conecte-se conosco

  • banner_Lorenzetti_1250x250

Economia

Angra 3 pode parar se Eletrobras não for privatizada, diz Montezano

Publicado


source
Angra 3 pode paralisar obras caso Eletrobras não seja privatizada, diz presidente do BNDES
Divulgação

Angra 3 pode paralisar obras caso Eletrobras não seja privatizada, diz presidente do BNDES

Caso a operação de privatização da Eletrobras não se concretize, as obras da usina nuclear Angra 3 podem não ser concluídas e governo e sociedade teriam de arcar com os custos para o fechamento do espaço, alertou o presidente do BNDES, Gustavo Montezano, durante evento do Tribunal de Contas da União (TCU), que discutiu o modelo de capitalização da companhia nesta quinta-feira (7).

Montezano alertou para outras consequências caso a capitalização da Eletrobras fracasse, como o não recebimento dos valores da outorga e até mesmo efeitos sobre o preço das ações da companhia.

“Em adição a isso existe uma chance razoável de que eventualmente Angra 3 não seja concluída. Então, a empresa e a sociedade brasileira talvez tenham que arcar com os custos de fechamento de Angra 3”, alertou.

Ele também ponderou outros efeitos negativos para defender o avanço do modelo de capitalização conforme proposto pelo governo e aprovado pelo Congresso.

Leia Também

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia

“A gente vai ter uma Eletrobras com capacidade de investimento mais restrito do que se ela for capitalizada, um eventual cenário em que Angra 3  pode não ser concluída ou que requer custos para seu fechamento e possivelmente uma possibilidade de Tucuruí (usina hidrelétrica em operação no rio Tocantins) sair de geração da Eletrobras”.

A usina de Angra 3 completaria o projeto de três unidades nucleares instaladas em Angra dos Reis, no litoral sul do Rio de Janeiro. Com capacidade de geração de 1,405 GW, a expectativa do governo é que o projeto inicie a operação comercial em novembro de 2026, com a planta em plena capacidade no ano seguinte.

A construção de Angra 3 parou depois de denúncias de corrupção e por conta da deterioração do cenário fiscal. O governo busca parceiros e uma forma de fazer com que a obra seja retomada.

Comentários Facebook

Economia

Desenvolve MT firma parceria com Prefeitura de Tangará

Publicado

A Agência de Fomento de Mato Grosso (Desenvolve MT) e a Prefeitura de Tangará da Serra firmaram uma parceria, cujo objetivo é atender as demandas de empreendedores por linhas de crédito. Um agente de crédito municipal facilitará aos interessados o acesso aos financiamentos oferecidos pela instituição.

Um termo de cooperação com esta finalidade foi assinado, na noite de segunda-feira (9), durante o evento Mulheres Empreendedoras, promovido pela prefeitura tangaraense no Centro Cultural do município. Atualmente, 40 cidades do interior mato-grossense já contam com esta parceria. Apenas neste ano, seis municípios foram visitados por técnicos da Desenvolve MT com esta finalidade.

Segundo o secretário de Indústria, Comércio e Serviços de Tangará da Serra, Silvio Sommavilla, as expectativas são as melhores possíveis. “Em nosso município há muitos empreendedores interessados em acessar estas linhas de crédito. A tendência é a chegada de mais recursos, fomentando nossos negócios e, consequentemente, gerando emprego e renda”.

No evento, o assessor executivo da Desenvolve MT, José Roberto Weber, apresentou aos participantes as linhas de crédito, em especial o Programa Mulheres e Jovens Empreendedores, colocadas à sua disposição. Ele relatou que em 2021 foram financiados cerca de R$ 400 mil aos empreendedores de Tangará Serra.

Para empreendedora Tânia Fernandes Alves Silva, da loja Tânia Sapatilhas, uma das participantes, a obtenção de um financiamento oferecido pela Desenvolve MT foi fundamental para seu negócio.

“É importante destacar que a instituição facilita nosso acesso, ao nos dar a opção de solicitar o empréstimo de forma online, via plataforma digital. O financiamento me ajudou a adquirir os insumos necessários para aumentar a produção de sapatilhas”, afirmou.

Para o presidente da Desenvolve MT, Jair Marques, é de suma importância entender a demanda dos municípios. “O Governo do Estado vem cumprindo o seu papel ao criar um ambiente favorável para o desenvolvimento dos pequenos negócios, e nós, da agência, estamos trabalhando nesta direção”, explicou.

Participaram da assinatura do termo de cooperação o prefeito Vander Masson, seu secretário Silvio Somavilla e o representante da Desenvolve MT, José Roberto Weber.

Continue lendo

Economia

Companhias aéreas aumentam valores para bagagens em até R$ 650

Publicado

por


source
Empresas esclareceram que a alta se deve ao atual cenário de aumento do petróleo
Raphael Magalhães

Empresas esclareceram que a alta se deve ao atual cenário de aumento do petróleo

As principais companhias aéreas do país, Gol, Azul e Latam, decidiram aumentar o preço aplicado no despacho de bagagens. Os valores vão de R$ 75 até R$ 650, nesse caso para voos internacionais.

A Gol afirmou que o reajuste nos valores para o despacho de bagagens se deve ao atual cenário de aumento de custos na aviação comercial, e ainda como forma de adequação aos valores praticados pelo mercado.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia 

A companhia área explicou que, nos voos domésticos, custa a partir de R$ 95 (1ª bagagem), R$ 129 (2ª bagagem) e R$ 180 (3 a 5 bagagens). Esses preços se aplicam em mais de 48 horas antes da decolagem. No caso de quem deixa para próximo da viagem, os preços aumentam para os seguintes valores: R$ 140 (1ª bagagem), R$ 160 (2ª bagagem) e R$ 250 (3 a 5 bagagens).

No caso de voos internacionais, a primeira bagagem custa R$ 199, R$ 249 (2ª bagagem) e R$ 350 (3 a 5 bagagens) para quem comprar até mais de 48 horas de decolagem. Enquanto quem comprar em menos de dois dias, deverá desembolsar R$ 229 para a primeira bagagem, R$ 279 (2ª bagagem) e R$ 650 (3 a 5 bagagens).

Leia Também

A Latam também afirmou que devido a situação externa em função da guerra na Ucrânia, que impacta diretamente no preço do petróleo e, consequentemente, na alta do preço do querosene da aviação (QAV) e nos custos da empresa, viu a necessidade em reajustar os preços.

“Diante da imprevisibilidade desta crise, a empresa precisou fazer algumas alterações em voos programados para os próximos meses e postergar o lançamento de novas rotas. Esse cenário também impacta em aumento de preços das passagens e serviços adicionais da ordem de 25% a 30%”, informou a empresa.

O despacho de bagagens da companhia teve ajustes de preço no dia 14 de março, tanto para bagagens de 15 kg, como de 23 kg, com o seu valor mínimo passando para R$ 75. O valor máximo da franquia, de R$160, continuará o mesmo.

Já a Azul afirmou que o reajuste foi em 7 de março na 1ª peça em canais digitais, que passou de R$ 80 para R$ 90 em trechos domésticos. As demais cobranças permanecem inalteradas. Todos os valores estão publicados e atualizados no site https://www.voeazul.com.br/bagagem .

Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana