conecte-se conosco


Nacional

Advogado de egípcio suspeito de terrorismo diz que cliente é perseguido político

Publicado

source
Foto enviada pela defesa do egípcio Mohamed Ahmed Elsayed Ahmed Ibrahim arrow-options
Arquivo pessoal
Foto enviada pela defesa do egípcio Mohamed Ahmed Elsayed Ahmed Ibrahim

Na lista de suspeitos de envolvimento com terrorismo e procurado pelo FBI para interrogatório, o egípcio Mohamed Ahmed Elsayed Ahmed Ibrahim vai prestar esclarecimentos à Polícia Federal ainda nesta semana. De acordo com seu advogado, Musslim Ronaldo Vaz de Oliveira, Ibrahim é um perseguido político em seu país e atua no ramo moveleiro em Guarulhos, onde vive e está casado com uma brasileira.

O advogado nega envolvimento do egípcio com terrorismo. Afirma que Ibrahim ingressou no Brasil em 2018, quando saiu fugido do Egito.

O defensor contou ainda que Ibrahim pertence a um grupo que apoiava o ex-presidente Mohamed Mursi, então da Irmandade Muçulmana, que foi deposto do poder em 2013.

Segundo Oliveira, a polícia militar foi à casa do egípcio na madrugada de ontem para fazer uma busca, mas nada encontrou. Ele sustenta que não existe nenhum mandado de prisão ou investigação contra o egípcio.

Contou ainda que nesta manhã o egípcio chegou a se apresentar para depor na PF , na Lapa, na região central da capital paulista. Segundo ele, porém, a polícia preferiu agendar outra data para a oitiva, já que ainda não estava a par da situação.


Em nota conjunta, os ministérios da Justiça e das Relações Exteriores confiram que o egípcio entrou no Brasil em 2018, quando obteve a autorização de residência e hoje tem “condição migratória regular”, o que significa que o visto do estrangeiro é válido.

Leia mais:  Justiça nega pedido de Flávio Bolsonaro e mantém quebra de sigilo bancário

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
publicidade

Nacional

Boris Johnson pode deixar britânicos sem comida e remédios

Publicado

por

source

IstoÉ

Boris Johnson arrow-options
Divulgação
Boris Johnson defende o Brexit sem acordo

Um relatório oficial vazado no fim de semana confirma os efeitos nocivos de um Brexit não negociado para os britânicos. Alimentos, medicamentos e combustíveis podem faltar a partir de 31 de outubro, se o “no-deal” do premiê Boris Johnson prevalecer.

Leia também: Trump anuncia que manterá seu vice para eleição presidencial de 2020

Entre os problemas da saída do bloco europeu estariam distúrbios no tráfego e colapso nos portos por três meses.

O primeiro-ministro se encontra nesta semana com os líderes Emmanuel Macron (França) e Angela Merkel (Alemanha) para intensificar a disposição de saída. Tenta forçar um novo acordo com os europeus, mas são remotas as chances de que tenha sucesso. Enquanto isso, sua posição fica mais frágil no Parlamento.

Leia também: Em auge da crise, ministro da Fazenda da Argentina renuncia


Aliados conservadores podem se aliar à oposição trabalhista para barrar o Brexit , previsto para daqui a 40 dias. Isso poderia custar a cadeira ao ex-prefeito de Londres. Seria um fim prematuro e melancólico para o líder populista.

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Leia mais:  Defesa da liberdade de imprensa marca homenagem aos 40 anos da ANJ no Senado
Continue lendo

Nacional

Policial militar não aceita divórcio e mata mulher na frente do filho de 3 anos

Publicado

por

source
Policial matou a esposa com tiro na cabeça na frente do filho do casal por não aceitar divórcio. arrow-options
Facebook/Reprodução
Policial matou a esposa com tiro na cabeça na frente do filho do casal por não aceitar divórcio.

O cabo Walter José Gonçalves, da Polícia Militar do Estado de Goiás ( PMGO ) matou a esposa, a oficial de Justiça Elinda Varanda de Carvalho Sobrinho, com um tiro na cabeça na frente do filho do casal de apenas 3 anos,

O policial não aceitava o fim do casamento. Por volta das 21h de domingo (18), o cabo encontrou a mulher em uma lanchonete depois que ela saiu da igreja . Após concluir que não a convenceria a reatar o relacionamento, ele disparou na cabeça dela.

Lei também: Onda de feminicídios atinge Carnaval e renova urgência de lutas no Dia da Mulher 

A mulher foi socorrida, mas morreu em uma unidade de saúde . Segundo o delegado Ramon Queiroz, o policial militar havia sido afastado das ruas há um ano por causa de problemas psiquiátricos. 

Por causa do afastamento, o policial estava sem a arma da corporação, mas usou um revólver 38 para matar a oficial de Justiça. 

Leia também: Lei do feminicídio completa 4 anos, mas ainda enfrenta resistência no Brasil


Depois do crime, policiais militares negociaram por quase seis horas para que o cabo não se matasse. Ele foi preso em flagrante. 

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Leia mais:  Homem confessa ter assassinado esposa 24 anos após cometer crime
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana