conecte-se conosco


Nacional

Alexandre de Moraes nega liberdade a Pezão, preso há 10 dias no Rio

Publicado


Pezão foi preso durante a Operação Boca de Lobo, baseada na delação premiada do operador financeiro Carlos Miranda
Valter Campanato/Agência Brasil
Pezão foi preso durante a Operação Boca de Lobo, baseada na delação premiada do operador financeiro Carlos Miranda

Neste domingo (9), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, negou o pedido de liberdade a Luiz Fernando Pezão. O governador do Rio de Janeiro está preso desde o dia 29 de novembro, num quartel da Polícia Militar em Niterói, cidade da região metropolitana da capital fluminense.

Leia também: Preso no Rio, Pezão tinha esquema próprio de corrupção em curso, diz PGR

Pezão
foi preso durante a Operação Boca de Lobo, baseada na delação premiada do operador financeiro do ex-prefeito Sérgio Cabral, Carlos Miranda. Além do governador, outras sete pessoas foram presas. Ao todo, foram expedidos nove mandados de prisão e 31 de busca e apreensão pela Justiça.

Em sua decisão, Moraes destacou que não houve ilegalidade na prisão do governador do Rio de Janeiro. “O entendimento desta Suprema Corte aponta no sentido de que o destacado modo de execução e a gravidade concreta do delito constituem fundamentos idôneos à determinação da custódia cautelar para resguardar a ordem pública”, explicou o ministro.

Moraes também lembrou que, apesar de não acreditar que haja constrangimento ilegal que justifique a suspensão da prisão cautelar de Pezão, ainda haverá julgamento de mérito do pedido. “A controvérsia será analisada na oportunidade própria do seu julgamento definitivo”, concluiu o ministro.


*Em atualização

Comentários Facebook
Leia mais:  Prova obtida de forma ilegal pode ser usada, diz Gilmar sobre mensagens de Moro
publicidade

Nacional

Flordelis é ouvida pela polícia sobre o assassinato do marido

Publicado

por

Flordelis
Estefan Radovicz/Agência O Dia
Flordelis presta depoimento em delegacia no Rio de Janeiro

A deputada federal Flordelis (PSD) chegou às 12h30 desta segunda-feira na Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI). A missionária e cantora irá prestar esclarecimentos sobre a morte do marido, o pastor Anderson do Carmo, na condição de investigada, apesar da defesa dizer que ela é ouvida como testemunha.

Leia também: Escolas do Rio de Janeiro terão “botão de pânico” contra ameaças

Flordelis  chegou de carro acompanhada de advogados e não falou com a imprensa, que foi colocada para o lado de fora da especializada. Pelo menos 10 filhos do casal já estão na especializada e serão ouvidos hoje, de um total de 20 convocados pela DHNSGI. Vários profissionais que defendem a família estão na delegacia.

O promotor Sérgio Lopes Pereira, do Ministério Público do Rio (MPRJ), acompanha os depoimentos. De acordo com os advogados que acompanham Flordelis e os filhos, a parlamentar será a última a falar com os policiais.

Antes de Flordelis chegar ao local, um dos filhos entregou um telefone à polícia durante o depoimento. Não se sabe se o aparelho é do pastor Anderson, do filho Flávio, que confessou o assassinato, ou do próprio depoente.

A advogada Luciene Diniz Suzuki, que defendia Flávio e Lucas dos Santos, principais suspeitos da morte do pastor Anderson do Carmo , marido da deputada Flordelis, deixou o caso. Segundo ela, após a confissão de Flávio, que falou ter dado seis tiros no pai adotivo, não havia mais motivo de ficar na defesa. Dois filhos do casal chegaram por volta das 8h na Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI).

Leia mais:  Relatório isenta pilotos de culpa em queda de avião da Boeing na Etiópia

Entretanto, Suzuki segue acompanhando os depoimentos de membros da família investigados, a pedido deles, já que ela acompanha juridicamente Flordelis há mais de 10 anos. As 8h10 a delegada Bárbara Lomba, titular da DHNSGI, chegou à sede da especializada, mas não quis falar com os jornalistas.

O promotor Sérgio Lopes Pereira, do Ministério Público do Rio (MPRJ), disse que Flordelis e sua família não estão colaborando com as investigações sobre o assassinato do pastor Anderson do Carmo. A deputada federal é esperada na manhã desta segunda-feira para prestar depoimento sobre o caso.

“Se mata um ente querido, você quer saber quem matou esse ente e a forma de saber é colaborando com as investigações. Nós não estamos vendo isso por parte da família, infelizmente”, disse o promotor, em entrevista ao Fantástico , da TV Globo Ele também reforçou, conforme já dito pela delegada Bárbara Lomba, que todos que estavam na casa são suspeitos.

Leia também: Advogada dos filhos de Flordelis deixa o caso após confissão


Na reportagem, o advogado Fabiano Leitão Migueis, que representa Flordelis , rebateu a afirmação do promotor. “Ela quer colaborar. Ela está ansiosa que esse resultado venha logo, que isso seja esclarecido. E ela foi clara para mim: doa a quem doer, mesmo que o responsável ou os responsáveis seja um ente querido dela”, falou.

Leia mais:  Demitido, Santos Cruz divulga carta de despedida e cita Bolsonaro por último

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Sérgio Cabral está apto a receber visitas íntimas de Adriana Ancelmo na cadeia

Publicado

por

Sergio Cabral e Adriana Ancelmo
Paulo Araújo/Agência O Dia
Sérgio Cabral e a ex-primeira-dama Adriana Ancelmo poderão ter encontros íntimos em Bangu 8

ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (MDB) foi classificado pela Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) como apto a receber visita íntima da ex-primeira-dama Adriana Ancelmo em Bangu 8, na zona oeste do Rio.

Mas apesar de ter tido o direito concedido há aproximadamente dois meses,  Sérgio Cabral ainda não está autorizado a exercê-lo porque tem um processo administrativo em curso.

Adriana Ancelmo
Fernando Frazão/Agência Brasil – 10.5.17
Esposa do ex-governador Sérgio Cabral, Adriana Ancelmo

Para o preso exercer o direito à visita íntima, ele solicita à assistência social do presídio. Assim, o trâmite é iniciado na cadeia para, posteriormente, ser chancelado pela Seap. No entanto, esse direito não pode ser exercido enquanto há contra o preso algum procedimento administrativo em tramitação.

No caso de Cabral, ele respondia a um por ter sido flagrado na cadeia com mais dinheiro do que o permitido , que foi arquivado posteriormente.

Mas, como o ex-governador foi punido pela Seap em outro caso, o da videoteca, ele continua sem poder receber a visita íntima .

Quando a punição for encerrada, ele poderá entrar na escala da secretaria para passar a exercer efetivamente o direito e reencontrar Adriana Ancelmo em encontros íntimos.


Leia também: Adriana Ancelmo usou carteira da OAB para visitar Sérgio Cabral na cadeia

Leia mais:  Mãe faz denúncia após bebê levar 15 mordidas em creche pública de Goiás

Relembre as joias de Adriana Ancelmo apreendidas pela PF:


Fonte: IG Política
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana