inicialmente em março do ano passado para o presidente da Bridge Oracle, provedora de serviços de blockchain, Sina Estavi, por US$ 2,9 milhões. Agora, ele está a revendendo por US$ 48 milhões, 16 vezes o valor que pagou.

O tweet é de autoria do fundador do Twitter, Jack Dorsey, que deixou o cargo de CEO da empresa em novembro do ano passado. “só estou configurando o meu twttr”, diz o post feito em 2006.

A venda será feita pela OpenSea, plataforma de negociação de ativos digitais. NFTs são tokens não-fungíveis, uma espécie de certificado digital que atesta a originalidade de um determinado bem.

Estavi anunciou a venda desse tweet por 14.969 Ethereum (ETH), segunda criptomeda mais valiosa do mundo.

Ele prometeu destinar 50% do lucro para a GiveDirectly, uma instituição de caridade que doa dinheiro a pessoas em situação de pobreza. É a mesma organização que Dorsey prometeu apoiar quando vendeu seu primeiro tweet no ano passado.

Jack Dorsey respondeu à publicação questionando: “por que não [doar] 99%?”, marcando no comentário também a GiveDirectly e o bilionário Elon Musk,  que recentemente foi indicado a membro do Conselho de Administração do Twitter.

Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana