conecte-se conosco


BemRural

“30 litros por pé”: pequeno produtor tangaraense, se emociona e celebra superprodução de café

Publicado

As mudas vieram de Rondônia, mas a produção é tangaraense. Uma área de café, da variedade conilon, plantada em um sítio nas proximidades do Bairro Alto da Boa Vista, encanta pela beleza e qualidade do produto.

Fotos:Gilvan de Melo

Os pés de café, estão forrados de frutos. A beleza dos cafezais surpreendem, considerando que a cultura pouco praticada no município, foi a cerca de 20 anos, a principal atividade econômica para a maioria dos pequenos produtores da região. Cofiante, o agricultor Altair Caldeira, plantou duas mil mudas, e após dois anos de dedicação e empenho, se surpreendeu pela qualidade da produção.

“Eu fico emocionado, eu fui criado no café, tenho 60 anos de idade, sempre mexi com a lavoura de café e fiquei triste que há uns 15 anos a lavoura de café aqui em Tangará foi acabando. Eu vim de São Paulo, pra tocar lavoura de café aqui e fui sentindo na pele. Não tive condições de possuir terra, fui morar em terra dos outros, e hoje moro na fazenda de seo Levi Delcaro, ele tem esse pedacinho de terra que ele cedeu pra mim sobreviver aqui em cima, e resolvi plantar essa lavoura de café, e tô emocionado e muito contente, porque eu nunca vi uma produção igual a essa”, celebra o produtor.

A lavoura está completando dois anos e cada pé, segundo o agricultor, tem alcançado 30 litros em média, demonstrando grande potencial produtivo na região, e pode se tornar uma nova fonte de renda, se houver políticas públicas de incentivo.

“Quando eu cheguei na década de 70,  no ‘Colo das Pedras’, ali no ‘Pé de Galinha’,  era só café, passando os tempos, foram arrancando os pés e fazendo pasto, não teve incentivo e se acabou. Eu, por curiosidade plantei essas mudas, hoje com a benção de Deus, tô grato. Eu fico muito grato por mostrar pra Tangará da Serra, que aqui produz café. Se houver um incentivo das pessoas que fazem a cidade crescer, se tiver uma cooperativa, o município pode se tornar líder na produção. O resultado tá aí pra quem quiser ver”, ressalta Caldeira.

Impressionado com o resultado da cultura, o produtor aproveitou o que sobrou de terra, e plantou mais 1.800 pés, que ainda esse ano, estarão produzindo. O cafezal é orgânico sem o uso de agrotóxicos ou defensivos agrícolas, com técnicas que incluem o uso de compostagem orgânica, adubação verde, com esterco e folhagens. O resultado é uma superprodução de encher os olhos e movimentar o mercado consumidor mato-grossense.

Comentários Facebook

BemRural

IPPA/CEPEA: Sustentado por pecuária, IPPA/Cepea sobe 0,3% em junho

Publicado

por


.

Cepea, 16/07/2020 – Em junho, o IPPA/Cepea (Índice de Preços ao Produtor de Grupos de Produtos Agropecuários), que passou a considerar em sua série histórica o IPPA-Cana-Café/Cepea, registrou alta nominal de 0,3% frente a maio. O Índice geral foi sustentado pelo IPPA-Pecuária/Cepea, que teve alta de 5,6% no mês. Para todos os demais grupos, houve queda de maio para junho: de 1% para o IPPA-Grãos/Cepea, de 4,8% para o IPPA-Hortifrutícolas/Cepea e de 5,6% para o IPPA-Cana-Café/Cepea. No caso dos grãos, a baixa esteve atrelada à desvalorização do milho. No caso dos hortifrutícolas, foram verificadas reduções nos valores da banana, batata, tomate e uva. Quanto ao novo índice, o IPPA-Cana-Café/Cepea, ambos os produtos registraram recuo nos preços em junho. Por outro lado, o IPPA-Pecuária/Cepea registrou alta de 5,6% em termos nominais, impulsionado pela elevação nos preços do boi gordo – principal produto que compõe a cesta desse Índice –, seguido do leite, do frango vivo e dos suínos. Na mesma comparação, o IPA-OG-DI Produtos industriais, calculado e divulgado pela FGV, teve alta de 2,75% – logo, de maio para junho, os preços agropecuários se desvalorizaram frente aos preços industriais da economia. Fonte: Cepea – www.cepea.esalq.usp.br

Fonte: CEPEA

Comentários Facebook
Continue lendo

BemRural

SUÍNOS/CEPEA: Movimento de alta nos preços se intensifica

Publicado

por


.

Cepea, 16/07/2020 – O movimento de alta nos preços do suíno vivo, verificado desde abril deste ano, se intensificou neste mês de julho, especialmente nos últimos dias. E essa elevação nos valores do animal tem sido observada em todas as regiões acompanhadas pelo Cepea. Segundo colaboradores, parte da indústria tem intensificado as compras de novos lotes de suínos para abate, no intuito de atender à aquecida demanda externa. A procura contínua por animais no mercado independente tem, ainda, reduzido a disponibilidade de suínos em peso ideal para abate. Diante disso, agentes do setor consultados pelo Cepea indicam que tem retido animais nas granjas, a fim de garantir o aumento no peso, contexto que pode ter reforçado o movimento de alta nos preços nestes últimos dias. Fonte: Cepea – www.cepea.esalq.usp.br

Fonte: CEPEA

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana