conecte-se conosco


Economia

Apostador de Mato Grosso ganha R$ 12 milhões na ‘Timemania’

Publicado

Um apostador em Cuiabá acertou, sozinho, as sete dezenas do concurso 1366 do Timemania, loteria da Caixa Econômica Federal, e ganhou R$ 12 milhões.

 

As dezenas sorteadas foram 17, 35, 38, 60, 64, 73 e 77.   Por questões de segurança, a instituição não informa dados dos ganhadores. O próximo sorteio do Timemania será nesta quinta-feira (08). Essa modalidade de loteria é para os que gostam de futebol. Em cada aposta são escolhidos dez números entre os oitenta disponíveis e um Time do Coração. São sorteados sete números e um time do coração por concurso – nesta edição em que o apostador em Cuiabá ganhou foi o Coritiba (PR)

No último dia 24, um apostador de Campo Verde, foi um dos três vencedores do concurso 1.831 da Lotofácil, modalidade de loteria da Caixa Econômica Federal. O sorteio foi realizado, há pouco, em São Paulo.


Em maio, um apostador de Pontes e Lacerda, acertou os 15 números da Lotofácil, modalidade de loteria da Caixa Econômica Federal, e ganhou R$ 1,4 milhão, e o mato-grossense faturou sozinho o prêmio principal.

Comentários Facebook
Leia mais:  Acordo de livre comércio representa a maior conquista do governo Bolsonaro
publicidade

Economia

Saques do FGTS elevam expectativa do mercado para economia de 2019

Publicado

por

source
agência da Caixa com saques do FGTS arrow-options
Antonio Cruz/Agência Brasil – 10.3.2017
Saques do FGTS fizeram economistas reverem para cima crescimento econômico do País em 2019

Mesmo com cenário externo conturbado, em meio à guerra comercial entre China e Estados Unidos e uma possível desaceleração da economia global, os economistas voltaram a projetar que a economia brasileira pode ter um desempenho melhor em 2019.

De acordo com os economistas consultados pelo Banco Central (BC) no Boletim Focus, o Produto Interno Bruto (PIB) do país devem crescer 0,83% neste ano. Na semana anterior, a projeção era de alta de 0,81%.

Amadorismo do governo paralisa negócios de mais de R$ 100 bilhões; entenda

A revisão está relacionada aos efeitos positivos da liberação de parte dos recursos do FGTS sobre o consumo, avalia Flávio Byron, sócio da Guelt Investimentos. Os saques serão permitidos a partir de setembro.

“Diante do atual cenário, a liberação do FGTS é o que mais explica esta mudança nas projeções dos economistas. Mas é algo pequeno, mais simbólico do que uma sinalização de retomada da economia”, afirma Byron.

Semana passada, o Banco Central divulgou dados que apontam  retração da economia no segundo trimestre, a chamada prévia do PIB. O dado oficial será divulgado apenas no fim deste mês pelo IBGE.

Caixa e Banco do Brasil iniciam pagamento de cotas do PIS/Pasep

Caso o indicador do IBGE confirme o recuo da economia entre abril e junho, o país terá recessão técnica , quando há dois trimestres negativos seguidos. Mas o próprio BC aposta em uma recuperação da economia.

Leia mais:  Eventos e projetos transformam rotina nas bibliotecas públicas de MT

O Boletim Regional da instituição, documento elaborado trimestralmente pela autoridade monetária para detalhar o cenário econômico das regiões do país, destaca que as  reformas e a liberação de recursos do FGTS podem contribuir para uma expansão da atividade econômica.

Inflação mais baixa

Enquanto as projeções sobre o desempenho da economia sobem, a pespectiva em relação à inflação é de redução, segundo o Focus. De acordo com o boletim, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) vai encerrar o ano com avanço de 3,71% .

Dólar opera em queda nesta segunda-feira, mas continua na faixa dos R$ 4

Na semana anterior, a projeção era de 3,76%. O percentual é inferior ao centro da meta estipulada para o governo para 2019, que é de 4,25%.


Em relação ao câmbio, as projeções apontam alta do dólar . De acordo com os economistas consultados pelo BC, a divisa americana deve encerrar o ano a R$ 3,78. Na semana anterior, a expectativa era de dólar a R$ 3,75 neste ano.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Não basta ser grande: entenda a derrocada do Walmart no Brasil

Publicado

por

source

IstoÉ Dinheiro

Walmart arrow-options
Divulgação
Não basta ser grande: entenda a derrocada do Walmart no Brasil

Quando o Walmart desembarcou no Brasil, em 1995, a líder varejista dos Estados Unidos gerou a expectativa de que a operação de sucesso global poderia ser replicada em terras tupiniquins. Foram mais de duas décadas de investimentos e tentativas para fazer o negócio decolar no País, mas o modelo de gestão patinou e a dificuldade de entender as diferenças culturais fez os resultados desabarem.

Leia também: Governo negocia com o varejo por ‘Black Friday verde-amarela’ em setembro

A euforia inicial não se confirmou e a gigante do varejo, que ocupa uma cadeira no ranking da Forbes das 100 empresas mais valiosas do mundo, viu o seu faturamento estagnar no terceiro lugar em participação de mercado. Não foi com surpresa que, em junho do ano passado, os mais de 4 mil funcionários da sede brasileira receberam a notícia de que a gestora americana de fundos e private equity Advent na América Latina estava assumindo o controle de 80% da empresa. Pelo acordo, os novos gestores tinham um prazo de até três anos para continuar usando o nome da rede. Pouco mais de um ano depois, porém, a marca joga a toalha e se prepara para dizer adeus ao Brasil.

A partir de agora, o nome Walmart deixa de existir para dar lugar ao Grupo Big , dono das bandeiras Big, Big Bompreço, Super Bompreço, Nacional, Maxxi Atacado, TodoDia e Sam’s Club. A companhia informou que a antecipação na mudança de posicionamento acontece para impulsionar duas frentes na estratégia dos negócios: reforçar a nova marca e aumentar a sua participação no formato de atacarejo.

Leia mais:  Brasil, EUA e México lideram produção de energia eólica nas Américas

A primeira tacada nessa direção veio já no primeiro semestre deste ano, com o projeto Maxxi Atacado. Além de um aumento de 40% na oferta de produtos, as 43 unidades do negócio foram reformadas e 10 hipermercados transformados na estrutura que mistura atacado com varejo. A aposta acontece num momento em que a disputa no setor tem acelerado.

Expansão: o clube de compras da marca será mantido e receberá 10 novas lojas no prazo de até um ano (Crédito:Divulgação)


É o caso do Carrefour Brasil , dona do Atacadão, e do grupo GPA, que controla o Assaí. “Os dois grupos conseguiram reagir à mudança de comportamento do consumidor nos últimos anos de crise e passaram a investir na digitalização e em novos formatos de lojas”, diz Alexandre Van Beeck, sócio-diretor da GS&Consult, empresa de consultoria com foco em varejo. Carrefour e Pão de Açúcar, por exemplo, inauguraram uma série de unidades express para atender aos clientes de bairro. A outra sacada foi o lançamento de aplicativos de fidelidade que oferecem descontos no carrinho digital ou físico. “A estratégia monocanal do Walmart é um tiro no pé”, diz Van Beeck.

RESTRIÇÕES De acordo com especialistas que acompanham o setor, parte da dificuldade da filial brasileira em fazer grandes mudanças estava nas restrições da matriz da companhia, instalada em Bentonville, no Estado americano do Arkansas. Agora, a expectativa do Grupo Big é de acabar com essa dependência. “Com uma gestão 100% local, vamos garantir mais agilidade na tomada de decisões e a empresa vai se aproximar ainda mais de seus clientes em todas as regiões e formatos”, informou a empresa, em comunicado. Procurado pela DINHEIRO, o grupo não concedeu entrevista.

Leia mais:  Acordo de livre comércio representa a maior conquista do governo Bolsonaro

Leia também: Um ano após mudar de dono, Walmart abandona marca no Brasil


Para colocar o plano em prática, a empresa informou que investirá R$ 1,2 bilhão para ampliar e modernizar suas lojas. A distribuição das bandeiras dos supermercados será dividida por regiões. As unidades Walmart do Sul e Sudeste passarão a se chamar BIG, enquanto no Nordeste, todos os hipermercados serão BIG Bompreço. A outra parte do investimento incluirá a reforma de 100 unidades, até junho de 2020. Já o Sam’s Club deve inaugurar dez novas lojas num período de até um ano – quatro até o fim de 2019. “Toda essa transição tem uma vantagem de ouro pelo poder de investimento que a empresa tem e pela associação à marca que também já é conhecida”, diz Ricardo Pastore, coordenador da pós-graduação da ESPM-SP. “O recado do grupo Big vai ser dado rapidamente.”

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana