Política

31/01/2018 11:00

CPI das Pedaladas é instalada e presidente solicita apoio do TCE; deputado aponta improbidade

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) intalada nesta terça-feira (30), na Assembleia Legislativa para investigar o governador Pedro Taques (PSDB), ainda nem teve os trabalhos iniciados, mas já tem deputados que confirmam a improbidade administrativa por conta do desvio de finalidade de R$ 230 milhões em recursos do Auxílio Financeiro de Fomento às Exportações (FEX) para cobrir valores que teriam sido retirados do fundo ao longo do ano. O presidente da CPI, Mauro Savi (PSB), informou que irá pedir auxílio técnico do Tribunal de Contas do Estado para tocar os trabalhos.

“Ao contrário do que estavam falando sobre o gasto da CPI, quero que fique claro que o montante de R$ 1 milhão não existe. Iremos usar a estrutura que temos e solicitar equipe técnica do TCE. Se precisarmos de deslocamento, gasto com deslocamento, por exemplo, será solicitado a Mesa Diretora e exposto à sociedade”, explicou Savi.

Segundo o subrelator Allan Kardec (PT), a improbidade está clara e os membros que compõe a investigação devem exigir a quebra de sigilo fiscal e bancário do governo para descobrir para onde o recurso foi.

“Uma coisa ficou clara, inclusive na fala dos companheiros que estão compondo a CPI - Desvio de finalidade - sobre o recurso carimbado e é flagrante uma vez que ele teve que fazer a devolução de R$ 230 milhões com o dinheiro do FEX. O governador estava inclusive prometendo isso para a saúde. Já sabemos que ele utilizou este recurso indevidamente patrocinando o empobrecimento de 141 municípios do estado na questão da educação”, afirmou.

“A CPI precisa saber mês a mês para onde foi utilizado esse recurso. Para isso vamos precisar quebrar sigilo fiscal e bancário do governo para sabermos onde foi o dinheiro durante o ano todo. Só assim, depois deste relatório fiscal e financeiro que vamos saber a questão do Fundeb e do Fethab”, disse.

O parlamentar também destacou que a improbidade administrativa cometida pelo governador já foi confirmada e é necessário saber para onde o dinheiro foi no período de 2017. “A improbidade está ‘comprovadíssima’. A Associação Mato-grossense dos Municípios nos alertou no dia 28 de dezembro quando os prefeitos receberam os recursos que estavam retidos aqui, sendo utilizados para outras finalidades”, pontuou.

A CPI que vai investigar o possível desvio de finalidade dos recursos do Fundo Estadual de Transporte e Habitação (Fethab) e do Fundo de Manutenção da Educação Básica e Valorização Profissional (Fundeb) será presidida por Mauro Savi (PSB) e terá como relator o deputado Nininho (PSD). A vice-presidência ficou Professor Adriano (PSB) enquanto Allan Kardec (PT) será o subrelator. O 5º membro titular será Guilherme Maluf (PSDB) que entrou no lugar de Doutor Leonardo (PSDB). Como membros suplentes ficaram Dilmar Dal Bosco (DEM), Janaina Riva (MDB), Romoaldo Júnior (MDB) e Wagner Ramos (PSD).

A comissão terá 180 dias podendo ser prorrogável, conforme o artigo 382 do Regimento Interno da Assembleia. As reuniões ocorrerão durante as terças-feiras, ás 14h. “Esperamos concluir esta CPI no prazo de 180, pois, este ano é eleitoral e muitos parlamentares poderão estar em suas bases, por isso, peço que todos participem assiduamente nesse período estipulado”, concluiu Mauro Savi.

Olhar Direto.


Bem Notícias

Diretor Geral
Zied Coutinho

Titulo fixo

Facebook

Bem Notícias - © Copyright - 2016 - Todos os direitos reservados

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo