Política

12/04/2018 12:22

Botelho lê carta protocolizada por Fávaro e sacramenta último ato de renúncia do vice

O último ato formal para sacramentar a renúncia do ex-vice-governador Carlos Fávaro (PSD) aconteceu no plenário das deliberações Renê Barbour, quando o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Botelho (DEM), leu a carta protocolizada no Poder Legislativo. Os anais da Assembleia dão conta de que é a primeira vez que acontece a renúncia de um vice-governador na história de Mato Grosso.
 
Eduardo Botelho leu a íntegra da carta de renúncia de Fávaro. “Quero passar para a assessoria publicar [no Diário Oficial do Estado] este ato de renúncia do senhor vice-governador”, observou ele, após a leitura em plenário.
 
“A nova política exigida pela sociedade não quer discurso, quer ação. Tenho convicção de que esta é a decisão mais acertada. Dessa forma, a fim de continuar contribuindo com Mato Grosso na construção de um novo projeto para o Estado, informo Vossa Excelência que renuncio, a partir dessa data, ao cargo de vice-governador”, enfatizou Botelho, na leitura da carta de renúncia do ex-vice-governador.
 
Fávaro tinha avisado que não poderia percorrer Mato Grosso e fortalecer o PSD, recebendo R$ 20 mil por mês do Tesouro do Estado, além de utilizar a estrutura da Vice-Governadoria. Ele lembrou que reduziu de 74 cargos para 20 à disposição do gabinete do vice e abordou sua passagem de 20 meses pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema).

Como pano de fundo, a renúncia do vice é fruto do temor de Fávaro ter de assumir o governo nos próximos meses, em eventual viagem ao exterior de Taques, tornando-o inelegível para o Senado Federal
 
 A bancada 
 
Mesmo com Carlos Fávaro se declarando independente, quatro dos cinco deputados estaduais do PSD continuam apoiando a gestão do governador José Pedro Taques (PSDB). Todos permaneceram na agremiação – a única defecção foi do deputado estadual Doutor Leonardo Albuquerque, que migrou para o Solidariedade (SD).
 
A bancada do PSD ficou parcialmente com Fávaro. Os deputados estaduais Gilmar Fabris, Pedro Satélite, Nininho Ondanir Bortolini e Wagner Ramos continuam na base de sustentação de Taques, enquanto José Domingos Fraga Filho foi o único a adotar a tal postura independente do ex-vice. Todos permanecem no PSD.
 
“Nós manteremos o apoio a governabilidade, mas não significa que iremos dizer amém a todas os projetos. Naquilo que for necessário, faremos as pontuações necessárias”, resumiu Gilmar Fabris, líder do PSD na Assembleia.

Olhar Direto.


Bem Notícias

Diretor Geral
Zied Coutinho

Titulo fixo

Facebook

Bem Notícias - © Copyright - 2016 - Todos os direitos reservados

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo