Artigos

06/09/2017 10:03

Que(m) está caindo – 1

Midia News

O cenário que se apresenta no horizonte é ruim. Ou melhor: não é exatamente ruim

Em artigos anteriores, discutiu-se neste espaço a construção do sistema político brasileiro pra que chegasse a esse ponto degradado.

Na verdade, a passagem da suposta esquerda pelo poder, através do PT, acelerou o desmonte de um sistema que deveria durar muitos anos ainda.

Estava bom pra todos. Pra direita, pra esquerda, pro centro e pras corporações públicas em todos os níveis e poderes.

Deve ser debitada ao PT a incapacidade de manter o sistema que atendia muito bem a todos. Inclusive, ao PT e aos partidos ditos de esquerda.

Na verdade, todas as ideologias eram só fachadas pra abocanhar pedaços do sistema político e sangrar a nação. E como sangraram!

As delações a partir da operação Lava-Jato começaram a desmontar a máquina do poder político de Brasília e algumas ramificações em alguns estados.

Mas agora a delação do ex-governador Silval Barbosa está sendo muito didática. Pegou um estado considerado periférico e pôs a limpo todo um sistema histórico de corrupção muito parecido ao nacional.

Qual o mérito disso? Mostrou que o Brasil está contaminado por corrupção e por abusos contra o poder público em todos os estados.

A leitura é: se num estado periférico de 3 milhões de habitantes desvia-se R$ 1 bilhão em 4 anos e trava ou desvia os papéis da gestão pública, imagine-se São Paulo, por exemplo!

O Rio de Janeiro já se revelou. O Rio Grande do Sul parcialmente, junto com Minas Gerais. Imagine-se um estado como a Bahia onde os coronéis sempre se revezaram no poder político? E o Nordeste?

Ano que vem, tem eleição geral: presidente da República, 27 governadores, 54 senadores e 513 deputados federais, fora os estaduais em muito maior número.

Em Mato Grosso, são 24. Duas vagas de senador serão disputadas. As vagas de Blairo Maggi e de José Medeiros.

O cenário que se apresenta no horizonte é ruim. Ou melhor: não é exatamente ruim.

É de varredura dos quadros, por mais analfabetos políticos que sejam os quase 2 milhões de eleitores mato-grossenses.

Por quê? Perguntaria o leitor deste artigo. Ora, ficou clara, claríssima a capacidade de fazer o mal que teve essa geração de eleitos nas últimas décadas.

Acabou-se com a saúde, a educação, a segurança, o sistema penitenciário, etc. Fora o grande atraso que tudo isso causou.

Na prática, caem gerações de políticos sem que tenhamos tido tempo pra construir os seus substitutos.


Bem Notícias

Diretor Geral
Zied Coutinho

Titulo fixo

Facebook

Bem Notícias - © Copyright - 2016 - Todos os direitos reservados

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo