Saúde e Lazer

10/08/2017 09:56

Mãe “mobiliza” Câmara para obrigar capacitação de professores após filho sofrer crise alérgica na escola

Olhar Direto

A Câmara Municipal de Cuiabá deve votar, na manhã da próxima quinta-feira (10), uma lei que obriga a Secretaria Municipal de Educação a oferecer capacitação sobre doentes celíacos e alérgicos alimentares nas escolas. O Projeto surgiu depois que Emanuel Augusto Jecez Artuzo, de cinco anos, ficou acamado por quatro dias após ter contato com glúten em uma escola municipal de Cuiabá.

A doença celíaca é causada pela intolerância aguda ao glúten, uma proteína presente na semente de muitos cereais, como trigo, cevada, centeio e aveia. Ela atinge 1% da população, e tem como único tratamento a exclusão e não contato com a proteína. Se este contato não é evitado, o portador da doença pode apresentar diarréia crônica, prisão de ventre, anemia, falta de apetite, vômitos, emagrecimento ou obesidade, atraso de crescimento, humor alterado, distensão abdominal, dor abdominal, aftas de repetição e até osteoporose.
No caso de Emanuel, a doença foi descoberta aos três anos de idade. Segundo a mãe, Silvia Jecev, no entanto, este diagnóstico foi tardio: ela já tinha afetado os rins do garoto, que hoje trabalham com apenas 14% de sua capacidade.
Desde que descobriu a doença do filho, Silvia mudou completamente o modo de vida, e passou a lutar contra o preconceito e bullying. Além disso, ela mesma teve que parar de ingerir o glúten, já que o contato não é feito somente de forma direta, mas também com o contato pessoal (beijos e abraços em pessoas que ingeriram a proteína) e com contaminação cruzada (quando os alimentos são feitos nos mesmos utensílios ou colocados nas mesmas prateleiras de supermercado que alimentos com glúten). Além dos alimentos, shampoos, condicionadores e materiais escolares podem ser perigosos para os celíacos.
E foi uma massinha de modelar que fez Emanuel ficar acamado. “Ele estuda nessa escola há um ano, e neste tempo eu já fui lá, já expliquei, levei diversos laudos médicos mostrando que meu filho não pode ter nenhum tipo de contato. Mas neste dia a professora deu uma massinha de modelar para ele brincar, e continha glúten”, lembra a mãe.
A ocorrência fez com que Silvia decidisse que precisava de amparo legal. “Eu percebi que este não era o meu papel, e na verdade a escola nem me deixava fazer além do meu papel de mãe. Eu já cheguei a fazer pequenas palestras sobre o assunto, e mesmo assim não adiantou”, conta. Na última semana, a história de Silvia e Emanuel chegou aos ouvidos do vereador Luís Cláudio de Castro Sodré (PP), que convidou a mãe para falar na Tribuna Livre na última terça-feira (8).
Silvia preparou um discurso, e explicou em plenário sobre a situação, que não é só dela, mas de diversas mães. Em sua fala, afirmou que somente a informação poderia resolver este problema. “Eu sou só uma mãe que quer meus filhos nos braços por toda a vida”, disse. “Não é frescura, não é dieta da moda. É uma necessidade para se viver”, completou. Assista:

Após a fala, que emocionou o presidente da Câmara Justino Malheiros (PV) e os outros vereadores, Luís Claudio decidiu criar um Projeto de Lei que obriga a Secretaria de Educação a capacitar as equipes gestoras das escolas municipais sobre como receber as crianças celíacas e alérgicos alimentares.
Segundo o vereador, na sessão das 9h da manhã o projeto deve ser votado em caráter de urgência urgentíssima. “Para isso nós precisamos de 17 votos. Se não o projeto ainda teria que passar pelas comissões”, explica. “Se for aprovado em caráter de urgência, o projeto vai só aguardar a sanção do prefeito Emanuel Pinheiro”.
Para Silvia, este seria um grande avanço. “Eu confesso que não achei que o resultado seria tão rápido, de terça pra hoje minha vida mudou. Foi tudo de uma vez. Mas estou muito feliz”, afirma. 


Bem Notícias

Diretor Geral
Zied Coutinho

Titulo fixo

Facebook

Bem Notícias - © Copyright - 2016 - Todos os direitos reservados

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo